SANTA CATARINA

Vinhedos de São Joaquim caem cada vez mais no gosto dos turistas

Do município saem rótulos especiais, premiados, que são frutos de plantações de uvas instaladas em um local marcado por baixas temperaturas e altitudes elevadas. O resultado é um sabor inconfundível dos vinhos. Não deixe de degustar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/07/2016 09:00

Leone di Venezia/Divulgação

As atrações de São Joaquim, considerada a cidade mais fria do Brasil, não ficam por conta só dos dias de neve. A mais de 1.300 metros de altitude, as vinícolas da região começam a atrair cada vez mais visitantes interessados na rota dos vinhos do estado. Os rótulos são variados e agradam a todos os gostos.

 

Da Serra Catarinense, saem muitos vinhos premiados, todos de altitude. Significa dizer que as uvas são cultivadas em um local especiais, com baixas temperaturas e muito acima do nível do mar. Por causa do microclima, os rótulos têm sabor inconfundível. São 300 hectares de plantação em toda a região. O Turismo separou alguns vinhedos para dar um gosto a mais no roteiro da próxima viagem. As visitas a esses locais de produção custam de R$ 40 a R$ 140 (alguns incluem almoço ou jantar). Os preços dos vinhos ficam entre R$ 45 e R$ 120.

 

Leone di Venezia
A ideia da vinícola é manter a tradição italiana, por isso as variedades cultivadas são: Sangiovese, Montepulciano, Refosco, Primitivo, Gewurstraminer, Garganega, Rondinela, Corvina e Molinara. Enquanto isso, outras cepas são estudadas, levando em conta a resistência a doenças, condições climáticas e a qualidade final dos vinhos. Os vinhedos foram plantados em 2008, em uma área de 15 hectares. Além das visitas, é possível se hospedar na vinícola.
» Mais informações: (49) 9967-3668

 

Villaggio Bassetti

Villaggio Bassetti/Divulgação

A vinícola foi criada em 2005 e faz plantio das cepas Merlot, Cabernet Sauvignon, Pinot Noir e Sauvignon Blanc, responsáveis pela produção dos cinco rótulos da casa. O passeio pela Villaggio Bassetti permite ao visitante conhecer mais sobre a cultura local e a produção de vinhos. Ao fim do tour, é possível fazer uma degustação.

 

Villa Francioni

A Casta Real/Divulgação

Acompanhados por um guia, os visitantes circulam pela propriedade e conhecem um pouco mais sobre o processo de produção dos 16 vinhos da marca. Ao fim, é possível degustar alguns rótulos, enquanto se aprende um pouco mais sobre cada um deles. O passeio tem duração de 40 minutos.
» Mais informações: (49) 3233-8200

 

Vinhedos do Monte Agudo

Vinhedos do Monte Agudo/Divulgação

A vinícola trouxe suas mudas da França, dando início ao plantio em 2005, na Fazenda Morro Agudo, a 1.280 metros de altitude. As cepas são Cabernet Sauvignon, Chadornnay e Merlot. O espaço gourmet é um dos principais atrativos do local. O visitante pode escolher entre almoçar ou jantar apreciando a vista do vinhedo. A Monte Agudo também oferece piqueniques ao pé das parreiras e degustações ao pôr do sol.
» Mais informações: (49) 9985-1446

 

Quinta da Neve
A vinícola, inaugurada em 1999, foi a primeira da região. Entre as cepas, estão o Chadornnay, Cabernet Sauvignon e o Pinot Noir. A Quinta da Neve produz uma média de 80 mil garrafas por ano em seus 20 hectares de vinhedo. Apesar de ainda não oferecerem visitas às suas vinícolas, os turistas interessados em experimentar os cinco vinhos da casa podem agendar uma degustação na Casa do Vinho, no centro de São Joaquim, pelo telefone (49) 3233-0824.

 

Outros rótulos

Algumas vinícolas ainda não estão abertas a visitação, mas vale a pena conhecer seus nomes e ficar atento às prateleiras de adegas e supermercados.

Pericó

Pericó/Divulgação

O início do plantio das cepas Cabernet Sauvignon, Pinot Noir, Merlot, Chardonnay e Sauvignon Blanc ocorreu no fim de 2004. O primeiro vinho da vinícola, o Taipa Rosé, foi lançado em 2007. Hoje, a Pericó tem nove vinhos e quatro espumantes.

Quinta Santa Maria
Os vinhedos são compostos por cepas francesas Cabernet Sauvignon, Sauvignon Blanc, Merlot, Pinot Noir, Shiraz e Chardonnay; pelas portuguesas Touriga Franca, Touriga Nacional e Tinta Roriz; e pelas italianas Moscatel e Trebbiano. Localizada entre 1.200 e 1.300 metros de altitude, a vinícola tem aproximadamente 170 hectares.

» Rota do vinho na Serra Catarinense
Para completar o roteiro, a cidade de Campo Belo do Sul, a 142km de São Joaquim, também tem seu rótulo, a Abreu Garcia. A vinícola, a mil metros de altitude, produz vinhos com as variedades Merlot, Malbec, Pinot Noir, Cabernet Sauvignon, Chadornnay e Sauvignon Blanc. A Abreu Garcia está aberta para visitações.

 

» Para saber mais
Alegria dos turistas

Arquivo/Secretaria Municipal de Turismo

São Joaquim é um dos destinos de quem quer ver neve no Brasil. O registro mais recente foi na madrugada de domingo (17/7). Foi o segundo fenômeno do ano – o primeiro foi em 10 de junho. Mas a cidade já teve vários outros casos. Os anos de 2009 e 2010 também foram marcados pela queda de neve.

» Onde se hospedar
São Joaquim Park Hotel

Informações: saojoaquimparkhotel.com.br

 

Pousada Paraíso da Serra
Informações: (49) 9978-3292

 

Pousada Chalé Alto da Serra
Informações: (49) 3233-0953

 

Hotel Incomol
Informações: hotelincomol.com.br

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.