ENOTURISMO

O Chile dos vinhedos: conheça um dos países que mais produzem a bebida

Visitar as vinícolas é passeio indispensável a amantes de vinhos que pretendem conhecer o país. Além de produzirem, os chilenos são um dos povos que mais consomem a bebida anualmente no mundo, com cerca de 20 litros por pessoa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/08/2015 10:00 / atualizado em 31/07/2015 13:48

Martin Bernetti/AFP

Se você já foi ao Chile, certamente, visitou alguns dos vinhedos do país. Considerado o território da América Latina que apresenta as melhores vinícolas, o quinto maior exportador de vinhos tintos e brancos do mundo, atrás apenas de países como Estados Unidos, França, Itália e Espanha, possui mais de 117 mil hectares de áreas de vinhas.

As primeiras mudas de uva chegaram ao Chile no século 15, época do descobrimento da América. Levadas por um monge jesuíta que acompanhava Cristóvão Colombo em uma das viagens, as vinhas foram plantadas em Santiago. Produzido, inicialmente, em pequenas quantidades, o vinho chileno só ganhou espaço no mercado internacional nos anos 1990, quando produtores investiram na modernização dos vinhedos.

Características como clima variado e  localização privilegiada fizeram com que o país contasse com uma diversidade no plantio de uvas europeias, como a cabernet-sauvignon, utilizada na confecção de vinhos tintos de alta qualidade. Protegidas pelo Oceano Pacífico e pela Cordilheira dos Andes, as vinhas chilenas foram as únicas que não sofreram com a praga Phylloxera vastratrix, que destruiu plantações no mundo inteiro, no fim da década de 1850.

Uma das peculiaridades mais marcantes do país é a de suas vinícolas serem as únicas a contarem com variedades da uva francesa carmenère, que foi dizimada em outros locais pela Phylloxera. Levada por engano aos vales chilenos, a planta se adaptou ao clima e ao solo do território, chegando a ser considerada uma das espécies mais importantes do Chile, graças à sua qualidade e ao sabor.

O povo chileno faz parte dos maiores consumidores de vinho do mundo. Dados do Anuário do Vinho revelam que o consumo beira os 20 litros, por pessoa, por ano. Apesar de o consumo brasileiro ser bem inferior, apenas dois litros por pessoa, estudos do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) mostram que os vinhos do país são os mais vendidos no Brasil, representando 40% do mercado nacional. (Com informações de Álef Calado)

Rebeca Ramos/CB/D.A. Press

Undurraga (Maipo)
undurraga.cl
Fundada em 1885 por Don Francisco Undurraga Vicuña, um dos pioneiros na produção de vinho no Chile, a vinícola é uma das mais antigas do país e conta com duas adegas de elaboração de vinhos com capacidade total de 23 milhões de litros. Produzidos no coração do Valle del Maipo, os vinhos da Undurraga têm qualidade reconhecida internacionalmente e estão entre os mais consumidos.

Colchagua Valley/Divulgação

Montes (Colchagua)
monteswines.com
Nomeada, inicialmente, de Discover Wine, a Montes foi fundada em 1988 por quatro conhecedores da bebida. Atualmente, a vinícola exporta seus vinhos para mais de 100 países ao redor do mundo. Entre os passeios disponibilizados pelo Montes estão tours, almoços e degustações.

Santa Rita/Divulgação

Santa Rita (Maipo)

santarita.com
A 60km de Santiago, a vinícola Santa Rita foi fundada em 1880 por Don Domingo Fernández, que plantou uvas francesas no local. Durante o tour, além de visitar as plantações e os espaços da vinícola, os visitantes podem almoçar no restaurante Doña Paula, tomar um cafezinho no Café La Pañaderia e apreciar as obras de arte do Museu Andino.

Braitner Moreira/CB/D.A Press

Concha y Toro (Pirque)
conchaytoro.com
Maior e mais famosa vinícola do Chile, a Concha y Toro foi fundada em 1883 e exporta vinhos para cerca de 110 países. Durante o tour, visitantes conhecem a casa da família Concha y Toro, os vinhedos e as adegas. O vinho mais conhecido da vinícola é o Casillero del Diablo, encontrado em centenas de países.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.