LONDRES MUSICAL

Eternizados em notas: ruas e espaços londrinos que respiram música

David Bowie escolheu o coração de Londres para a capa de um de seus mais famosos discos, assim como o Oasis. No Soho, turista encontra lojas especializadas e muita boemia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2015 10:01 / atualizado em 16/10/2015 11:17

Renan Damasceno

Renan Damasceno/EM/D.A Press

Ícone do pop, rock e glam, David Bowie escolheu a pequena e pacata Heddon Street para a foto de capa de um dos discos mais icônicos da música britânica: o conceitual The rise and fall of Ziggy Stardust and the spiders from Mars. Em frente ao número 23 da travessa — localizada entre as movimentadas Regent St. e Oxford St., no coração de Londres —, Bowie posou para o fotógrafo Brian Ward, em noite chuvosa de janeiro de 1972. Ali, funcionava uma loja de couros e peles, a K.West, letreiro que aparece na foto do álbum.


Em 2012, uma placa em homenagem ao personagem Ziggy Stardust foi colocada no local, bastante modificado com a transformação da travessa em quarteirão gastronômico. Os toldos dos restaurantes desfiguraram o ambiente eternizado na capa do disco. A cabine telefônica vermelha, da contracapa original, foi devolvida à travessa em 2007, e hoje estampa várias mensagens de amor ao Camaleão.


A poucas quadras da Heddon Street, outra rua foi eternizada pela música. Um dos discos mais festejados do britpop — movimento surgido nos anos 1990, com um rock mais leve, bastante tocado em rádios —, o (What’s the Story) Morning Glory?, do Oasis, traz na capa uma cena cotidiana da Berwick Street, esquina com D’Arblay Street, no agitado Soho. A rua é conhecida pelos restaurantes, estúdios e, claro, pelas lojas de discos.


Vanguarda
No Soho, é possível comprar um disco do Deep Purple pela bagatela de 1 libra (R$ 6,10) ou gastar horas tentando convencer um colecionador a lhe vender uma primeira edição luxuosa do Cream ou do The Who por algumas centenas. Lojas como Phonica (51 Poland Street) e Reckless Records (30 Berwick Street) são algumas das mais visitadas pelos apaixonados por vinil.


Foi nas ruas do bairro, sobretudo nas redondezas da Carnaby Street, que Londres experimentou as minissaias e as roupas coloridas que revolucionaram a moda na década de 1960. As lojas do bairro também vestiram ícones da música britânica — David Bowie e Morrisey, por exemplo, sempre batiam ponto na pequena Face. À noite, o bairro se transforma, com a abertura de casas noturnas.

 

Conduzidos pelo som

Renan Damasceno/EM/D. A Press

Um dos primeiros discos do Rolling Stones, Between the buttons (1967), traz os integrantes no frio de Primrose Hill, no Regent Park.


O bairro de Camden Town, de imigrantes irlandeses passou a respirar o rock’n’ roll, em 1960. Na década seguinte, foi o berço do punk.


Entre os pubs, um dos mais disputados é o Hawley Arms (2 Castlehaven), bastante frequentado na última década por Amy Winehouse, que morava a pouco mais de um quilômetro dali, no número 30 da Camden Square, até hoje ponto de homenagens à cantora, morta em 2011. (RD)

AFP PHOTO / LEON NEAL

Onde ir
Roundhouse

Quem já tocou: The Beatles,
The Rolling Stones, Jeff Beck, The Yardbirds, Led Zeppelin, entre outros
Endereço: Chalk Farm Road
Site: roundhouse.org.uk

Electric Ballroom
Quem já tocou: The Clash, Oasis, The Smiths, Joy Division, entre outros
Endereço: 184 Camden High St.
Site: electricballroom.co.uk

The Underworld
Quem já tocou: Radiohead, Placebo, entre outras.
Endereço: 174 Camden High St.
Site: theunderworldcamden.co.uk
EMI Music/ Reprodução

Visite
The rise and fall of Ziggy Stardust
and the spiders from Mars

David Bowie (1972)
Onde: 23 Heddon Street, Mayfair
Estação de metrô: Oxford Circus

(What’s the story) Morning glory?
Oasis (1994)

Onde: Berwick Street, Soho
Estação de metrô: Tottenham Court Road

Contrate
London Rock Legends Tour

Visita guiada (em inglês) pelos principais pontos da história do rock na cidade
Site: visitbritainshop.co.uk/brasil/london-rock-legends-tour
Preço: US$ 52,50 (R$ 195)

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.