GASTRONOMIA

Sabores de rua destacam as diferenças culturais de países ao redor do mundo

Descubra comidas de rua que conquistam turistas ao redor do mundo. Seja como lanches rápidos ou refeições completas, pratos típicos conquistam quem está passeando pelos caminhos de um destino

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/12/2016 09:00 / atualizado em 01/12/2016 11:02

Governo do Estado da Bahia/Divulgação

Na correria entre um ponto turístico e outro, é fácil esbarrar, no meio da rua, em uma barraquinha de quitutes locais. Quem está com pressa para chegar em algum lugar ou quem não quer gastar muito tempo e dinheiro em uma mesa de restaurante pode decidir optar pelas comidas de rua. Às vezes, o sabor agrada tanto que o prato vira o preferido do turista, e os restaurantes e bistrôs passam para segundo plano.

 

O Brasil tem várias opções desses quitutes; um deles é o acarajé. Por toda a sua importância cultural e histórica, fica difícil qualificar o prato como uma comida rápida de rua. O bolinho característico das oferendas aos orixás do candomblé normalmente acompanhado de vatapá, caruru e camarão seco é uma receita da África Ocidental, trazida para o Brasil pelos escravos. Nas ruas das cidades da Bahia — e em algumas outras regiões do país — não é difícil encontrar as baianas com seus tabuleiros, prontas para encantar a todos com o sabor do quitute.

 

» Quituteiras

Uma das profissões femininas mais antigas do país, o ofício das baianas do acarajé foi considerado, em 2005, como patrimônio cultural Imaterial do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

 

Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press

Em São Paulo, uma das iguarias de rua são os pastéis. Nas feiras livres espalhadas pela cidade — como a do Pacaembu, por exemplo —, vale a pena sentar em uma das barracas para observar o vai e vem, enquanto aprecia um pastel e um copo de caldo de cana. O Turismo destaca outros sabores fáceis de encontrar em algumas cidades ou países ao redor do mundo.

 

Hot dog (Nova York, EUA)

Adrian Allen/Flickr

A Big Apple é marcada por seus estereótipos: táxis amarelos, as luzes da Times Square, homens engravatados andando por Wall Street. Na lista, que é enorme, também entram os carrinhos de cachorro-quente e seus guarda-chuvas bicolores. A receita é simples; pão e salsicha. Mas o turista pode ficar a vontade para completar o lanche com ketchup e mostarda.

 

Currywurst (Berlim, Alemanha)

Sean Ganann/Flickr

Quando em Berlim, não esqueça de provar o currywurst. Andando pelas ruas da capital alemã, não é difícil encontrar um lugar que venda a salsicha de porco grelhada, temperada com curry e ketchup. O tradicional prato alemão de fast food é uma receita pós Segunda Guerra e, de tão importante para a cultura do país, tem até um museu em Berlim.

 

Vlaamse frites (Amsterdã, Holanda)

Wikiwand/Reprodução

Batata frita e muita, mas muita, maionese: essa combinação recebe o nome de vlaamse frites, lanche comum de se ver nas mãos de transeuntes em Amsterdã, na Holanda. Apesar de ser comum nas ruas da capital dos Países Baixos, o nome vlaamse faz referência à região de Flandres, no norte da Bélgica.

 

Pav bhaji (Índia)

Jeyashri Suresh/Flickr

Tradicional prato indiano de fast food, o Pav Bhaji é um ensopado de vegetais, temperos e molho de tomate, mistura servida dentro de um pão. O prato começou a ser servido em 1850 para trabalhadores de Bombaim e logo se tornou comum em barracas de rua e em diversos restaurantes do país.

 

Baozi (China)

Robyn Lee/Flickr

A origem do famoso pãozinho oriental, normalmente recheado de carne ou vegetais, vem cercada de mística. Dizem que o quitute foi criado no período chinês dos Três Reinos — entre os anos 220 e 280 —, por um militar, como um sacrifício para livrar seus soldados de uma praga. Hoje, várias regiões da China dão seu toque para a receita.

 

Börek (Bálcãs)

Asasirov/Flickr

Receita criada durante o Império Otomano, o salgado de massa folhada pode ser recheado de carne, queijo, espinafre ou outros vegetais. Comum na região dos Bálcãs, o prato típico tem algumas variações em países como Albânia e Bulgária.

 

Bunny chow (Durban, África do Sul)

Paul/Flickr

Pelas ruas da cidade sul-africana é comum encontrar o prato criado por indianos. Para fazer a iguaria, basta retirar o miolo de um pedaço de pão e o rechear com carne ou curry vegetariano. Nessa receita, nenhum ingrediente é desperdiçado, por isso o miolo também é servido para molhar no caldo.

 

Arepas (Colômbia e Venezuela)

Influenceduffy/Flickr

Preparadas pelos povos ameríndios, as panquecas feitas de farinha de milho são muito populares na Colômbia e Venezuela. As arepas, que significam milho na língua indígena da região onde hoje estão os países, podem ser servidas puras, com carne, com queijo e até com recheios doces, como geleias — dependendo do país onde se come.

 

Trdelnik (Praga, República Tcheca)

AKproject/Flickr

Para terminar esse tour gastronômico, nada melhor que uma sobremesa muito comum em Praga, na República Tcheca. O rolinho de massa bem fina de pão é tradicionalmente coberto de açúcar e canela em pó, mas também é possível recheá-lo de Nutella, amêndoas, chocolate, entre outros. Com tantas pessoas circulando na rua, saboreando o doce, vai ser difícil resistir à receita.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.