COLÔMBIA

De metrô ou a pé, apaixone-se pelas atrações culturais de Medellín

Capital antioquenha tem sistema de transporte público bem estruturado e interligado, que permite ao turista passear por parques, bibliotecas, museus e espaços abertos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/03/2016 10:00 / atualizado em 30/03/2016 15:46

Carlos Luque/flickr

Uma cidade encravada em meio ao Vale da Aburrá, sobre as altas montanhas centrais da Cordilheira dos Andes, permite ao visitante ver o Rio Medellín, acompanhando o curso da principal linha do metrô. A capital antioquenha encanta já na chegada. Do alto, a vista dos paredões de rocha chama a atenção, especialmente à noite, quando um mar de luzes se forma em meio ao vale.

 

Em terra, há muito o que fazer e conhecer. Como a cidade conta com um sistema de transporte público bem estruturado e interligado, explorá-la de metrô, metrocable, ônibus ou a pé é um prato cheio para conhecer as atrações turísticas e também interagir com o amável povo colombiano.

 

Medellín tem uma vasta gama de parques, bibliotecas, museus e espaços públicos que respiram arte e onde são realizados diversos eventos culturais. Uma boa dica é começar pelo Centro Histórico da cidade. Seguindo pela linha A do metrô, a primeira parada deve ser na Estação Parque Berrío, onde o turista tem uma aula de cultura local.

Carlos Eduardo/Flickr

A chegada à Plaza Botero dá o tom do esplendor: é um verdadeiro museu a céu aberto. O nome é uma homenagem ao artista antioquenho Fernando Botero, criador das esculturas de bronze de formas “volumosas”, como ele próprio as definiu. No espaço ao ar livre, de 7,5 mil metros quadrados, estão exibidas 23 obras do mestre e têm destaque trabalhos famosos como A mão, Homem, Gato, Cavalo e Eva.

 

Dessa parte da cidade, basta atravessar a rua para chegar a outro deslumbrante espaço cultural: o Museu de Antióquia, centro de artes que homenageia Fernando Botero e o artista Pedro Nel Gómez, também de Medellín, ambos muito reverenciados pela cidade. O museu conta com 12 salas que incluem mais de 100 trabalhos artísticos do acervo pessoal de Botero.

 

Explore ainda a área sobre Pedro Nel Gómez para conhecer a vida e as criações do artista famoso pelos murais gigantes, e observe os mais de 200 itens de povos indígenas na Sala das Três Culturas. É cobrada uma pequena taxa de entrada, de 10 mil pesos colombianos — o que equivale a cerca de R$ 12. O local abre às 9h e fecha no fim da tarde, durante todo o ano.

 

Polo cultural

Virginia/flickr

De volta à linha A do metrô, o turista pode seguir para outro polo cultural. No sentido norte, na direção da estação Niquia, a parada é no terminal Universidad, que abriga em seus arredores o Parque Explora, o Parque de Los Deseos e o Jardim Botânico Joaquín Antonio Uribe. O Parque Explora é um complexo gigantesco que abriga atrações interativas, espaço ciência, museu, aquário, planetário, estúdio de televisão e mais um monte de atrações com foco cultural.

 

O espaço, aberto em 2008, é um dos símbolos da transformação dramática que aconteceu em Medellín nas últimas décadas, após a cidade se livrar do passado criminoso marcado pela violência do Cartel de Medellín e da produção de cocaína, exportada para todo o mundo e principalmente para os Estados Unidos.

 

Vinte anos após a morte de Pablo Escobar e a desestruturação do cartel, é impressionante o quanto a cidade mudou. Ainda há muitos problemas sociais e diferenças econômicas entre a população, mas dá pra ver que Medellín se reergueu desse passado.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.