LISBOA

Arredores fantásticos: quatro lugares para ir e voltar no mesmo dia

Vilas e pequenas cidades próximas à capital são ótimas opções para passeios de um dia. História e religião, paisagens bucólicas e boa comida estão em todos os recantos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/09/2015 15:48 / atualizado em 03/09/2015 15:47

Álvaro Duarte

Carolina Braga/Divulgação

Ainda uma vila de Lisboa, apesar da sua importância, Sintra fica a apenas 20 minutos de carro da capital. Além do charme de sua arquitetura, com casarões nos mais variados estilos, são parada obrigatória o Palácio da Pena e o Palácio Nacional de Sintra. O primeiro, construído pelo rei dom Fernando II, no século 19, no ponto mais alto da Serra de Sintra, é um dos pontos turísticos mais visitados de Portugal. O palácio tem influências arquitetônicas manuelina e mourisca e é visto de longe por quem se dirige à região. No seu interior, os cômodos retratam fielmente como era a vida de reis, rainhas, cortesãos e escravos que o habitavam, principalmente no verão. Louças, quadros, objetos pessoais, móveis, lustres e vitrais estão impecáveis. Ele está a 500m de altitude, rodeado por uma floresta. No caminho até o Palácio da Pena encontra-se o Castelo dos Mouros, outra atração da vila.

Já o Palácio Nacional de Sintra fica no Centro. É bem menor que o Palácio da Pena, mas não menos interessante. O início de sua construção foi no século 15 e ele apresenta vários traços arquitetônicos que foram acrescentados à construção ao longo do tempo. Ele foi utilizado pela família real portuguesa até o fim da monarquia. As chaminés de sua cozinha, inteiramente preservadas, se destacam na paisagem de Sintra. A sala dos brasões, onde os nobres se reuniam com o rei, é outro destaque do palácio. Ainda em Sintra, vale a pena visitar o Cabo da Roca, ponto mais ocidental da Europa, citado por Camões em Os Lusíadas: “Donde a Terra se acaba e o mar começa”.

 

Cascais

 

Jose Manuel Ribeiro/AFP

Saindo do Cabo das Rocas, você pode ir direto para o sofisticado e bucólico balneário de Cascais, muito procurado no verão europeu. Mas pare para almoçar no Restaurante Toca do Júlio, que fica no caminho para Cascais. A comida é maravilhosa e eles têm hortas e criatórios próprios. A única exceção são os frutos do mar. Depois de um belo almoço, siga para a cidade. A vila fica cheia de turistas que vão em busca de sossego, belas paisagens, vasto comércio, excelentes bares, restaurantes e uma agitada vida noturna. Outra atração é a Praia do Guincho, no Parque Natural de Sintra-Cascais. O lugar é adorado por surfistas e amantes dos esportes náuticos. Perto dali está a Garganta do Diabo ou Boca do Inferno, onde se pode observar a força do mar no encontro com as rochas. E, pertinho de Cascais, vale uma visita ao tradicional Cassino de Estoril. Esse passeio entre Sintra e Cascais pode ser feito tranquilamente em um dia, saindo pela manhã e voltando no fim da tarde.

Marcelo Feijó/Divulgação

Óbidos
Construída dentro de uma fortaleza que foi tomada dos mouros em 1148, Óbidos é uma atração à parte em Portugal. Para desfrutar de cada pedacinho que existe ali é ideal ficar pelo menos um dia e pernoitar em uma das pousadas dentro ou fora da fortaleza. O lugar fez parte do dote de várias rainhas e, dentro da muralha, existe um complexo de lojas que vendem artesanatos, suvenires, roupas, quadros, esculturas e até um sebo que também é um sacolão! Além, é claro, de charmosos restaurantes e clássicas tabernas medievais. Ao longo dos becos há várias capelas e até um pelourinho. O turista pode ver toda a vila por cima, dando a volta pelas muralhas e se sentindo um membro da guarda real portuguesa. Hoje, Óbidos tem cerca de 3 mil habitantes.

Wikimedia/Divulgação

Alcobaça e Batalha
Entre Óbidos e Fátima, além da suntuosa paisagem de Nazaré, há dois mosteiros imperdíveis pelo caminho: Alcobaça e Batalha. Cidade famosa pelas grandes ondas que atraem surfistas do mundo inteiro, Nazaré tem uma das vistas mais lindas da região. Do alto de um penhasco, próximo ao Santuário de Nossa Senhora da Nazaré, tem-se uma ampla imagem da extensa praia dessa pacata cidade portuguesa. Conheça o santuário, almoce bem e siga para Alcobaça e Batalha antes de chegar a Fátima. Nas duas cidades, mosteiros que começaram a ser construídos nos anos 1110 e 1300, respectivamente, são Patrimônio Cultural da Humanidade.

O Mosteiro de Alcobaça é a primeira obra gótica de Portugal. Nele há o túmulo de dom Pedro I — que não é o “nosso” dom Pedro I. Para os portugueses, ele é dom Pedro IV — e dona Inês de Castro, que foi sua amante e coroada rainha depois de morta, em uma trágica história de amor proibido. Ela foi assassinada a mando de dom Afonso IV, pai de dom Pedro I. Batalha levou 131 anos para ser construído. Foi erguido por ordem do rei dom João I, em agradecimento pela vitória na batalha de Aljubarrota, e inaugurado em 1517. São construções monumentais.

Pedro Nunes/AFP

Fátima
Na última parada do dia, Fátima: um dos lugares mais famosos do mundo, pelo turismo religioso. A cidade gira em torno do santuário, que recebe fiéis o ano inteiro. São pessoas que vão para rezar, pagar promessas ou simplesmente conhecer o lugar, tão importante para os católicos, onde a Virgem Maria, depois de aparecer cinco vezes para três crianças, pediu que se construísse ali uma capela em sua honra. Uma legião de devotos toma conta da cidade em 13 de maio, data da primeira aparição. É comum ver durante todo o ano, pessoas percorrendo de joelhos o pátio central do santuário para pagar promessas. Há missas ao longo do dia. Confira os horários antes de ir.

Uma dica para quem quer trazer lembranças de Fátima é parar em um grande galpão na entrada da cidade. As mesmas imagens e suvenires encontrados nas proximidades do santuário podem ser comprados por preços bem menores nesse lugar.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.