ARGENTINA

Um convite para relaxar em Buenos Aires, uma cidade de traços elegantes

Nada como viver dias recheados de vinho, boa comida e diversão. Aproveite a hospitalidade dos hermanos para comemorar o Dia dos Pais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/08/2016 09:00 / atualizado em 12/08/2016 15:29

Fernando Braga/CB/D.A Press

A atração que os brasileiros sentem por Buenos Aires parece se comparar à dos argentinos pelo Rio de Janeiro e por Floripa. Bom para eles, bom para nós, mesmo considerando que nem sempre o câmbio ajuda a um dos lados. A Argentina continua sendo o nosso segundo destino preferido, perdendo apenas para os Estados Unidos. E há sempre bons motivos para viajar à capital do país vizinho — o mais forte e próximo é o Dia dos Pais.

 

O roteiro começa, naturalmente, pela capital, uma cidade de traços elegantes, com construções que imprimem a famosa aura europeia tão cultivada por seus habitantes. O primeiro impulso de quem chega é o de andar e andar, aproveitando a topografia quase sempre plana e as ruas agradáveis de bairros como Recoleta, Palermo, San Telmo e a parte central (Monserrat), onde estão a Casa Rosada, sede do governo, e a Catedral Metropolitana, onde oficiava o hoje papa Francisco. Não longe dali está a ampla Avenida 9 de Julio e o obelisco evocando as manifestações políticas ou futebolísticas reunindo multidões. Da 9 de Julio se vê o Teatro Colón, uma das glórias da cultura argentina, palco de óperas, concertos e balés de alto nível. Com mais de 100 anos, é uma estrutura monumental e seu acesso se dá pela Rua Cerrito. Para conhecer suas instalações, há visitas guiadas de uma hora de duração (visitasguiadas@teatrocolon.org.ar).

 

Caminhe

Para aproveitar melhor a cidade, nada como caminhar pelas avenidas Quintana, Ayacucho, Callao e Alvear, talvez a mais parisiense delas, com belos prédios e mansões de tradicionais famílias que fizeram fortuna com trigo e gado nos séculos 19 e 20. Hoje, estão repletas de lojas das grifes internacionais, além de estilistas locais com roupas de couro e, óbvio, muitos cafés e restaurantes. Há atracão para todos os tipos de pais, desde os esportivos aos metrossexuais, passando pelos gourmet e os apaixonados por arte. A maior atração cultural próxima é o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), em um gigantesco prédio na Avenida del Libertador. Aberto em 1896, hoje tem um dos principais acervos das Américas, com obras dos grandes artistas argentinos e também de Picasso, Monet, Van Gogh e outros.

 

Francesco Marchetti/Flickr

Vizinho à Recoleta, fica Palermo, onde está o Museu de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (Malba). Fica na Avenida Figueroa Alcorta, nº 3.415, e tem obras de artistas de vários países da América Latina, com destaque absoluto para o quadro Abaporu, da brasileira Tarsila do Amaral. Palermo é o maior bairro da cidade e também o mais variado em suas atrações, subdividido com nomes que procuram identificar o estilo de cada um. O que mais chama a atenção nele é a enorme área verde dividida em vários parques frequentados pelos portenhos. Dentro de Palermo Viejo, está Palermo Soho, área badalada de compras. Na Avenida Honduras, o movimento é grande de dia ou de noite, com farta quantidade de bares e restaurantes. E há também Palermo Hollywood, assim chamado por causa dos estúdios e das produtoras de televisão, cinema e rádio ali presentes. Também nele há vários bares e restaurantes, esses exibindo comidas étnicas de vários países.

 

Homem que come gente

Abaporu, de Tarsila do Amaral, é considerada uma das mais importantes obras dos artistas plásticos brasileiros. A tela, criada em 1928, deu início ao chamado Movimento Antropofágico da pintura nacional. Segundo a artista, foi pintada como um presente ao marido, o escritor Oswald de Andrade. O quadro está exposto, atualmente, no Rio de Janeiro, na mostra A cor do Brasil, um dos eventos paralelos dos Jogos Olímpicos Rio-2016,  ficará na cidade até 21 deste mês, quando se encerram as competições. Na língua tupi, Abaporu significa “o homem que come gente”.

 

Fernando Braga/CB/D.A Press

Outro passeio inevitável em Buenos Aires leva a Puerto Madero, bairro revitalizado onde antigos galpões se transformaram em lojas charmosas e bons restaurantes, além de galerias de arte, hotéis de design e museus, como o Colección de Arte Amalia Lacroze de Fortabat. E é impossível não prestar atenção à fragata antiga ancorada no porto, à espera da visita de quem gosta de episódios ligados à vida militar. É o Buque Museo Fragata Sarmiento, construída em 1898 e que fez parte da Escuela Naval Militar de formação de cadetes e hoje mostra trajes, armas e instrumentos de época.

 

Perto de Puerto Madero, fica o mítico bairro La Boca, com as casas coloridíssimas de Caminito, a rua mais afamada de Buenos Aires (melhor andar por lá somente durante o dia) e também o estádio La Bombonera, do tradicional time de futebol Boca Juniors.

