Turismo

Beleza grandiosa, os encantos da divisa entre Brasil, Paraguai e Argentina

Em Foz do Iguaçu (PR), o que não faltam são opções de passeio. Das Cataratas à Usina de Itaipu, são belezas que encantam a todos e surpreendem até os mais aventureiros

Geison Guedes - Especial para o Correio

 

"Abençoado por Deus e bonito por natureza", é mais que uma declaração de amor ao Brasil, na música de Jorge Ben Jor. O país esbanja seus encantos por mais de oito milhões de quilômetros quadrados do seu território. Do sertão à floresta amazônica, passando pelo pantanal, cerrado, litoral, pampas e rios, um verdadeiro show de beleza natural e guarda esplendores como as Cataratas do Iguaçu — uma das sete maravilhas da natureza em todo o planeta.

 

O conjunto, formado por mais de 270 quedas d’água ao longo do rio Iguaçu, fica na divisa do Brasil com a Argentina. A área forma parques nacionais, que juntos somam mais de 250 mil hectares e são preservados com rigor. Apesar disso, nos dois lados da fronteira a visitação é permitida, além de diversas outras atividades.

 

Foz do Iguaçu, a cidade brasileira das Cataratas, conta com um sem número de atrações além do parque nacional. Na região, o turista pode aproveitar para visitar a usina de Itaipu — uma das maiores hidrelétricas do mundo —, o Vale dos Dinossauros, o Parque das Aves, um museu de cera e o marco das Três Fronteiras. Isso sem falar nas compras no lado argentino, em Puerto Iguazú e no Paraguai, na Cidade do Leste.


Com escala

Ao todo, são 270 quedas d'água ao longo do rio Iguaçu, na divisa entre o Brasil e a Argentina
 

Para chegar até a cidade paranaense, a melhor opção é ir de avião, mas prepare a carteira, pois a passagem não é muito barata. Saindo de Brasília, o preço médio do bilhete — no intervalo de uma semana — varia de R$ 700 a R$ 1 mil, com o inconveniente de ter defazer escalas. O aeroporto, apesar de ficar fora da cidade, é bem próximo do centro e de grande parte dos hotéis. Por ser bem turística, Foz conta com uma boa diversidade de hospedagem. Os valores das diárias variam de R$ 130 a R$ 880.

 

Ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu/Cataratas, o visitante já sente o primeiro grande impacto: a temperatura é bem diferente da de Brasília e o calor convidapara passeios próximos às águas das cataratas. Enquanto na capital o clima é muito seco, na cidade paranaense a umidade é abundante. Andando pela ruas, um segundo impacto é a quantidade de carros com placa do Paraguai e da Argentina. Nem parece que estamos do lado brasileiro.

 

Vista em vários ângulos

No Nipe, um dos mirantes mais disputados, o visitante circula por passarelas entre as águas

Antes de sair para explorar as diversas atrações da região, separe um bom dinheiro. Tudo é pago, inclusive a entrada para o Parque Nacional, que funciona todos os dias das 9h às 17h. Entre todos os lugares para visitar na Foz de Iguaçu, o parque é o mais procurado. Do lado brasileiro, é possível ver as cataratas de diversos ângulos — o mais famoso é no espaço Nipe, que além dos mirantes em vários níveis, conta com uma passarela praticamente dentro do rio.

 

Ao chegar, a magnitude das quedas d’água impressiona tanto quanto a altura. A força da natureza deixa qualquer um de boca aberta. No Nipe, é possível descer e avançar, pela passarela, rio adentro, o que permite um visual ainda mais eletrizante. A descida pode ser feita de escada ou pelo elevador. Em dias de excursão, vá com tempo, pois a quantidade de gente pode dificultar o deslocamento.

 

Outro ponto legal dentro do Parque é o Macuco Safari (este é pago à parte). Nele, é possível entrar na floresta, praticamente natural, em carrinhos elétricos. Um guia explica a história do lugar e destaca as plantas raras. Ao chegar próximo à água, o visitante pode alugar armários para guardar os pertences e se preparar para “enfrentar” o rio.

No parque, o Macuco safári oferece a opção de passeio molhado: de alma lavada
 

A melhor parte do Macuco vem em seguida. Vestidos de coletes salva-vidas, os visitantes entram em barcos — com capacidade para cerca de 23 pessoas. São duas opções de passeio, o seco e o molhado. Os nomes dizem tudo. Mas acredite, na segunda opção você fica encharcado mesmo, vá preparado. Uma coisa que impressiona é que, quanto mais perto do rio, mais quente fica. No entanto, assim que o barco começa a ganhar velocidade, o vento alivia todo o calor. Mas não tanto quanto a água.

