CEARÁ

Além-mar: Fique por dentro da efervescência cultural de Fortaleza

A capital do Ceará é famosa pelas praias, mas vai além disso. Locais, como o Dragão do Mar, promovem shows que não perdem para outras capitais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/08/2015 20:55 / atualizado em 26/08/2015 19:08

Laisa Queiroz /

Jerrye & Roy Klotz MD/Divulgação

A capital do Ceará não chega a estar entre as cidades mais antigas do Brasil, mas, ainda assim, a metrópole de 289 anos é cheia de histórias. Muito além das praias, quem vai a Fortaleza deve aproveitar todas as opções culturais oferecidas, desde um passeio para ver de perto os prédios do centro, que exibem a arquitetura portuguesa centenária, até os museus, com programações variadas.

Um dos edifícios históricos mais importantes é a Catedral Metropolitana. Com estilo neogótico-romano e belos vitrais, ela começou a ser construída em 1939, mas as obras só chegaram ao fim em 1978. Vá também ao Teatro José de Alencar. Presente na cidade desde 1910, o prédio de estilo eclético foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Vale assistir a uma peça no maior auditório do local, que comporta 800 pessoas e conta com arquitetura art-nouveau. Outra viagem no tempo é ir ao Cine São Luiz. O antigo cinema, que também funciona como teatro, exibe filmes contemporâneos e clássicos, em diversas mostras ao longo do ano.

Não deixe de conhecer o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Com 30 mil metros quadrados, é uma das maiores áreas culturais do país. O complexo foi nomeado em homenagem ao jangadeiro Chico da Matilde, símbolo do movimento abolicionista. A construção moderna abriga o Museu da Cultura Cearense. A exposição permanente é a dos Vaqueiros, que retrata personagens importantes do sertão no estado. As outras exposições são temporárias — neste mês, você pode ver uma sobre o arquiteto Fausto Nilo. Além disso, há teatros, um anfiteatro (onde costuma ter shows), biblioteca, sala de cinema e o planetário. Se preferir algo mais descontraído, vá ao Museu da Cachaça.

Para fazer compras, duas opções são indicadas: a primeira é o Mercado Central, um edifício de cinco andares abarrotado de produtos artesanais cearenses. Ele existe desde 1809, mas antes era feito em madeira e vendia frutas, verduras e carnes à população. A segunda opção é a feira instalada na Beira-Mar, onde você acha castanhas, rapaduras, licores, rendas, bijuterias, roupas... Diversos artefatos para levar como suvenir a preços excelentes.

Agitos em casas antigas
Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Ao redor do moderno Dragão do Mar, há vários edifícios históricos — em geral, sobrados coloridos e conservados, com portas de madeira. Durante o dia, parece que nada funciona ali. Mas vá à noite e surpreenda-se. Muitos desses locais são bares ou pubs famosos na cidade, frequentados por moradores e turistas.

Um deles é o Chopp do Bixiga (Rua Dragão do Mar, 108). Fundado em 2001, o bar atrai muitos jovens — o foco nesse público é tão grande que foi criada a hashtag #VemSerFelizNoBixiga.! Eles vão em busca de conhecer gente nova, ouvir música ao vivo e provar o famoso chope de vinho, desenvolvido pelos sócios.

Há atrações para diversos gostos musicais na região. De bandas a DJs, tocando rock, indie, reggae, pop, MPB, eletrônico, jazz… Alguns ambientes oferecem pista de dança e outros, mesas de sinuca. Destaque para o descolado Órbita Bar (Rua Dragão do Mar, 207) e a boate LGBT Level (Rua Dragão do Mar, 218).

Por ali, também fica o tradicionalíssimo Pirata Bar (Rua dos Tabajaras, 325), fundado em 1986. O empreendimento cultural, turístico e boêmio já foi palco de grandes artistas, como Belchior, Gonzaguinha e Adriana Calcanhotto. Embora variem os ritmos, ficou mais conhecido pelo forró pé de serra de segunda-feira.

O início da semana pode ser de descanso para muitas pessoas, mas, no Pirata, a noite não tem hora para acabar. Essa fama fez com que o jornal norte-americano The New York Times desse ao lugar o título de “segunda-feira mais louca do mundo”. É ver para crer.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.