ÁFRICA

Dicas de viagem para quem vai à África do Sul, nação banhada por sorrisos

Mais do que safáris, o país de Nelson Mandela tem belas praias, ilhas, monumentos e prédios históricos, montanhas e boas vinícolas para serem exploradas. Embarque nessa aventura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/05/2016 20:00 / atualizado em 24/05/2016 13:43

South African Tourism/Divulgação

Safári, savana e animais selvagens. Se é esse o resumo que você faz ao imaginar a África do Sul, é melhor rever seus conceitos. O país de Nelson Mandela (leia Para saber mais), apelidado carinhosamente de Madiba, vai muito além dos rótulos comuns aos países africanos e surpreende pela infraestrutura e vocação para receber o turista. Mais do que a conhecida beleza natural, a África do Sul se tornou um dos principais destinos pela variedade de atrações, as inúmeras possibilidades de descobrir o país e a singularidade.

 

Há muito o que explorar: praias paradisíacas, ilhas, monumentos e prédios históricos, a história do apartheid, montanhas, bons restaurantes e vinícolas, que permitem uma imersão na cultura e na vida dos sul-africanos. Também há espaço para os safáris e para os Big Five — elefante, leão, leopardo, rinoceronte e búfalo — que dão brilho especial à viagem. Nesse tour, não deixe de passar pela Cidade do Cabo e por Johannesburgo.

 

Passada a Copa do Mundo, ficou para o país o legado do turismo e a certeza de que ele está pronto para crescer como um dos destinos mais visitados no mundo. Para quem tem a chance de visitar a África do Sul, fica a certeza de que a volta para casa será acompanhada pela força de um povo, a beleza das paisagens e pelo magnetismo de um país que reinventa a sua história todos os dias.

 

Convite para sorrir desde o aeroporto

South African Tourism/Divulgação

Uma nova África do Sul está à espera dos visitantes. A grande oferta de hotéis, gastronomia cosmopolita e atrações turísticas de reconhecimento internacional mostra a vocação do país para o turismo. Tudo isso somado à atratividade da moeda local, o rand, que está em baixa (um rand pode ser comprado por R$ 0,27), aparece como motivo para colocar a África do Sul no topo dos destinos a serem visitados. Entre os locais mais concorridos, estão a Cidade do Cabo e Johannesburgo, onde há várias possibilidades de entretenimento.

 

Com fuso horário diferente do Brasil — cinco horas a mais —, a adaptação pode parecer difícil no começo, mas não é. Para começar, a viagem não é tão longa como muitos imaginam. De São Paulo a Johanesburgo são aproximadamente oito horas. Já o clima tropical e a receptividade dos sul-africanos dão as boas-vindas logo de cara, o que faz tudo parecer mais fácil. Para muitos, uma das principais dificuldades pode ser a comunicação, já que o país tem 11 línguas oficiais, entre elas o inglês britânico. Mas falar inglês é suficiente para se comunicar bem no país.

 

No aeroporto em Johannesburgo, a primeira surpresa foi a entrevista para a imigração, onde fui convidada a sorrir mais enquanto estivesse no país. E durante a viagem não há outra coisa a fazer. Quem vai à África do Sul pode começar a viagem por Jo’Burg, a maior cidade do país, e depois seguir para outras. Em nosso roteiro, fomos ainda à Cidade do Cabo, ou Cape Town, que fica a duas horas de Johannesburgo de avião, e está entre os destinos mais bonitos do país. A cidade litorânea é banhada pelo Oceano Atlântico, tem vida intensa e muitas opções de entretenimento.

 

» Para saber mais

Nobel da paz

Renato Alves/CB/D.A Press - 18/8/10

Considerado um dos principais líderes políticos mundiais, Nelson Mandela foi presidente da África do Sul de 1994 a 1999. Seu nome verdadeiro era Rolihlahla Madiba Mandela. De etnia Xhosa, nasceu num pequeno vilarejo na região do Transkei.

 

Jovem, se envolveu com o movimento estudantil, sendo expulso da universidade. Dali, foi para Johannesburgo, onde terminou sua graduação na Universidade da África do Sul (Unisa) por correspondência. Continuou seus estudos de direito na Universidade de Witwatersrand.

 

Em 1961, tornou-se comandante do braço armado do CNA, o chamado Umkhonto we Sizwe (“Lança da Nação”, ou MK), fundado por ele e outros militantes. Em agosto de 1962, foi preso após informes da CIA à polícia sul-africana, sendo sentenciado a cinco anos de prisão por viajar ilegalmente ao exterior e incentivar greves. Em 1964, foi condenado à prisão perpétua por sabotagem (o que Mandela admitiu) e por conspirar para ajudar outros países a invadir a África do Sul (o que Mandela negava).

 

South African Tourism/Divulgação

Ficou preso por 27 anos. A campanha do CNA e a pressão internacional fizeram com que fosse libertado em 11 de fevereiro de 1990, aos 72 anos. Nelson Mandela e Frederik de Klerk dividiram o Prêmio Nobel da paz em 1993. Morreu em 2013, aos 95 anos, em sua casa na África do Sul.

 

» Anote

Moeda: Rand

 

Língua oficial: 11 no total, entre elas, o inglês britânico

 

Como chegar: Não há voos diretos de Brasília. Por São Paulo, é uma opção

 

Visto: Brasileiros não precisam de visto. Basta o passaporte e o Certificado Internacional da Vacina contra febre amarela

 

Pacotes: A Latam Travel, nova marca única da TAM Viagens e da Lantours, iniciou as vendas de pacotes turísticos para a África do Sul. Mais informações pelo telefone 0300- 7772000. A Latam também terá voos partindo de São Paulo para o país a partir de outubro. Um acordo de compartilhamento de voos entre a Avianca e a South African Airways possibilita a compra de passagens para Johannesburgo, a partir dos canais de vendas da Avianca.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.