REGIÃO DOS LAGOS

A Costa do sol fluminense tem atrativos naturais de tirar o fôlego

Ir ao Rio de Janeiro nestas Olimpíadas é uma boa chance para se conhecer cidades próximas, como Cabo Frio, Búzios e Arraial do Cabo. A 200km da capital, dá para curtir belas praias, dunas e praticar diversos esportes náuticos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/08/2016 19:00 / atualizado em 10/08/2016 19:07

Iana Caramori/CB/D.A Press

 

Quando o assunto é Rio de Janeiro, a capital carioca é a primeira coisa que vem à cabeça. Praias famosas e imortalizadas em versos musicais, belos cartões-postais, como o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar, vida noturna movimentada e muitos outros atrativos naturais chamam a atenção de visitantes do mundo inteiro. Mas, ao lado, estão lugares  tão interessantes quanto a Cidade Maravilhosa. Localizadas na Região dos Lagos, Cabo Frio, Búzios e Arraial do Cabo esbanjam charme e beleza e, portanto, merecem uma visita.

 

Quem está no Rio de Janeiro por causa dos Jogos Olímpicos, por exemplo, pode aproveitar as folgas das competições para conhecer a região considerada a Costa do Sol fluminense. A distância — menos de 200km, aproximadamente duas horas — é facilmente percorrida de carro, ônibus ou transporte alugado. Escolha o seu programa.

 

Iana Caramori/CB/D.A Press

Que tal começar a aventura por Cabo Frio? A cidade é cenário ideal para o esporte e preferida dos aventureiros. Na Praia do Peró, de 7km de extensão, é comum a prática de surfe, windsurfe e kitesurfe. Do lado, a Praia das Conchas também tem ondas perfeitas para os amantes do surfe. Quem quer apenas relaxar também tem espaço nos dois locais. É possível sentar nos quiosques à beira-mar e apenas curtir o visual ou tomar um banho de mar.

 

Limite

Uma dica para quem vai de carro: o estacionamento na Praia das Conchas é limitado a 500 carros. A partir dessa quantidade, o acesso ao local é feito apenas a pé, pelas areias da Praia do Peró.

 

Cenário

Gustavo Messina/Divulgação

Outro esporte muito praticado em Cabo Frio é a canoa havaiana. Basta observar o movimento do Canal Itajuru  para identificar vários remadores deslizando pelas águas. Quando gritam “hip”, indica que é hora de passar o remo de um lado para o outro da canoa. Empresas da região proporcionam essa experiência, que aproxima o turista do estilo de vida de alguns cabofrienses.

 

Enquanto isso, no Parque das Dunas, uma Área de Preservação Ambiental, é possível aprender a andar de sandboard. Similar ao snowboard, é praticado nos montes de areias brancas. Deslizando com a prancha, é possível aproveitar o visual. Do alto da Duna Mãe, a vista de algumas praias de Cabo Frio é de tirar o fôlego. A Região dos Lagos foi um dos pontos de passagem da Tocha Olímpica.

 

» Aventura 
The Trip
Passeios de canoa havaiana, bicicleta, trilhas, entre outros
Informações: (22) 98835-2220 ou www.dothetrip.com

Rafael Marendino
Aulas de Sandboard
Informações: rafaelmarendino17@hotmail.com

Melhor época para visitar
Os moradores de Cabo Frio asseguram que a cidade tem sol em mais de 360 dias do ano. Azar de quem pega os raros dias de chuva do município fluminense. No verão, entre dezembro e março, as chances de encontrar sol e céu azul são bem maiores. Por serem muito próximos, os municípios de Búzios e Arraial do Cabo têm condições climáticas semelhantes.

 

Parada histórica

Bairro da Passagem

Gustavo Messina/Divulgação

Cabo Frio é a quarta cidade mais antiga do Rio de Janeiro e a sétima do Brasil. Fundada em 1615, tem muita história para contar. Circular pelos pontos turísticos da região é essencial para conhecer tudo sobre o município. O Bairro da Passagem, o primeiro do município, merece uma visita. É o local onde se fazia a travessia entre a cidade e o canal durante o período colonial. Ali estão preservadas as primeiras habitações, erguidas no século 19. A Igreja de São Benedito também é um ponto importante. Construído em 1701, o santuário era frequentado por escravos negros, já que eles não podiam ir às mesmas igrejas dos brancos. Em frente à construção está o Largo de São Benedito, praça cheia de bares e restaurantes. No último domingo do mês, vira palco para o grupo Santo Samba e para a roda de jongo — dança de origem africana — do grupo Tribal.

 

Forte São Mateus

Bruno Moraes/Esp. EM/D.A Press

A construção foi erguida entre 1616 e 1621, por ordens de Felipe II, da Espanha, para proteger a população. O forte foi construído em alvenaria de pedra e cal. É uma das primeiras obras da arquitetura colonial da América Latina. O local tem uma guarita, acomodações para quartel e um depósito. Em 1956, foi tombado pelo Iphan. Aproveite o passeio para apreciar a vista do Mirante do Morro do Arpoador, bem ao lado. Fica no início da Praia do Forte, na entrada do Canal Itajuru.

Convento Nossa

 

Convento Nossa Senhora dos Anjos

Gustavo Messina/Divulgação

O complexo religioso começou a ser construído em 1684 e concluído 12 anos depois. O conjunto arquitetônico é formado pelo convento, a capela, o cemitério da Ordem Terceira de São Francisco e a ermida no alto do Morro da Guia. Além de servir de palco para missas, abriga o Museu de Arte Religiosa e Tradicional (MART). No acervo, estão imagens em terracota e madeira, objetos litúrgicos e peças de mobiliário. O museu abre de terça a sexta-feira, das 10h às 17h, e aos fins de semana e feriados, das 13h às 17h. A entrada é gratuita. Fica na Praça Santo Antônio, no centro.

 

Rua dos Biquínis

É um dos principais centros de compras de Cabo Frio. Apesar de a maioria das lojas venderem biquínis, é fácil encontrar outros tipos de vestuário. A história do local começou em 1953 com a cabofriense Nilza Rodrigues Lisboa. A costureira investiu na confecção de biquínis, que eram vendidos no bairro de comunidade pesqueira. Hoje, são mais de 100 lojas ao longo dos 400 metros da rua. Na alta temporada, de dezembro a março, as lojas abrem diariamente, das 8h à meia-noite. Entre abril e novembro, na baixa temporada, das 9h às 21h. Fica no Bairro da Gamboa. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.