HOLANDA

Holandeses recebem turistas com alegria e compartilham cultura da bicicleta

Natureza exuberante, povo descontraído e educado. Um exemplo de civilidade. Assim é o país que oferece o que há de melhor na história, arquitetura, artes e muito mais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/11/2016 20:00 / atualizado em 09/11/2016 12:10

Juliana A. Saad Especial para o Correio /CB/D.A Press

Atualmente, a Holanda tem cerca de 17 milhões de habitantes espalhados por 41.528 km² (área um pouco menor do que o Estado do Rio de Janeiro), com terras conquistadas ao mar por meio de aterros muito bem realizados. Território praticamente plano, em nível abaixo do mar — daí o nome Países Baixos —, é, por isso, o reino das bicicletas: quase metade da população utiliza as ciclovias diariamente, elegendo as bikes como meio oficial de transporte.

 

O país é descontraído e lá tudo funciona primorosamente bem, das estradas aos trens, serviços de hotelaria, gastronomia e transporte urbano. Os holandeses fazem tudo de bicicleta: falam ao celular, tomam sorvete, bebem sua cervejinha — impressiona como todo mundo parece se apoderar das cidades e viver plenamente os contornos urbanos.

 

No verão, eles se ampliam para parques que enchem de nativos e visitantes para dias e noites movidas a música e diversão, com diversos festivais que atraem turistas ávidos por experimentar os contrastes do país. Sobretudo em cidades como Utrech, Amsterdã, Haia, Roterdã e Delft e as atrações no caminho entre uma e outra, como Keukuenhof, o parque de tulipas e os campos no entorno de Lisse; os moinhos de vento de Kinderdijk e a Holanda em miniatura em Madurodam.

 

São muitos os motivos que fazem e farão qualquer um desejar a viagem a esse país diferente — entre eles, o povo, que recebe de braços abertos os estrangeiros e viajantes e os fazem se sentir em casa. Esse jeito simpático e descontraído alia  muito respeito pela natureza, pela história do país e pela arte e arquitetura únicas. O Turismo traça um percurso — publicado ao longo deste mês —, que começa em Utrecht e Haia e termina em Amsterdã, passando por Delft e Roterdã. São lindas paisagens e destaques para cantinhos especiais como Madurodam, Kinderdijk e as tulipas de Keukuenhof. O que fazer, onde comer, dormir e o que não deixar fora da sua agenda. Embarque conosco nas próximas três semanas e boa viagem!

 

Juliana A. Saad Especial para o Correio /CB/D.A Press

» Aproveite a viagem

Na mala
Na Holanda sempre venta, não deixe de levar agasalhos leves, mesmo no verão. Além disso, sapatos e tênis para caminhar e andar de bike são essenciais. Os holandeses são bem casuais, mas vale levar looks mais espertos para jantares e programas noturnos.

 

Traga de volta
Faianças de Delft, queijos como Gouda e Edammer, cervejas — as personalizadas pela Heineken  são um belo presente, caixinhas de Van Stapele Koekmakerij (um dos melhores biscoitos do mundo) e o stroopwafel holandês: duas camadas finas de waffle encobertas por uma deliciosa camada fina de caramelo líquido. As embalagens em forma de casinhas típicas holandesas e moinhos de vento são um presente à parte.

 

Serviço

Há voos diretos da companhia aérea oficial da Holanda, a KLM, saindo diariamente de São Paulo e do Rio para Amsterdã. A empresa tem parceria com a Gol, com voos de várias cidades do Brasil que fazem conexão nas duas capitais, com o despacho da bagagem direto da cidade de embarque para o destino final.

 

aeroporto de Schiphol é um dos mais concorridos da Europa e também um dos mais funcionais, com lojas, hotéis, restaurantes, supermercado, salão de beleza, berçário e creche. Além dos voos para o mundo, de lá saem trens e ônibus para todo o país, fazendo dele um hub importante. A dica para o voo de volta é se hospedar no novíssimo Hilton Airport, uma solução perfeita para chegar mais cedo ao aeroporto e ganhar tempo para fazer as compras de última hora e embarcar tranquilamente.

 

Nos bastidores do Schiphol, há um mundo de engrenagens e cuidados especiais com os itens de segurança necessários para que tudo funcione perfeitamente bem. O viajante pode se surpreender com soluções modernas como um sistema de check-in e despacho de malas feito pelo próprio passageiro em um único equipamento, Coisas de um país prático e antenado ao seu tempo.

 

Voo sustentável

O espírito holandês está presente desde a decolagem. Nas aeronaves da KLM, por exemplo, o carpete é feito com o uniforme reciclado dos comissários. A decoração a bordo é divertida e elegante, além das poltronas ultra espaçosas. Tudo com o conforto e a vibe cool que permeiam a Holanda.

 

As nécessaires têm design de Jan Taminiau, que criou o vestido de casamento da rainha Máxima. O cardápio é do chef holandês Jacob Jan Boerma, do restaurante De Leest in Vaassen (na ida o menu é do chef brasileiro Rodrigo Oliveira, do Restaurante Mocotó). Na World Business Class, o último drinque vem embalado em casinhas holandesas típicas, de porcelana Delft, lançadas a cada ano. Para completar, a KLM está com promoções nas classes econômica e executiva.

 

» Check in

Visto: não é preciso para brasileiros a turismo ou negócios com estadia máxima de 90 dias. Passaporte com validade mínima de seis meses.
Moeda: euro
Fuso horário: +4 horas, com horário de verão aqui, ou 5 horas
Línguas: holandês, mas o inglês é amplamente falado.
Exigências: seguro viagem e comprovante de hospedagem são obrigatórios.

 

*A jornalista viajou a convite da Holland Alliance e da KLM

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.