SUÍÇA

No verão suíço, escolha entre o calor das cidades e o frio das montanhas

Em uma das rotas do Grand Tour, o visitante escolhe entre o calor, com caminhadas próximas à natureza, e o frio, com o palácio de gelo na estação de Jungfrau

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/09/2015 21:04 / atualizado em 09/09/2015 21:04

Guilherme Paranaiba

Bruno Petroni/Divulgação

Quando um turista brasileiro pensa na Suíça como destino de férias, é quase senso comum que o principal atrativo será a neve. Com todas as suas relações com o frio e com a cadeia montanhosa conhecida como alpes suíços, muita gente pensa que o inverno é a melhor época para conhecer esse país europeu. O que muitos não sabem é que no verão, mesmo com temperaturas que ultrapassam facilmente os 30ºC, o topo de algumas montanhas continua gelado e preserva o gelo, garantindo duas experiências totalmente distintas na mesma estação do ano.

Dos 1,6 mil quilômetros de toda a rota do Grand Tour da Suíça, um pequeno trecho entre Lucerna e Interlaken guarda duas possibilidades de conciliar frio e calor. Em Lucerna, basta pegar um trem para Engelberg, no pé dos alpes, para chegar à porta de entrada para o Monte Titlis. Dali em diante você usa três tipos de bondes até chegar ao topo da montanha. O último meio de transporte é uma gôndola que faz um giro completo, de 360 graus, garantindo a vista por todos os lados. No topo, duas atrações valem a pena.

Denis Balibouse/Reuters

Uma é a caminhada de 150 passos pela ponte suspensa, a uma altitude de 3 mil metros. Se você estiver com mais pessoas, não se esqueça de dar aquela balançada clássica na ponte, para aumentar a emoção e escutar a reação dos amigos. A segunda é o teleférico aberto que leva o turista até um parque de diversões glacial. Se você der sorte e as condições do tempo estiverem favoráveis, dá para apostar corrida em uma descida na neve montado em uma boia, um cavalinho de plástico ou algum carrinho adaptado. No topo, há também opções de restaurantes.

Outra montanha que é diversão garantida e um dos símbolos da Suíça é a Jungfrau — o acesso se dá, normalmente, a partir de Interlaken. São necessários três trens até alcançar uma estação construída no meio dos alpes, a 3,454 metros de altura. Essa construção, de 1912, garante ao terminal de Jungfraujoch o título de ponto ferroviário de transporte de passageiros mais alto da Europa.

O visitante encontra nessa montanha um complexo de atividades, como um palácio de gelo dentro da geleira, um restaurante e mais um parque de diversões para descidas na neve. A facilidade de acesso ao Jungfrau, via trem de passageiros, leva todos os dias 6 mil pessoas até o topo de uma das montanhas da cadeia dos alpes suíços.

Arnd Wiegmann/Reuters

Harder Kulm
Uma experiência intermediária de montanha na Suíça, que não tem relação com neve, pode ser interessante se o objetivo do turista for encontrar belas vistas. É o caso da montanha Harder Kulm, a 1.322 metros de altitude. Ela oferece a melhor resposta para a seguinte pergunta: qual é o significado do nome Interlaken? Basta chegar ao topo e perceber que Interlaken está entre dois grandes lagos, Brienz e Thun, ambos no curso do Rio Aare. Essa montanha oferece uma plataforma suspensa que dá a impressão de que o visitante está solto e vai cair. O trem, que leva até o topo de Harder Kulm, chama a atenção pela engenharia arrojada.

O diretor da Switzerland Tourism no Brasil, Adrien Genier, destaca a possibilidade de misturar características distintas numa mesma estação. “Os meses de julho até o fim de setembro são os melhores para aproveitar os dias longos, oferecendo passeios nos lagos e jantares nas varandas dos restaurantes. E, ao mesmo tempo, a possibilidade de chegar em menos de uma hora e meia ao topo de uma geleira para brincar com a neve, descer de trenó e outras aventuras inesquecíveis”, diz Genier.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.