SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

ROTEIROS

Faça uma caminhada e descubra lados diferentes de cidades brasileiras

Carros, ônibus e metrôs não são necessários para fazer um bom roteiro de viagem. Para conhecer melhor várias cidades do Brasil, só é preciso ter disposição para caminhar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/10/2016 09:00 / atualizado em 26/10/2016 12:57

Iana Caramori - Especial para o Correio

Marcelo Pereira/Flickr - 1/8/14

Muita coisa se perde pelo caminho quando escolhemos ir de um canto a outro usando algum meio de transporte. De dentro de um automóvel, fica mais difícil encontrar uma lojinha interessante; um restaurante do qual ninguém nunca ouviu falar, mas que tem uma das melhores comidas da cidade; ou algum parque tranquilo e charmoso que só os moradores frequentam. Descobrir jóias em algum destino é mais provável quando decidimos fazer o roteiro a pé. As vantagens vão além: o exercício físico e a economia com transporte.

 

Não importa o tamanho da cidade. Das grandes metrópoles aos vilarejos, todos os lugares podem ser descobertos ou redescobertos com uma boa caminhada. Algumas distâncias vão exigir um pouco mais de tempo para serem percorridas a pé, ou alternadas com outros meios de transporte,  mas o esforço vale a pena.

 

Curitiba é uma dessas cidades que podem ser exploradas por uma caminhada. Apesar de ter um dos melhores modelos de transporte público do país, a capital do Paraná é um convite para o turista conhecê-la a pé. Em apenas um dia de passeio, é possível visitar vários pontos turísticos dessa maneira.

 

Começando pelo Jardim Botânico, onde está a famosa estufa inspirada no Palácio de Cristal de Londres, siga para o Mercado Municipal de Curitiba e para o Museu Ferroviário. Logo ali ao lado está a Catedral — construída, em 1893, no estilo neogótico e inspirada na Catedral da Sé de Barcelona, na Espanha. Partindo do santuário, em pouco mais de 2km, o turista encontra o Museu Oscar Niemeyer (MON), que conta com exposições de artes visuais, arquitetura, urbanismo e design. No caminho até lá, ainda é possível conhecer o centro cívico de Curitiba.

 

Adelano Lázaro/Wikimedia Commons

Para os mais animados, o roteiro pode seguir até a Ópera de Arame, um dos cartões-postais da capital paranaense. A distância até lá, partindo do MON, é de pouco mais de 3 km. Os turistas que preferirem uma caminhada mais tranquila podem seguir direto para a Torre Panorâmica de Curitiba, para conferir uma boa vista da cidade, e terminar o dia no Parque Barigui.

O roteiro não precisa ser percorrido rapidamente. É até importante fazer paradas longas entre um ponto turístico e outro para recuperar a energia. A ideia é fazer tudo devagar, aproveitando para descobrir cada canto da cidade.

 

» Para saber mais
Roteiro para pedestres

A Prefeitura de Curitiba tem um guia que incentiva os turistas a conhecerem a cidade a pé. O roteiro divide a região central em duas partes e destaca pontos turísticos que ajudam a entender melhor a história da capital paranaense.

 

O Turismo selecionou algumas outras cidades brasileiras que permitem esse tipo de roteiro.

 

Ouro Preto, Minas Gerais

Beto Novaes/EM/D.A Press - 16/3/12

Algumas cidades foram feitas para serem exploradas a pé. A cidade histórica mineira é uma delas. Além da curta distância entre um ponto turístico e outro, o charme irresistível das ruas de paralelepípedo convida os turistas para uma caminhada. O Museu de Aleijadinho, a Igreja de São Francisco de Assis e a Praça Tiradentes estão colados uns nos outros. A alguns passos de distância, o turista encontra mais tesouros da cidade: a Igreja Nossa Senhora do Carmo, o Teatro Municipal, a Rua Conde de Bobadela, principal centro comercial da cidade, e a Casa dos Contos, que também merece a visita.

 

Recife, Pernambuco

Lays Lima/Flickr

O Centro Histórico da capital pernambucana transborda história. Dar uma volta, a pé, pela região é uma viagem ao período colonial no Brasil. A influência da cultura portuguesa e holandesa – Recife esteve em domínio holandês de 1630 a 1654 – está por toda parte. Uma opção para começar o dia de passeio é o Paço Alfândega, edifício de 1732 que já funcionou como convento e sede da Alfândega, e hoje é um centro comercial. Ali próximo está a Praça Rio Branco, mais conhecida como Marco Zero, ponto de partida para todas as medidas oficiais da cidade. Se a caminhada continuar, o turista encontra ainda as Praças do Arsenal e Tiradentes e a Igreja Nossa Senhora do Pilar.

 

Domingos Martins, Espírito Santo

Jhonnilo Soares Cunha/Flickr

Difícil ir para o município capixaba e querer andar de carro ou qualquer outro veículo. A melhor maneira de explorar todas as belezas escondidas no interior do Espírito Santo é caminhando. Em uma visita ao centro da cidade, é possível conhecer a Praça Dr. Arthur Gerhardt, as Igrejas de Santa Isabel e da Confissão Luterana, o Monumento ao Colono Imigrante, o Museu de Colonização Alemã e as lojas locais. Além de conhecer o município, guarde as energias para passar um dia caminhando pelo Parque Estadual Pedra Azul. Lá, o turista pode visitar as cachoeiras e cascatas, fazer esportes de aventura – como o rafting – e fazer as trilhas até o topo da Pedra Azul para tomar banho nas piscinas naturais formadas no pico.

 

Torres, Rio Grande do Sul

Jeronimo Alexandre Lopes/Flickr

Uma caminhada pelas praias do município gaúcho é um ótimo passeio, tanto durante o dia quanto no pôr do sol. São muitas opções: Prainha, da Cal, Grande e da Guarita. Outro passeio comum entre os turistas é a visita ao Parque Estadual da Guarita. Quem sobe até o topo do morro homônimo é recompensado com uma vista da praia e de uma parte da cidade, de tirar o fôlego. A entrada de veículos dentro do Parque é cobrada. Mas quem entra a pé, não paga nada – outro incentivo para descobrir Torres a pé.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade