VIAGEM NA TELONA

Do Brasil para o mundo, filmes nacionais mostram as belezas do país

Locações nacionais conquistam cada vez mais espaço nas grandes produções de Hollywood. O Turismo indica alguns dos lugares que foram pano de fundo para variadas tramas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2015 10:00 / atualizado em 22/10/2015 18:39

Clima predominantemente ensolarado, público receptivo e belezas de encher os olhos. Essas são apenas algumas das qualidades de um dos países mais belos do mundo. O “berço do samba e das lindas canções”, da cantora Beth Carvalho, e “terra que a todos seduz”, do compositor André Filho, vem, com o passar dos anos, ganhando as telas de grandes produções cinematográficas ao redor do mundo. Confira alguns lugares do Brasil que já estiveram nos filmes e, claro, saiba o que visitar na região.


Paris Filmes/Divulgação

Rio de Janeiro
Crepúsculo: amanhecer — parte 1 (2011)

No penúltimo capítulo da saga Crepúsculo, os recém-casados Edward Cullen (Robert Pattinson) e Isabella Swan (Kristen Stewart) escolhem o Brasil para passar a lua de mel. A casa reservada para as gravações de algumas das cenas mais importantes do filme fica a apenas 45 minutos da praia de Paraty-Mirim, na cidade histórica de Paraty, litoral sul do estado do Rio de Janeiro. O acesso à locação, que ganhou fama mundial após o lançamento do filme, é possível apenas por meio de barco ou helicóptero. Para viver uma experiência à la Crepúsculo — sem os vampiros, claro —, o visitante terá que desembolsar de R$ 6 mil a R$ 15 mil, por dia, para alugar a residência.

 


Columbia Tristar/Divulgação-23/3/00

Amazônia
Anaconda (1997)

Abordando os perigos do Brasil, Anaconda mostra os ataques de uma cobra gigantesca a um grupo de jornalistas da revista National Geographic que explorava os mistérios da Floresta Amazônica. A mata é uma das Sete Novas Maravilhas da Natureza e também uma das maiores, ocupando cerca de 5,5 milhões de metros quadrados. A fauna e a flora da bacia são extremamente diversificadas e, dependendo da região, existe a possibilidade de encontrar animais tão amedrontadores quanto a cobra da ficção.

 

 

EBC/Divulgação

Mato Grosso
Xingu (2012)

Conta a história dos irmãos Villas-Bôas, protagonistas da Expedição Roncador em direção à área que hoje compreende o Parque Nacional do Xingu, de aproximadamente 27 mil quilômetros quadrados. O filme mostra o contato que, de fato, ocorreu entre os três e várias tribos indígenas nos anos 1940, e reflete sobre as consequências (positivas e negativas) desse contato até hoje. Algumas agências de viagens levam turistas para conhecer os rios, a vegetação (transição entre planalto central e Floresta Amazônica) e, especialmente, as aldeias que mais de 5 mil índios habitam, onde podem ver danças e ouvir histórias. É possível, ainda, comprar o artesanato local. Várias cenas do filme foram gravadas, ainda, em Tocantins.

 

 

Otacilio Lage/EM/D.A Press
 

Bahia

Turistas (2006)

Planejado, inicialmente, para ser gravado na Guatemala, o filme Turistas mostrou os encantos das praias e das selvas brasileiras, em Lençóis (BA), de uma maneira bem assustadora. Na trama, um grupo de estrangeiros está aproveitando as belezas do Brasil até que eles são assaltados, agredidos e mantidos em cativeiro por uma gangue de venda de órgãos. A produção foi alvo de críticas por apresentar uma visão muito negativa do país. Apesar de Rio de Janeiro e São Paulo também terem servido de cenário, a maior parte do filme se passa no estado da Bahia.

 

 

Alexandre Ermel/Divulgação

São Paulo
Ensaio sobre a cegueira (2008)

Uma epidemia de cegueira atinge uma cidade. Inexplicável e inédita, a doença faz com que pacientes sejam capazes de enxergar apenas superfícies esbranquiçadas. Com o tempo, os serviços oferecidos pelo estado começam a falhar e as pessoas passam a lutar pela sobrevivência. Parceria entre Brasil, Japão e Canadá, o filme conta com locações em Montevidéu, Toronto e na cidade de São Paulo. Cartões-postais da capital paulista, como as escadarias do Theatro Municipal, o Viaduto do Chá, a Avenida Paulista e o Minhocão estão presentes no filme e devem ser visitados.

