MERCADÕES

Cheios de estilo, mercados populares revelam suas delícias e curiosidades

As feiras de rua e os mercados municipais não podem ficar de fora dos roteiros de viagem por serem ótimas opções para quem quer comprar artigos que contam muito da cultura local. De quebra, aproveite para se deliciar com iguarias típicas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/02/2016 22:00 / atualizado em 19/02/2016 14:23

José Cordeiro/Divulgação

São muitos sons, cheiros, cores e produtos. Uma feira tem o mesmo astral em qualquer lugar no mundo. Certo? Quase. O interesse de turistas em conhecer grandes mercados mundo afora fez surgir uma nova modalidade de negócios, que estimulou investimentos e fez surgir um novo roteiro turístico nas cidades.

 

Quem quer um lugar para fazer compras e, de quebra, se deliciar com pratos típicos da região em suas viagens, pode se programar para conhecer os mercados municipais e as feiras de rua das cidades por onde passar. É a chance de entender um pouco da cultura popular, encontrar gente de todo o mundo e se fartar com a riqueza gastronômica.

 

Os mercadões estão no roteiro de muitos turistas, como a bióloga Thelma Alves, 36 anos, e o marido, Tadeu Arcolini. Eles conhecem espaços no Brasil e famosos no mundo, como o Spice Bazaar, em Istambul, na Turquia. “É um local relativamente limpo, organizado e indicado ao turista que quer conhecer os temperos e as delícias turcas”, diz Thelma.

 

Segundo ela, quase todas as barracas são um convite para que o visitante experimente algum produto típico. “O único problema são os comerciantes, que chamam o comprador aos berros e ficam tentando adivinhar a nacionalidade de cada um que passa por ali. É um festival de ‘buongiorno, good morning, bonjour e buenos dias’, que deixaria qualquer escola de idiomas orgulhosa. Até um ‘Brasil? Brasil? Bom dia, amiga’ nós pudemos ouvir”, acrescenta.

 

Enquanto passava por Paris, o casal visitou também o Les Halles de Lyon — Paul Bocuse, mercado considerado o paraíso na terra para os amantes da comida francesa.

 

Arquivo Pessoal

Durante as viagens que faz para participar de congressos ou para visitar o marido, que está morando em outro estado por conta de um doutorado, a professora Juliana Oliveira, 36 anos, também aproveita para conhecer os mercadões. “Já fui ao Mercado Municipal de São Paulo, ao Mercado Municipal Antônio Franco, em Aracaju, e ao Mercado de Artesanato Paraibano (MAP), em João Pessoa. Até agora, o da capital paulista foi o maior e mais organizado, com restaurantes populares muito bons, queijos, azeites, frutas e comidas para pronta entrega”, compara.

 

A universitária Zilianna Farrapeira, 23, está no time dos que não resistem aos encantos dos mercadões. Ela conta, por exemplo, que conheceu o Ver-o-Peso e a Estação das Docas, em Belém. “Eles ficam praticamente grudados um no outro. A Estação é bem parecida com o Pontão, aqui em Brasília. É um ponto turístico de Belém que tem restaurantes, cervejarias, lojinhas de lembranças e a Cairu, uma das sorveterias mais famosas do estado. O Ver-o-Peso é mais um mercadão mesmo, onde você encontra de alimentos a roupas. Eu acabava visitando os dois lugares quase todos os dias para tomar um açaí fresquinho”, relembra.

 

Uchoa Silva/Divulgação

Em uma viagem ao Egito, a professora Flávia Horch, 50, conheceu o Khan El Khalili, um bazar muito antigo no coração do Cairo. “O lugar é enorme, cheio de ruelas estreitas e meio sujo. A gente precisou de um mapa para se locomover. Assim como a maioria dos ambientes coletivos no Egito, as mulheres não trabalham diretamente com os clientes, que são atendidos exclusivamente por homens”, relata.

 

Europa

Durante os dois anos que morou na capital britânica, Flávia conheceu o Camden Market, o Greenwich Market e o Borough Market, três dos mercados de rua mais famosos de Londres. “Os lugares são incríveis, organizados e bem estilosos. Lá, você encontra mercadorias, comidas e pessoas do mundo todo. O Camden é lotado aos fins de semana e é o ponto de encontro de todas as tribos. A Amy Winehouse sempre estava lá, bebendo em algum pub. Os outros dois também são ótimos para passear, fazer compras ou simplesmente curtir em um dos bares.”

 

Sofisticação

Abreviatura de public house, os pubs são os bares do Reino Unido. Os estabelecimentos são perfeitos para quem quer curtir um ambiente mais medieval, com baixa iluminação e bandas de rock ao vivo. As cervejas de pressão (tiradas na hora e diretamente no copo, como o chope) fazem sucesso e costumam ser as bebidas mais pedidas.

 

Colaborou Álef Calado

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.