NOTÁVEIS

Rio Grande do Sul e Santa Catarina colecionam atrações dedicadas a heróis

Os brasileiros reconhecem o heroísmo e a bravura não só nos homens e mulheres nascidos no país. Alguns estrangeiros se tornaram compatriotas no espírito de bravura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/05/2017 13:15 / atualizado em 29/05/2017 14:43

José Varella/CB/D.A Press

Os primeiros heróis da humanidade estão eternizados na história da Grécia Antiga. Lá, os mortais poderiam se juntar aos deuses em panteões, caso realizassem algo grandioso. Na modernidade, o Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves (foto), inaugurado durante o governo de José Sarney, é dedicado à memória dos heróis nacionais.

 

Dentro do edifício, localizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília, há um livro de aço onde estão escritos 31 nomes de brasileiros que conquistaram o status de heróis. Eles ajudaram a valorizar o país com suas ações. “Só Deus compartilha da eternidade de seus nomes” — a frase, do ex-presidente, está inscrita em uma das paredes do lugar.

 

Na edição passada, o Turismo lembrou a história dos heróis nascidos nas regiões nordeste e sudeste do Brasil. Nesta semana, concluímos a viagem histórica às cidades natais e aos lugares que foram peças-chave na vida dos brasileiros mais notáveis de todos os tempos. Conheça as regiões sul e norte do país, além de destinos internacionais, em museus, memoriais, casarões antigos e praças dedicadas aos ídolos.

 

Para saber mais

Jesus Cristo, Buda, Albert Einstein e Madre Teresa de Calcutá — esses são alguns dos heróis escolhidos por sete mil estudantes em uma pesquisa feita pela Universidade do País Basco, publicada na revista científica Plos One. Eles tiveram de avaliar a trajetória, a influência e o legado de cada um. Confira o ranking.

» Albert Einstein

» Madre Teresa de Calcutá
» Gandhi
» Martin Luther King
» Isaac Newton
» Jesus Cristo
» Nelson Mandela
» Thomas Edison
» Abraham Lincoln
» Buda

Fonte: www.journals.plos.org/plosone/articleid?=10.1371/journal.pone.0115641

 

» RIO GRANDE DO SUL

Marinha do Brasil/Divulgação

Rio Grande

Antes de receber o título de marquês, Joaquim Marques Lisboa foi almirante da Marinha do Brasil e combateu em todas as lutas do Império. O Marquês de Tamandaré foi um dos responsáveis pela expulsão das tropas portuguesas do Brasil após a proclamação da República. O Comando do 5º Distrito Naval, em Rio Grande (cidade natal do herói da pátria) tem um espaço cultural com acervo dedicado a ele — um Panteão, uma Sala de Memória e o túmulo onde ele e sua mulher estão enterrados.

 

Visite

» Espaço Cultural da Marinha

Endereço: Rua Almirante Cerqueira e Souza, 179, Vila Militar
Aberto de segunda à sexta das 8h30 às 11h30 e das 14h às 16h30, com agendamentos nos finais de semana e feriados
Contato: (53) 98403-3876

 

Mapio.net/Reprodução

São Borja

Advogado e político, Getúlio Vargas foi líder da Revolução de 1930, que acabou com a República Velha. Foi presidente em dois períodos — primeiro, como chefe do governo provisório até 1937, eleito pela Assembleia Nacional Constituinte. Depois, como presidente-ditador durante o Estado Novo, após um golpe de estado. Getúlio Dornelles Vargas foi um governante popular, chamado por muitos de “pai dos pobres” por ter criado várias leis trabalhistas e sociais brasileiras. É um dos presidentes mais lembrados do país e sua influência é vista até hoje nos partidos Democrático Trabalhista (PDT) e Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

 

Há uma escultura dedicada a ele em São Borja, sua cidade natal, além do Museu Casa Getúlio Vargas, restaurado e reinaugurado em 2015. O acervo está disposto na casa onde o ex-presidente viveu por 12 anos e onde seus filhos nasceram. Fotos, documentos e roupas contam a história do estadista nos diversos cômodos. Os álbuns fotográficos da Agência Nacional do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) e do Departamento Nacional de Propaganda (DNP) são tesouros guardados ali.

 

Visite

» Museu Casa Getúlio Vargas

Endereço: Av. Presidente Vargas, 1722, Centro

Aberto de terça a sábado, das 9h ao meio-dia e das 14h às 17h
Informações: (55) 3430-2953 / cultura@saoborja.rs.gov.br
Entrada gratuita

 

Ricardo André Frantz/Reprodução

Tramandaí

Político e general, Manuel Luís Osório, mais conhecido como Marechal Osório, comandou as tropas que invadiram o Paraguai na Guerra da Tríplice Aliança e planejou a Batalha de Tuiuti, a maior do conflito. O general participou dos eventos militares mais importantes do século 19 e tem um parque em sua homenagem em Tramandaí, cidade que foi palco para algumas das batalhas da Guerra dos Farrapos — o Parque Histórico Marechal Manuel Luís Osório. Além disso, há um monumento dedicado ao marechal na Praça Alfândega, em Porto Alegre, e uma estátua na Praça XV de Novembro, no Rio de Janeiro. A cidade onde ele nasceu, Conceição do Arroio, passou a se chamar Osório em 1934.

