FERIADÃO

Passeios de barco em rios e mares para aproveitar o feriado de Tiradentes

Escolha um roteiro e aproveite os dias livres para relaxar e fazer uma programação diferente com a família ou amigos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/04/2016 09:00 / atualizado em 14/04/2016 11:38

Zuleika de Souza/CB/D.A Press

Que tal aproveitar o feriado prolongado para passear de barco? São muitas opções Brasil afora. Vale tudo: desde alugar lanchas e escunas para singrar as praias do litoral —  são 7,5 mil km de extensão — até entrar em um barco de madeira numa cidadezinha sossegada num canto da Bahia e subir o rio a bordo de uma jangada a motor. Você vai se surpreender com as belezas e a diversidade de cultura, gastronomia e as paisagens dos quatro cantos do país.

 

Angra dos Reis (RJ)

Juliana Borre/CB/D.A Press - 23/10/09

No verão, cerca de 300 barcos costumam aportar na Praia do Dentista, em Angra. Uma das regiões mais badaladas do litoral carioca, Angra reúne celebridades, intelectuais e artistas. Para conhecer as ilhas e praias, é preciso seguir por mar. Há dois anos, Júlio Cezar Franco aluga sua lancha Intermarine Oceanic. Ele indica um passeio até Ilha Grande e à Praia Lopes Mendes, e, ainda, ao Saco do Céu, região costeira onde o mar tem águas claras e calmas e há bons restaurantes.

 

Ilhabela (SP)

Marco Yamin/Divulgação

São nada menos que 130 quilômetros de costa e 42 praias, além de cachoeiras em meio à Mata Atlântica. O mar do arquipélago de Ilhabela é conhecido por ser o maior cemitério de navios naufragados do Brasil, um verdadeiro paraíso para viajantes que gostam de mergulhar. De barco, dá para conhecer Castelhanos, uma linda praia da ilha, e explorar as profundezas da Praia da Fome, Saco do Eustáquio e Bonete, a Leste da ilha. Dá também para fazer passeios de escuna e conhecer os outros cantos da ilha, como os litorais norte e sul.

 

Amazônia (AM)

Rodrigo Craveiro/CB/D.A Press

Uma das melhores formas de conhecer a Amazônia é viajar de barco pelos rios em meio à mata. Há diversas opções de cruzeiros e passeios. Em uma dessas aventuras, você pode ver botos-cor-de-rosa e o encontro entre os rios Negro e Solimões. Mas é preciso atenção à lotação das embarcações. Ver o Sol se pôr na ilha das vitórias-régias é algo inesquecível. Quem não se anima a se hospedar em um iate pode alugar um barco ou voadeira, com um barqueiro experiente. Dá para nadar com os botos em Novo Airão. Verifique se há rádio e salva-vidas em boas condições. O barco também deve ter cobertura, já que o calor é intenso.

 

Salvador (BA)

Geison Soares/Flickr

Além de pontos turísticos famosos, como o Pelourinho, a capital baiana tem a segunda maior baía do Planeta, a Baía de Todos os Santos. Da Ilha de Itaparica até o Recôncavo Baiano —  passando pelas ilhas do Frade, da Maré e Barra do Paraguaçu — existem muitas atrações naturais em que vale a pena a visita. Em um único dia, é possível passar por duas ou três ilhas. A dica é alugar um barco com um marinheiro que conheça bem a região, pois há locais onde a sinalização não é boa. Além disso, coroas de areia são formadas no mar, que costuma ficar mais crespo no fim da tarde. Isso não chega a oferecer risco aos navegadores, mas é importante saber aonde e quando ir.

 

Caraíva (BA)

Michael Strugale/flickr

Com mais de 470 anos e tombada como Patrimônio Histórico, Caraíva, localizada na Costa do Descobrimento, é uma pequena vila onde não entram carros e a luz elétrica é usada com parcimônia. Ali, o Rio Caraíva se encontra com o oceano, criando a praia do rio e a praia do mar. Há passeios de barco organizados pelos moradores por meio dos quais é possível conhecer Curuípe e a Praia do Espelho, chegando pelo mar e parando nos recifes Tatuaçu para um mergulho de snorkel. Há também o passeio a Corumbau, com parada de 30 minutos nos recifes de corais, e a subida pelo Rio Caraíva até a aldeia pataxó, onde o turista pode escutar histórias ancestrais, comer peixe na folha e fazer uma curta caminhada pela Mata Atlântica.

 

Fique atento

Navegar é preciso, como disse o poeta português Fernando Pessoa. Mas a segurança está acima de qualquer prazer. Então, fique atento às recomendações:

» Só viaje em embarcações regularizadas;

» Verifique a existência de equipamentos de salvamento, como coletes e boias;

» Cheque se há coletes salva-vidas em número igual ou superior ao de passageiros e também equipamentos próprios para crianças, se houver necessidade;

» Confira a validade e a localização do extintor de incêndio;

» Observe o estado de conservação da embarcação;
» Verifique se os condutores são habilitados.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.