ACAMPAR

Acampamentos garantem momentos com mais conforto na natureza

Quer ficar perto de Brasília, mas curtir alguns dias em contato com a natureza? Confira os lugares mais próximos e com estrutura para se aventurar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/10/2016 09:00 / atualizado em 13/10/2016 16:43

Antonio Cunha/CB/D.A Press

Optar por uma hospedagem simples tem suas vantagens. Quem troca o quarto de hotel por uma barraca pode dormir sob o céu estrelado, participar de uma boa roda de conversa e ouvir música em torno de uma fogueira. Deixar o relógio e o celular de lado é outra vantagem de investir na experiência. Quem está acostumado sabe como acampar em qualquer canto — seja na beira da estrada, seja no meio de uma floresta — sem qualquer estrutura de apoio. Iniciantes não precisam correr tanto risco. Ter a primeira experiência em campings pode ser valiosa, pois há o mínimo de conforto — terreno plano, banheiro e cozinha. Alguns alugam barracas com colchões e oferecem atividades guiadas.

 

Há áreas com vocação natural, como Corumbá de Goiás. O município a 130 quilômetros de Brasília foi destaque quando uma de suas cachoeiras ilustrou a capa da revista Traveler em dezembro de 2015. A publicação da National Geographic elegeu a cachoeira do Salto Corumbá (a mais alta entre as sete da região) como um dos 20 lugares obrigatórios para conhecer em 2016. A queda d’água de 50 metros de altura fica no Salto Corumbá Camping, Clube e Hotel, que recebe em média 46 mil hóspedes por ano. “Setenta por cento são brasilienses”, diz o administrador Cleber Nerys, que trabalha ali há 23 anos.

 

Poços

Antonio Cunha/CB/D.A Press

Turistas vão ao local desde a década de 1970. Na época, uma das cachoeiras estava seca porque um trecho do leito do rio Corumbá foi desviado, no século 19, para a exploração de ouro no fundo de poços onde, hoje, os visitantes mergulham. “Em 1980 decidiram trazer o rio de volta ao curso original”, lembra Nerys. Quem observa o Salto de dentro do carro, na estrada, nem se dá conta disso.

 

“Quando a pessoa vê aquela maravilha de longe, vem até aqui para conhecer. Temos uma clientela fidelizada, que vem há mais de 20 anos. Conheço três gerações de uma família”, relata. O público do camping é diversificado. “Há pessoas com alto poder aquisitivo que vêm fugir do agito da cidade grande. Acampar é uma cultura”.

 

Chapada Imperial/Divulgação - 8/2/16

As barracas ficam perto das cachoeiras, protegidas pela sombra das árvores. Há banheiros, duchas externas com água quente, energia elétrica e tanques à disposição. As refeições podem ser feitas na lanchonete ou no restaurante do hotel.

 

Campista, sim senhor

Arquivo pessoal

Quem se hospeda em campings pode esquecer a comodidade em casa e mudar o foco da viagem. Os benefícios são outros, conta o analista de sistemas Kayo Oliveira, 21 anos. “Não gosto de luxo. O contato com a natureza estimula muito a criatividade e nos dá a oportunidade de nos conectar conosco. É bom fugir de toda essa correria”. O rapaz explorou a Chapada Imperial, a 50 km de Brasília, depois de ter acampado pela primeira vez em Pirenópolis (GO), em 2012. “Recomendo tanto para os tranquilos quanto para os aventureiros. Fiz uma trilha que passa por mais de 30 cachoeiras e cheguei até o ponto mais alto do DF. E isso tudo acabou com um almoço bem servido”, lembra.

 

Arquivo pessoal

A gestora de políticas públicas Gabriela Canova, 23 anos, já ficou em campings, mas resolveu acampar do jeito tradicional neste ano. Juntou os amigos e armou a barraca perto das Cataratas dos Couros, nas proximidades de Alto Paraíso de Goiás, a 225 km de Brasília. “Foi muito gratificante. Uma das melhores experiências da minha vida”, relata.

 

A estrutura era zero. Por isso, o grupo levou todos os apetrechos necessários: barracas, fogareiro, comida e sabão biodegradável, para não agredir a natureza. Fizeram até fogueira.  “Já fui bem patricinha”, brinca Canova, e acrescenta que a convivência com a turma ajudou a diminuir a “frescura” ao longo do tempo. Quanto aos problemas, ela se posiciona: são minoria. “Você leva tudo nas costas e vai. Para fazer as necessidades, é no meio do mato. Às vezes cansa, dá saudade da cama, mas vale muito a pena. É uma experiência diferente de tudo”.

 

» Experimente

Salto Corumba

Preço: Diárias no camping a partir de R$ 60

 

Chapada Imperial

Preço: R$ 220 por dois dias no camping. Inclui pensão completa, atividades e guias

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Aurélio
Aurélio - 11 de Outubro às 20:31
É engraçado ver uma gestora de políticas públicas acampar em área que é proibida. Estrutura zero? claro, ali não é lugar de se acampar !! Na matéria que cita ainda Salto de Corumbá e Chapada Real, as devidas referências foram feitas com ÁREAS DE CAMPING administradas por empresários locais que fomentam e garantem o turismo sustentável. E as referências para a Cataratas dos Couros não existem? claro, ali não é lugar de se acampar !! .. Na matéria é indicado ligar no Centro de Atendimento ao Turista... E ao ligar no CAT, pode ter certeza que nenhum atendente vai apoiar a sua jornada ou dar orientações relacionadas a acampamentos, pelo contrário, você é orientado a CONTRATAR UM GUIA/CONDUTOR , além de contribuir com a economia e cultura local, é garantido também uma visitação segura, tanto para você, quanto para o local que te recebeu. Ali não tem banheiros, ou qualquer outro tipo de estrutura senhores, e aqui também é patrimônio mundial, reserva da biosfera, vocês tem ideia disso ? Já vi muito campista lavar seus utensílios nas águas onde os turistas deveriam tomar seu banho, entre outras coisas que não são nem dignas de entrar nesse post.. Isso não está certo! Um placa foi colocada lá para avisar que não era PERMITIDO ACAMPAR e o que fizeram? vandalizaram e logo em seguida destruirão o aviso.. Todos os dias uma luta é travada aqui na Chapada dos Veadeiros com a preservação e controle de visitação pra vir uma matéria do Correio Braziliense apoiar uma ação desordenada e não fomentada pelo trade turístico. Quer uma lista de áreas de camping na Chapada dos Veadeiros? Na vila de São Jorge, temos o Camping Kalabura da amiga Ursula Benjumea, tem também o Camping Quarto Crescente do Diogo Corazolla, Camping Tauia, tem area de camping no Rancho do Valdomiro, tem área de camping da Volta da Serra. Camping e Cachoeira dos Cristais Canto do REi em Alto Paraíso.. Entre tantos outros... La em Cavalcante, tem o Camping Santa Barbara, da amiga Izabel Maia, dentro no Sítio Históric