Recife
Paraísos artificiais (2012)

Uma jovem DJ interpretada pela atriz Nathalia Dill vai a um festival de música eletrônica à beira-mar com uma amiga. Lá, elas vivem experiências intensas, que passam pelo uso de drogas e por cenários paradisíacos. A maior parte do filme foi gravada na Praia do Paiva, em Recife, considerada um dos refúgios da  capital pernambucana. Tranquila e pouco explorada por turistas, ela mantém a maior parte da vegetação nativa. Paraísos artificiais foi inspirado no festival Universo Paralelo, que acontece durante o réveillon em outra praia igualmente bela: Pratigi, no sul da Bahia.

 

 

Hugo Santarem/Divulgação

Brasília
Faroeste Caboclo (2013)

Inspirado em uma das canções mais famosas da banda brasiliense Legião Urbana, o filme conta a saga de João de Santo Cristo a partir do momento que o rapaz pisa, pela primeira vez, em Brasília. Para simular a realidade da capital federal, no fim dos anos de 1970 e início de 1980, a equipe de produção precisou fazer alterações na Rodoviária do Plano Piloto e alugou alguns ônibus que datam do início da construção da cidade. Comunidades no entorno do Distrito Federal, como o Jardim ABC, na Cidade Ocidental, também foram utilizadas para dar vida à letra de Renato Russo.

Rio Grande do Sul
Saneamento Básico (2007)

Em uma cidade fictícia da Serra Gaúcha, os moradores se reúnem para tentar resolver um problema: o tratamento de esgoto. A prefeitura não tem verba para a construção de uma fossa, mas dispõe de R$ 10 mil para uma realização audiovisual. A solução escolhida é fazer um filme de ficção sobre um monstro que vive na fossa de esgoto, para chamar a atenção. A comédia se passa na charmosa Bento Gonçalves, povoada, principalmente, por descendentes de italianos e conhecida pelo grande número de vinícolas, que produzem alguns ótimos vinhos brasileiros e atraem muitos turistas no inverno.

Ceará
Bela Donna (1998)

Parceria entre Brasil e Estados Unidos, o filme conta a história de um casal de americanos que se muda para o litoral cearense para trabalhar em um empreendimento petrolífero. O longa foi gravado no município de Morro Branco, em Itatira, no Ceará. A pequena cidade atrai turistas do mundo inteiro por contar com algumas das praias mais bonitas do país.

Goiás
Dois filhos de Francisco (2005)

O longa conta a história da dupla sertaneja Zezé Di Camargo & Luciano, desde a origem pobre, no interior de Goiás, até o estrelato e o reconhecimento nos quatro cantos do Brasil. Apesar de contar com algumas cenas no Rio de Janeiro, grande parte do filme foi gravada em Pirenópolis, cidade turística tombada como patrimônio nacional. Cercado de morros, cachoeiras e outras belezas naturais, o município é considerado um retrato vivo da história do povo goiano.

 

 

Cacá Diegues/Divulgação
 

Tocantins
Deus é brasileiro (2003)

Deus decide tirar férias e, para isso, precisa encontrar um substituto para o “trabalho”. Opta, então, por procurar essa pessoa no Brasil. Um dos locais por onde passa nessa busca é o Parque Estadual do Jalapão, no Tocantins. A parte mais marcante do local que aparece no filme é um conjunto de dunas de areias muito amarelas cortadas por rios e brejos. O local também já foi usado pelas séries de TV Alice e Survivor. O governo do estado do Tocantins incentiva que os turistas visitem os cenários das tramas, que agora estão mais estruturados, com boas opções de restaurantes, por exemplo.

 

 

Nelson Di Rago/Globo Filmes
 

Paraíba
O auto da compadecida (1999)

Inspirado na obra de Ariano Suassuna, O auto da compadecida conta as aventuras vividas pelo malandro João Grilo (Matheus Nachtergaele) ao lado de seu amigo Chicó (Selton Mello). Gravado em Cabeceiras, no sertão da Paraíba, o filme foi sucesso de bilheteria ao misturar drama e comédia e abordar elementos aspectos culturais do nordeste do Brasil. A cidade que serviu de cenário para a produção é conhecida como a “Roliúde” Nordestina, por ter sido palco de mais de 30 produções cinematográficas. Cabeceiras chama atenção por suas casas do século 18 bem conservadas e pelo clima predominantemente árido.

 

Com informações de Álef Calado e Laísa Queiroz

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.