 

O turista pode imaginar que o passeio molhado se deve aos respingos, mas não se engane. O condutor do barco — que leva a embarcação habilmente rio acima — se aproxima de uma pequena queda, apenas para "temperar" os turistas com a água fria. É a primeira fase do passeio molhado. No entanto, o melhor ainda está por vir. Subindo mais um pouco, o barco quase atravessa uma cachoeira. A água gelada bate fundo. Os navegantes ficam totalmente molhados, mas é simplesmente reconfortante. Por poucos momentos, a sensação é de paz. Ah!, não tente olhar para cima, a água bate sem dó no corpo inteiro.

 

Além do Espaço Naipi e do Macuco Safári, o parque conta com diversas trilhas para caminhada, como a do Poço Preto, onde é possível realizar caminhadas a pé, de bicicleta ou em carro elétrico por nove quilômetros. E a das Bananeiras, onde o visitante percorre um caminho de 1,5 quilômetro que passa por diversas lagoas. Ele também combina a trilha com uma navegação pelo rio até o cais do Poço Preto. No local, os visitantes podem ir até uma casamata para observar a Lagoa do Jacaré e a volta pode ser feita em caiaques infláveis. Há também voos de helicóptero e no Macuco uma opção de rafting.

As quedas d'água, no lado brasileiro, encantam turistas de vários países do planeta

Três em um

 

Outro ponto turístico bastante procurado pelos visitantes em Foz do Iguaçu é o marco das Três Fronteiras, onde o Paraguai e a Argentina fazem divisa com o Brasil. Aberto de terça a domingo, das 14h às 23h, o local fica no encontro dos rios Paraná e Iguaçu, conta com um mirante, onde é possível avistar toda região das três fronteiras e é perfeito para apreciar o pôr do sol. Como no Parque Nacional, os ingressos podem ser comprados pela internet.

 

No marco, existe um obelisco construído há mais de 100 anos e pintado nas cores da bandeira brasileira. Além disso, o local conta com restaurantes, estacionamento, lojas de conveniência, bicicletário, três praças — da Entrada, das Missões e das Três Fronteiras —, o próprio mirante, um parque infantil e um memorial, o Cabeza de Vaca, que conta a história do Marco das Três Fronteiras.

 

De Foz do Iguaçu, além dos passeios, o visitante pode fazer uma das atividades preferidas dos turistas: compras. São duas opções, Argentina e Paraguai. Do lado dos hermanos, há um outlet após a aduana brasileira e antes da Argentina. Como fica a vinte minutos do centro de Foz, é uma opção mais rápida, mas, se você preferir produtos mais baratos, o local é a Cidade do Leste.

No Marco das três fronteiras, o obelisco entre o Brasil, a Argentina e o Paraguai
 

A cidade paraguaia fica a 30 minutos do centro de Foz do Iguaçu e conta com uma variedade enorme de lojas e produtos — todos mais baratos que no Brasil e na Argentina. Para entrar em qualquer um dos dois países é preciso levar um documento de identificação válido (pode ser identidade — lembrando que este tem que ter menos de dez anos de emissão —, carteira de motorista ou passaporte) e é preciso se identificar nas duas fiscalizações de fronteira, no lado brasileiro e no lado vizinho.


Por ser um local de grande movimentação de compradores, o aeroporto de Foz do Iguaçu é totalmente diferente dos demais Brasil afora. Antes do embarque é preciso passar pela fiscalização da Receita/Polícia Federal, onde todas as malas são escaneadas e o passageiro e as bagagens podem ser revistados aleatoriamente. Apenas após esse procedimento é possível prosseguir para o check-in e embarque.

 

Programe-se

 

Parque Nacional das Cataratas do Iguaçu
» Adulto: R$ 37 (brasileiros); R$ 50 (Mercosul); R$ 63 (outros países)
» Infantil: R$ 10 (preço único)
» Idosos: R$ 10 (preço único)

Marco das Três Fronteiras
» Adulto: R$ 18
» Meia; R$ 9
» Passaporte semanal: R$ 25
» Passap. Semanal meia: R$ 12
» Pass. Família: R$ 60

Macuco Safari
» Adulto: R$ 107,70
» Criança: R$ 53,85
» Idosos: R$ 53,85