SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

ESPORTE

Percursos de perder o fôlego vão deixar o seu passeio de bike inesquecível

Os ciclistas estão servidos de trilhas em cenários de perder o fôlego. Conheça destinos ao redor do mundo que são perfeitos para os mais aventureiros

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/04/2017 10:00 / atualizado em 19/04/2017 18:42

Não demorou muito tempo para que o mountain biking fosse praticado não só no estado norte-americano da Califórnia, mas em todo o mundo. Por isso, opções de circuitos para praticar a modalidade não faltam em nenhum dos quatro cantos do globo. Para facilitar a escolha da trilha perfeita, o Turismo separou locais onde não vai ser difícil encontrar viajantes praticando o esporte. Basta escolher uma região e embarcar rumo a destinos repletos de emoção. E não importa o nível do ciclista: tem pistas perfeitas para iniciantes profissionais.


Rota Gornegrat — Zermatt Matterhorn (Suíça)
trailsource.com/Reprodução

É preciso ter um pouco de experiência e uma afinidade pela modalidade Downhill para se aventurar na rota que liga as duas regiões suíças. Mas a maior dificuldade está em resistir a dar uma parada para apreciar a paisagem. A melhor época para pedalar nessa trilha é de junho a outubro.
  • Distância: 19,7km

Trilha Black Cottage (País de Gales)

MBWalles/Reprodução

Pedalar, por muitas horas, em uma subida, pode não ser fácil, mas a consequência pode ser recompensadora. Ao longo do caminho da trilha do interior do País de Gales, as paisagens são de tirar o fôlego, além do esforço do pedal.
  • Distância: 30km

Great Ocean Road (Victoria, Austrália)
Lyla Sweetheart/Flickr

Construída entre 1919 e 1932, a rota proporciona belos cenários naturais para aqueles que decidem se aventurar por ali. Mas o foco não são as trilhas no asfalto, e sim, por entre as florestas da região. Dentro do Parque Nacional de Otway, em condições ideais para praticar mountain biking, o ciclista ainda pode se surpreender com a fauna e flora local.
  • Distância: 80km

Rota Pitsylia - Troodos (Chipre)

Mal Hope/Flickr


A dificuldade da trilha é média, com alguns momentos de subidas íngremes. No cenário, as Montanhas de Troodos, que tornam o percurso convidativo. A rota faz ainda um convite para conhecer melhor as comunidades cipriotas. No caminho, o turista passa por vilarejos como Chandria, Polystypos, entre outros. Quem precisar parar para descansar, encontra diversos pontos para relaxar e comer alguma coisa. 
  • Distância: 28,3km


42 Traverse (Nova Zelândia)
Visit Ruapehu/Reprodução

Entre o Parque Nacional Togariro e o vilarejo Owhango, a percurso oferece momentos de aventura: subidas, descidas, travessias de rios e barrancos. Os montes Ruapehu, Tongariro, Ngauruhoe e o cânion Echo proporcionam à trilha um cenário incrível. É recomendado fazer a 42 Traverse no verão, quando a chance de chover é menor, assim, os riscos dos terreno escorregadio e das fortes correntezas diminuem. 
  • Distância: 46km


Trilha Captain Ahab (Utah, Estados Unidos)
Bureau of Land Management/Flickr

Um dos favoritos da área de Amasa, o percurso exige um pouco mais de técnica de quem se aventurar por ela. O terreno pedregoso é cheio de curvas, subidas e descidas. Em alguns momentos, é preciso atravessar trechos da trilha, na beirada de um penhasco.
  • Distância: aproximadamente 12km



Parque Whistler (Colúmbia Britânica, Canadá)

Whistler Mountain Bike Park/Reprodução

Ceder aos encantos do parque canadense é complicado para os amantes do mountain biking, isso porque o local foi idealizado apenas para a prática do esporte. Entre as muitas pistas disponíveis estão Fitzsimmons, Garbanzo, entre outras. O parque não é só lugar de quem já é craque no esporte, mas para quem quer aprender a pedalar em trilhas também. É possível fazer aulas e participar de acampamentos para iniciantes. Mais informações: bike.whistlerblackcomb.com.

 

No nosso território
Os praticantes do moutain biking estão bem servidos no Brasil. Escolher qual trilha fazer primeiro pode se tornar uma tarefa difícil por causa da quantidade de cenários convidativos à prática. Conheça alguns percursos verde e amarelo e eleja o seu preferido para fazer a próxima viagem.  

