No Pará, festas juninas preservam símbolos locais

Na cidade de Bragança, a 210 km de Belém, os pratos típicos tomam o lugar das tradicionais comidas de milho. Mas a animação é a mesma

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/06/2017 15:20 / atualizado em 29/06/2017 15:10

 Roberto Castro/MTur

Esqueça a canjica, a pamonha e o quentão. Em Bragança, cidade distante 210 km de Belém, no Pará, os pratos à base do milho verde dão lugar aos típicos da culinária local. As festas juninas paraenses não se afastam das raízes. O pato no tucupi, a maniçoba e o tacacá fazem a festa enquanto, nos palcos, as quadrilhas o espaço com as apresentações culturais locais dos cordões de pássaros e dos bois-bumbás.

 

 Roberto Castro/MTur

Característicos da cultura paraense, os cordões de pássaros são apresentações que combinam teatro, música, dança e lições de respeito à natureza. Os enredos giram em torno de uma ave ornamental com coreografias e cânticos, tendo como fato principal a morte do pássaro pelo caçador e sua ressurreição pelo pajé ou doutor. Os integrantes do cordão se vestem com as cores do pássaro homenageado.

 

 Roberto Castro/MTur

A história do boi-bumbá é parecida, um homem sai à procura de um boi para satisfazer o desejo da mulher. Ele mata o primeiro boi que encontra. Porém, o fazendeiro dono do animal chega logo na casa do homem que matou o animal e diz que ele era de estimação. Todos saem à procura de um pajé para ressuscitar o boi. Assim que o boi ressuscita, todos cantam e dançam. Nesse momento o animal começa a fazer investidas contra pessoas que assistem.

 

*Estagiário sob supervisão de Taís Braga

Viagem a convite do Ministério do Turismo

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.