MATA DE SÃO JOÃO

O encontro do Pojuca com o mar encanta os turistas que visitam a região

A união do rio com o oceano encanta quem passa pelo litoral norte da Bahia. O cenário é ideal para relaxar com um mergulho e também para praticar esportes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/06/2016 09:00 / atualizado em 15/06/2016 15:07

Pousada Imbassaí/Reprodução

Pertinho da Praia do Forte, no meio da Mata Atlântica, o Rio Pojuca flui da nascente, em Santa Bárbara, até a foz que deságua no oceano. O encontro das águas cria o cenário ideal para curtir o clima ensolarado do município Mata de São João, no litoral norte da Bahia.

 

A união das águas do Pojuca com o mar separa as praias de Guarajuba, ao sul, e do Forte, ao norte. Hoje, o local é de fácil acesso. Anos atrás, aqueles que queriam conhecer esse pedaço do paraíso precisavam percorrer estradas de terra e atravessar rios. O esforço valia a pena para ver de perto o recanto da natureza.

 

Agora, é possível ir até a foz do Rio Pojuca por trilhas, a pé, a cavalo, de bicicleta ou em quadriciclos. Alguns caminhos passam pela Reserva da Sapiranga. O santuário ecológico abriga diversas plantas nativas e espécies de animais da Mata Atlântica — alguns deles, como o bicho-preguiça-de-coleira e o ouriço-cacheiro, são ameaçados de extinção. Os rios Terebu e Sapiranga — que deságuam no Pojuca e correm pela reserva — são ideais para um mergulho.

 

Dentro da reserva, há oito trilhas para conhecer melhor a área. O espaço conta ainda com centro de educação ambiental, museu sobre a fauna regional, biblioteca, salas de aulas, oficina e loja de artesanatos produzidos pelos moradores da região. A reserva fica a seis quilômetros da vila. Para os amantes do ecoturismo, é o cenário perfeito. Os passeios duram em média duas horas, para um percurso de 16 quilômetros.

 

Outra parada obrigatória é o Castelo Garcia D’Ávila, a primeira construção militar portuguesa construída no Brasil. A capela de Nossa Senhora da Conceição e as passarelas que levam até a Praia do Forte são uns dos maiores atrativos do edifício construído a partir de 1551 (confira Para saber mais).

 

Eduardo Moody/Reprodução

Na região, o forte é o turismo de aventura. Com as belezas naturais do lugar como cenário, as empresas de turismo organizam passeios para nenhum visitante ficar parado. Por isso, entre as paradas na reserva e no castelo, aproveite o banho de rio e pratique canoagem, stand up paddle —  esporte em que se rema, de pé, em cima de um pranchão — e tirolesa.

 

Para relaxar

Grand Palladium Imbassaí/Divulgação

Na região da Mata de São João e da linha verde — estrada que vai da Praia do Forte até Mangue Seco —,  vários resorts atraem os turistas. Na reserva ecológica da Vila de Imbassaí, está um dos maiores hotéis da região. A rede espanhola Grand Palladium oferece uma estrutura all inclusive —  em que gastos com alimentação e bebidas já estão incluídos na diária —  para os hóspedes.

 

Com uma estrutura de 13 bares e restaurantes, três piscinas, spa, salão de beleza, quadras de esporte e lojas, o turista só sai do complexo se quiser. Apesar de atender um grande número de famílias com crianças, o Grand Palladium, que fica perto da praia, também foi feito para adultos. Com festas, bares que fecham no nascer do sol, piscina e vila exclusiva para maiores de 18 anos, é possível acrescentar um pouco de curtição na viagem.

 

» Para saber mais

Castelo de Garcia d’Ávila

Mapio/Reprodução

Localizado na Praia do Forte, teve as obras iniciadas em 1551 e concluídas em 1624. O nome é uma homenagem a Garcia d’Ávila, um agricultor da Comenda de Rates, Portugal. Ele chegou à Bahia em 29 de março de 1549, com Thomé de Sousa, o comendador. A Torre de Garcia d’Ávila era um posto de observação estratégica. O Castelo, ou a Casa da Torre, funcionava como sede de uma sesmaria (terras incultas cedidas pelos reis de Portugal). Existia um sistema de comunicação estabelecido por meio de chamas no alto da torre.

 

Reserva da Sapiranga

Com seus 533,05 hectares de terra, é considerada uma área secundária de Mata Atlântica. No período da colonização portuguesa, a reserva foi devastada para o plantio da monocultura do coco e também para a prática de uma pecuária extensiva. Atualmente, a Mata Atlântica está se recompondo naturalmente. É um lugar de extrema exuberância. A flora é representada por árvores pioneiras de médio e grande porte, e a fauna abriga espécies de animais ameaçados de extinção.

 

» Dicas

Programe o seu passeio pelo Rio Pojuca:

 

Grou Turismo

» Trilha com quadriciclos e canoagem pelo Pojuca

Valores: R$ 270 para duas pessoas é de R$ 240 para uma

Quando: diariamente, em horários variados

 

Portomar

» Trilha de quadriciclo até o Pojuca

Valores: R$ 270 para duas pessoas e R$ 240 para uma

Horários: diariamente, às 9h, 11h30, 13h45 e 16h

 

» Tirolesa

Valores: R$ 120 para adultos e R$ 80 para crianças

Horários: diariamente, das 9h às 13h

 

Bahia Adventure

Informações: (71) 2104-8602 ou operacao@bahiaadventure.com

 

Fly and Fan

Informações: (71) 3676-1540 ou lyandfun@bol.com.br

 

Centrotour Operadora

Informações: (71) 3676-1091 ou centrotour@centrotour.com.br

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.