 

Parque Estadual Altamiro de Moura Pacheco/CB/Reprodução/D.A Press
 

Trilha do Lago (Goiás)
Não é preciso ir muito longe para percorrer o caminho que fica no Parque Estadual Altamiro de Moura Pacheco, a 12km de Goiânia. A trilha foi planejada para os ciclistas e tem 17km de extensão. Entre a natureza preservada da região, o ciclista ainda pode se aventurar na Trilha do Eucalipto, que oferece um pouco mais de dificuldade e exige um tempo maior para ser percorrida.

Caminho dos Príncipes (Santa Catarina)

Governo de Santa Catarina/Reprodução

A região catarinense é apenas um dos locais onde a prática do mountain biking é possível no estado. No Caminho dos Príncipes, o Vale do Rio Bracinho é um bom local para se aventurar no esporte. Além disso, é comum dividir o tempo entre rapel, trilhas, canoagem, entre outras atividades. Quem decide pelas estradas do Vale do Rio Braço do Sul, pode descer do pedal para relaxar na cachoeira Wasserhoff. Os roteiros do Rio Negrinho também são boas opções para a prática de mountain biking.

Trilha Jacu Encantado (Minas Gerais)
Maria Lucia Dornas/Flickr

Partindo do distrito de Glaura, em Ouro Preto, o percurso leva até a Cachoeira do Campo, em aproximadamente 42km. Dentro da Floresta Estadual de Uaimií, a trilha passa por trechos de Mata Atlântica e de Cerrado, garantias de uma paisagem rica em espécies de animais e de vegetais. Além disso, no meio do caminho, é possível dar uma parada nas cachoeiras Brás Gomes e São Bartolomeu.

Zoom Bike Park (São Paulo)
Cesar Neves/Reprodução

Que tal passar o dia em lugar que reúne diversas trilhas, dos mais variados níveis? Essa é a proposta do parque localizado em Campos do Jordão, no interior de São Paulo. São 17 trilhas para os amantes do mountain biking se aventurarem. Para quem não quiser levar a própria bicicleta, é possível alugar diversos modelos nas lojas do parque. O Zoom Bike conta ainda com outras atividades, como arvorismo e passeios a cavalo. Mais informações: www.zoombikepark.com.br.

Vale do Pati (Bahia)
José Luiz Gonzalez/Flickr

Um dia não é o suficiente para percorrer a trilha do Vale do Pati, na Chapada Diamantina. Em passeios organizados por empresas de turismo, com guias especializados, os ciclistas podem escolher caminhos que duram até sete dias. A pedalada se torna ainda mais convidativa por causa de cartões-postais como o Morro Pai Inácio e a Cachoeira da Fumaça. Os terrenos são desafiadores: subidas, descidas, travessia de riachos e matas mais densas que desafiam quem percorre a região sobre duas rodas.

 

Levantando poeira

 

 

Cheias de adrenalina

Se praticar mountain biking por hobbie já é perigoso, imagina quando o primeiro lugar está em jogo? Conheça algumas competições da modalidade que foram feitas para aumentar a adrenalina até o limite. Para conferir o calendário de eventos do esporte, acesse o site www.uci.ch/mountain-bike/calendar.

UCI Mountain Bike World Championship

» Onde: Val di Sole, Itália
» Quando: setembro

Red Bull Rampage
» Onde: Virgin, Estados Unidos
» Quando: outubro

Oceania Continental Championship

» Onde: Toowoomba, Austrália
» Quando: março

Strathpuffer 24
» Onde: Terras Altas, Escócia
» Quando: janeiro

Modalidades
De acordo com a União Internacional de Ciclistas (UCI, na sigla em francês), existem quatro especialidades de mountain biking. Descubra quais são elas.

» Cross-country olímpico 

As estradas precisam estar em florestas, ter descidas técnicas, trechos pedregosos e vários obstáculos. O percurso varia entre 5km e 9km e duram de 1h45 a 2h30.

» Cross-country maratona 
A modalidade é mais longa que a olímpica, tendo de 60km a 120km. Qualquer um pode participar: de iniciantes a profissionais.

» Four cross (4X)
Quatro participantes descem juntos um percurso que dura no máximo um minuto. Os ciclistas correm lado a lado, o que torna o confronto ainda mais perigoso.

» Downhill (DHI)
O competidor precisa lutar contra o relógio enquanto enfrenta obstáculos, descidas e saltos. Nessa modalidade, é possível chegar a até 80km/h.

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.