 

Visite

» Parque Histórico Marechal Manuel Luís Osório

Endereço: Rodovia RS-030, Km 101, s/n, Parque do Sol
Aberto de 8h às 17h30
Ingressos a R$ 4 por pessoa ou R$ 20 o carro
Contato: (51) 3601-7151

 

Porto Alegre 

Ivo Gonçalves/PMPA

O idealizador da Revolução Acreana é, na verdade, gaúcho. Além de líder do movimento, José Plácido de Castro foi político, militar e governou o Estado Independente do Acre durante as disputas territoriais com a Bolívia. O estado (antes, território) foi palco de lutas entre os bolivianos e o exército de seringueiros comandados por Plácido de Castro, por volta de 1902. Depois de um ano, os brasileiros venceram e o Acre passou a integrar a área do Brasil. Há um memorial dedicado a ele no parque da Marinha do Brasil (foto).

 

Outro porto-alegrense cujo nome está entre os heróis da pátria é Roberto Landell de Moura. O padre é conhecido por ter inventado o rádio. Em 1900, ele demonstrou publicamente o experimento científico que vinha estudando. Enviou sinais telegráficos junto com a voz humana a um lugar distante 8 km dali — sem fios, por meio de ondas eletromagnéticas.

 

Apesar do feito ser do brasileiro, quem levou o crédito (e um prêmio Nobel) foi o cientista italiano Guglielmo Marconi, porque Landell não patenteou a invenção. Em Porto Alegre, cidade natal do inventor, há um memorial dedicado à preservação de sua memória, com livros, revistas,  jornais da época, fotos, vídeos e documentos. O espaço é referência em pesquisa sobre a história do rádio e disponibiliza tudo para consulta.

 

Visite

» Memorial Landell de Moura
Endereço: Rua Dra. Rita Lobato, 150,  aptº 204, Praia de Belas
Visitas com agendamento prévio pelo e-mail: contato@memoriallandelldemoura.com.br
Informações: (51) 3341-3644  
www.memoriallandelldemoura.com.br

» Memorial José Plácido de Castro
Endereço: Avenida Borges de Medeiros, 2035, Praia de Belas

 

São Luiz Gonzaga 

Sepé Tiaraju foi um guerreiro indígena considerado santo popular (São Luiz Gonzaga) e herói guarani. Ele liderou uma rebelião contra o Tratado de Madri — que delimitava as fronteiras entre as colônias de Portugal e Espanha no atual território brasileiro. O documento determinava que os guaranis que habitavam a região dos Sete Povos das Missões Orientais do Uruguai (hoje Rio Grande do Sul) abandonassem as aldeias da parte oriental do rio Uruguai. Eles não aceitaram e iniciaram uma guerra para defender o território.

 

Como o corpo do guerreiro não foi encontrado no campo de batalha, alguns acreditam que ele subiu aos céus. Uma cidade gaúcha carrega o nome dele — São Luiz Gonzaga. Há uma escultura de Sepé Tiaraju em frente à prefeitura municipal.

 

Visite
» Prefeitura Municipal de São Luiz Gonzaga

Endereço: Rua Venâncio Aíres, 2438

 

» SANTA CATARINA

Mapa na Mão/Reprodução

Laguna

Mais conhecida como Anita Garibaldi, Ana Maria de Jesus Ribeiro nasceu na aldeia de Morrinhos, hoje município de Laguna. A heroína (uma das duas mulheres citadas no livro — a outra é a enfermeira de guerra Anna Nery) combateu na Guerra dos Farrapos ao lado do marido, Giuseppe Garibaldi, com os cabelos cortados e vestida como homem. Também chamado de Revolução Farroupilha, o movimento contra o governo imperial brasileiro resultou na criação da República Rio-Grandense, em 1845. A história de amor dos Garibaldi é permeada por vários outros combates, nos quais Anita chegou a lutar até mesmo grávida.

 

O Museu Casa de Anita é o lugar onde ela morou durante boa parte da vida. O casarão, construído em 1711, abriga móveis da época, objetos pessoais e um pouco da terra do cemitério de Ravena, Itália, onde foi enterrada. O museu também guarda um mastro do navio Seival, transportado por Garibaldi do interior do Rio Grande do Sul até o litoral de Santa Catarina, em Laguna.

 

Visite

» Museu Casa de Anita

Endereço: Rua Conselheiro Jeronimo Coelho, s/n, Centro

Aberto de terça-feira a domingo, das 9h às 18h
Ingressos a R$ 5
Informações: (48) 3646-2542 / flcultura@laguna.sc.gov.br

 

» PARANÁ

Fotografando Curitiba/Reprodução

Curitiba

Ildefonso Pereira Correia foi um grande produtor e exportador de erva-mate. Natural de Paranaguá, foi para Curitiba, Montevidéu e Buenos Aires com o objetivo de se especializar no negócio. Em Curitiba, ingressou na política e se tornou deputado provincial. Chegou a governar toda a Província do Paraná. O título de Barão do Serro Azul, dado a ele pela Princesa Isabel, faz referência a uma vila que o empresário teria ajudado a construir em Curitiba — a vila do Serro Azul.

 

O barão é lembrado de várias maneiras em Curitiba. Seu nome foi dado a uma via no centro da cidade e a um importante centro cultural — o Solar do Barão.  Tombado pela Coordenação do Patrimônio Cultural do Paraná, o espaço reúne os museus da Fotografia, da Gravura, do Cartaz e uma gibiteca. Ele também tem um busto em frente à Associação Comercial do Paraná, da qual foi o primeiro presidente.

 

Visite

» Solar do Barão

Endereço: Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533, Centro

Aberto às terças e sextas das 9h às 12h e aos sábados,
domingos e feriados, das 12h às 18h
Informações: (41) 3321-3247 / www.fundacaoculturaldecuritiba. com.br/espacos-culturais/solar-do-barao
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.