 

Cafés famosos

Roberto Fiadone/Wikipedia

Mais do que em qualquer outro país sul-americano, a cultura argentina se manifesta particularmente na grande quantidade de cafés cuja decoração tem algo de belle époque. Neles, os portenhos praticam o permanente exercício da discussão sobre todos os temas, enquanto comem medialunas, pãezinhos tipo croissant, doces ou salgados, com ou sem recheio, e bebem um cortado (café com leite). Alguns foram declarados “patrimônio cultural” da cidade e, entre os mais conhecidos, estão o Café Tortoni, inaugurado em 1858, na Avenida de Mayo, 825, Centro; a Confiteria Las Violetas, na Avenida Rivadavia, 3899, Almagro; a Confitería del Hotel Castelar, na Avenida de Mayo, 1048; La Biela, na Avenida Quintana, 600, Recoleta; Confitería La Puerto Rico, na rua Alsina, 420, Centro e La Giralda, na Avenida Corrientes, 1453, San Nicolás.

 

Mas, se você quiser experimentar aquela que, para muitos, é a melhor empanada da cidade — símbolo maior da comida rápida argentina — vá ao El Sanjuanino na calle Posadas 1515, Recoleta. Há também casas em Belgrano e Barrio Norte. São 10 empanadas de recheios diferentes, saborosas.

 

Boa Comida

Todos sabemos que os argentinos adoram a parrillada — o variado churrasco que sempre começa com miúdos de boi ou de porco na brasa, com destaque para os chinchulínes (tripas) e as morcillas (chouriço). As carnes de primeira à qual estão acostumados quase invariavelmente são acompanhadas pelo chimichurri, molho com algumas variações, cuja base é a mesma: alho, salsinha, pimenta-do- reino, orégano e azeite.

 

Entre as melhores parrillas, estão a Cabaña las Lilas, que tem como sócio o grupo hispano-brasileiro Rubaiyat, na Av. Alicia Moreau de Justo, 516, Puerto Madero. Na mesma avenida, número 380, está a tradicional La Cabaña, da década de 30 e, no 202, a elegante El Mirasol. Em San Telmo, na Calle Chile, 594, a Gran Parrilla del Plata tem ambiente vintage, com ganchos de carne pendurados lembrando que ali foi um açougue na década de 30; na Calle Estados Unidos, nº465, no mesmo bairro, a famosa La Brigada tem na figura de seu proprietário, o cabeludo Hugo Echevarrieta, o craque dos bons assados. Em Palermo Soho, na Calle Guatemala, 4691, fica a Don Julio, com cortes variados que o cliente escolhe antes de irem para as brasas.

 

Buenos Aires tem também ótimos restaurantes de comida contemporânea, como o Chila, da chef Soledad Nardelli, com muitos prêmios em seu currículo, na Av. Alicia Moreau de Justo, 1160, Puerto Madero; o Tegui, do chef Germán Martitegui, (Calle Costa Rica, 5852, Palermo), que, segundo o jornal La Nacion, “é o cozinheiro mais importante do país, com menus de altíssimo nível culinário” e ainda El Baqueano, com menu-degustação de 8 etapas, tanto com carnes quanto vegetarianos, na Calle de Chile 495, San Telmo.

 

Um programa super divertido é uma mistura de restaurante, bar com cozinha aberta, onde você aprende a fazer as típicas empanadas e outros pratos enquanto come e toma vinho, chama-se Argentine Experience e vale uma noite de muitas risadas com sua família, grupo de amigos ou seu par. E ainda poderá dar a sorte de ser recebido por duas brasileiras que sabem tudo de Buenos Aires — a carioca Julia e a goiana Thatta, dão graça e leveza a essa experiência interativa recheada de sabores e fatos culturais porteños que anima a noite de Palermo.

 

Impossível ir a Buenos Aires e não viistar uma casa especializada na teatral dança portenha. Há shows meio pirotécnicos na cidade para atrair turistas, mas, se não quiser errar na escolha, o clube Esquina Carlos Gardel é boa opção, por equilibrar bem o espetáculo com a virtuose dos dançarinos. Os números se sucedem em pequenos esquetes e o conjunto que os acompanha dá um show de técnica musical, levando o público a aplausos entusiasmados. É uma das poucas tanguerias localizadas no tradicional bairro onde Gardel se criou. Há um pequeno menu para o jantar com pratos que, se não são da alta cozinha, tampouco chegam a decepcionar. Nada que um bom Malbec não resolva. Fica na Carlos Gardel, 3200, em Abasto, perto da famosa Avenida Corrientes.

 

» Onde ficar

Faena

Fernando Braga/CB/D.A Press

Em Puerto Madero destaca-se o luxuoso e diferente hotel Faena, com uma arquitetura arrojada a partir de um antigo moinho de trigo, erguido com tijolos importados da Inglaterra. Reformado e decorado pelo excêntrico designer Philippe Starck, impressiona logo à entrada, com o longo corredor de pé-direito altíssimo que leva ao lobby, cercado por espelhos e enormes janelas cobertas por suntuosas cortinas de veludo vermelho. De seus vários apartamentos e suítes há vistas para o Rio da Prata, para o parque Micaela Bastida e para o centro, com a Casa Rosada e a Plaza de Mayo.

 

Alvear

Alvear Hotel/Divulgação

Aberto em 1932, é outro grande exemplo da arquitetura de estilo francês na capital argentina. Localizado entre as avenidas Alvear e Ayacucho, dá acesso aos pontos principais de atração de Recoleta. Seus apartamentos e suítes são clássicos, com serviço de mordomo em cada andar. Mas é na parte social que o hotel mais se destaca na cidade, sobretudo com o Alvear Afternoon Tea, com chás especiais acompanhados por bolos, tarteletes de frutas frescas, docinhos diversos e outros quitutes, servidos no restaurante L’Orangerie.

 

A jornalista viajou a convite do Destino Argentina e Latam

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.