RÉVEILLON

Comemore a chegada de 2016 em ritmo de festa e nas areias da praia

Virar o ano na praia é o plano de muita gente todos os anos. Para quem gosta de farra, vale a pena curtir as queimas de fogos mais tradicionais do país, como as do Rio e da Bahia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/10/2015 19:03 / atualizado em 08/10/2015 20:28

Laisa Queiroz /

 Breno Fortes/CB/D.A Pres

Pular as sete ondas, comer romãs para dar sorte e usar a cor certa de roupa, de acordo com os seus desejos para o ano seguinte, são hábitos que fazem parte do ritual de ano-novo de muitos brasileiros. Isso e, claro, estourar o espumante à meia-noite e assistir à queima de fogos. Nessa época, os destinos litorâneos têm a preferência, e o Rio de Janeiro é o campeão.


Na virada de 2014 para 2015, mais de 2 milhões de pessoas foram a Copacabana para ver o mais tradicional show pirotécnico do Brasil, que durou 16 minutos e contou com a participação de músicos brasileiros, como Maria Rita e Titãs — em outros anos, a festa teve a presença de atrações internacionais também, entre elas, a banda Rolling Stones e o DJ David Guetta. A programação para 2016 ainda não foi divulgada pela prefeitura, mas, como de praxe, um grande evento é esperado.


Se você não vai se hospedar em Copacabana, saia do hotel com muitas horas de antecedência (até o fim da tarde). O metrô e os ônibus lotam e formam enormes filas. Os táxis te deixam próximo ao local, mas não podem entrar nas ruas mais próximas das praias, pois elas ficam fechadas. Outro inconveniente é usar o banheiro, que também tem filas muito grandes. Se você se hospedar à beira da praia, vale a pena tirar a água do joelho no hotel — acredite, é mais rápido. E o espetáculo é tão bonito que faz tudo isso valer a pena.


Para quem quer ver os fogos de Copacabana, mas não quer ficar na praia, uma das opções é a concorrida virada do Morro da Urca. Além dos DJs, a 20ª edição da festa vai contar com a bateria da Unidos da Tijuca para animar a noite. Os ingressos custam a partir de R$ 652 (meia) e estão inclusos serviço de bufê e open bar.


Outra cidade carioca famosa pelas comemorações de ano-novo é Búzios (a 180km do Rio). A principal queima de fogos ocorre no Píer do Centro. Mas a fama vai para as festas pagas, com destaque para Privilège Búzios, Casa da Praia Búzios, Geribá Boutique, Pacha Hedkandi Búzios e Réveillon da Tartaruga.

Fernando Braga/CB/D.A Press

Nordeste
A prefeitura de Salvador se antecipou e já divulgou a programação para o fim do ano. Serão cinco dias de festa gratuitos, com 23 shows realizados entre 28/12 e 1º/1. Entre os destaques, estão Jota Quest e Capital Inicial. No ano passado, as apresentações se dividiram entre a Praça Caiuru e o Farol da Barra, onde há queima de fogos.


Na Praia do Forte, a 50km do aeroporto, também há boas atrações. No Tivoli Ecoresort, são sete dias de comemoração, sendo um lual com a Banda Eva a principal atração. No Iberostar, a festa dura cinco dias e leva apresentações de Babado Novo e de Tuca Fernandes para os hóspedes. Mas se você não curte axé e prefere um réveillon um pouco diferente, vá, por incrível que pareça, a Porto Seguro. O La Torre Resort All Inclusive, na Praia do Mutá, oferece a primeira virada estilo boho chic da Bahia, que traz influências hippies e retrô.

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Ainda no estado, um dos locais mais conceituados para começar o ano é Trancoso. O destino atrai muitos estrangeiros e celebridades. No pré-réveillon, algumas das festas mais esperadas são Welcome Trancoso (dia 27), We Love Trancoso (28), Saravá (29) e Cacau (30). Na virada, vá à Festa do Taípe, que, mesmo fazendo mistério com as atrações, atrai cerca de 2 mil pessoas por ano.

Setur/Divulgação

 

Sem praia

Não é só no litoral que a queima de fogos vale a viagem. Quem planeja visitar parentes em São Paulo (ou apenas está atrás de destinos com voos não tão caros) tem muito o que aproveitar. Todos os anos, um público quase tão grande quanto o de Copacabana se reúne na Avenida Paulista para comemorar. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.