VELHO CONTINENTE

Dividida em duas pelo Rio Danúbio, Budapeste encanta turistas do mundo todo

A capital da Hungria harmoniza moderno e antigo e atrai milhares de turistas todos os anos. Conheça tudo o que há de bom na cidade que é porta de entrada do Leste Europeu

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/03/2016 20:00

dailydreams2015.wordpress.com/Reprodução da internet

Uma cidade dividida pelo Rio Danúbio, o segundo maior da Europa, onde o passado e o presente convivem em harmonia. Assim é Budapeste. A capital da Hungria é moderna, cosmopolita, mas os traços da sua história ainda são muito fortes, até mesmo na arquitetura. De um lado, Buda, a cidade alta, das colinas, mais bucólica. Do outro, Peste, plana e mais agitada.

 

Não é possível entender Budapeste sem voltar no tempo. A Hungria é marcada pela dominação turca, de 1541 a 1686. Em 1867, o país conseguiu a independência após um tratado com a Áustria. Durante a Segunda Guerra Mundial, apoiou a Alemanha e, diante da derrota nazista, foi invadida pelos soviéticos até 1989, tornando-se o primeiro país do bloco a ser uma república. Desde 2004, faz parte da União Europeia.

 

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 3/1/16

Com características peculiares, Budapeste é considerada a porta de entrada do Leste Europeu. Atualmente, recebe turistas do mundo todo. Caminhando pelas ruas, percebe-se o passado dialogando com a contemporaneidade. Os turistas podem visitar, por exemplo, o monumental prédio do parlamento e, mais a frente, avistam uma roda-gigante (uma das mais altas da Europa), que oferece a visão total da cidade separada pelo Danúbio. A impressão que dá é que a cidade está virada para o rio e que todas as atenções estão voltadas para ele.

 

Hungary Tourism Ltd./Divulgação

Budapeste vive uma liberdade que não existia há quase 30 anos. Isso faz lembrar a música Notícias do leste, da banda Uns e outros: “A liberdade soprou no leste (...) As algemas se quebraram/E agora os dias não são/Tão cinzas como eram antes/E do outro lado do muro/Cabeças se erguem e mãos se levantam/Cantando enfim a queda/Das estátuas de bronze”.

 

Serviço

Karoly Szelenyi/Divulgação

» Moeda

A moeda local é o florim húngaro: 1 euro equivale a HUF 314; 1 dólar equivale a HUF 292; 1 real equivale a HUF 72 florins.

 

» Como chegar

Não há voos diretos para Budapeste partindo de Brasília. A melhor maneira de chegar até a capital da Hungria é ir para outras capitais da Europa, como Portugal

 

» Onde ficar

Hilton Budapeste Hotel

Categoria 5 estrelas.

Endereço: Budapest, Hess András tér 1-3, 1.014.

» Onde comer

Café Pierrot Restaurante

Comida regional e internacional

Endereço: Fortuna U. 14. www.pierrot.hu/en.

Aberto diariamente, das 12h à 0h

 

Fakanal Restaurante

Comida típica húngara.

Localização: Mercado de Budapeste

 

Café Gerlóczy

Comida internacional.

Endereço: Gerlóczy utca 1, 5º distrito Budapeste 1052. www.gerloczy.hu/en

 

» Passeios

Parlamento

Aberto de 1º/11 a 31/3, diariamente, das 8h às 16h. De 1º/4 a 31/10, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, e sábado e domingo, das 8h às 16h.

Entradas a partir de 8 euros.

 

Roda-gigante

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 3/1/16

Localizada no centro comercial no lado leste.

Entrada a partir de 5 euros.

 

Termas Estatal Széchenyi

Abertas diariamente das 6h às 22h.

Entradas a partir de 12 euros.

Informações: www.szechenyifurdo.hu

 

» Para saber mais

Verão de arte e tradição

Matyas Szerecz/FestivalBudapest/Divulgação

Um passeio imperdível é ao Castelo de Buda. Morada de vários reis, é patrimônio da humanidade. No local ocorre o Festival Folk Arts, o evento mais famoso do verão húngaro, dentro das festividades do feriado de St. Stephen — em 20 de agosto —, quando a Hungria celebra o primeiro rei e a fundação do estado húngaro. Quem for ao local, além da bela vista da cidade, terá a chance de conhecer o Museu da História de Budapeste, a Galeria Nacional Húngara, a Biblioteca Nacional, a igreja e o Palácio Sándor.



 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.