ASSUSTADORES

Viaje por cenários assombrosos ao redor do mundo e brinque com o medo

Entre a diversão e o receio, há uma linha tênue. Experimente ir a casas, castelos, hotéis, teatros e cidades inteiras que têm vocação para o horror. Esses lugares mostram que ficar amedrontado pode render uma boa viagem pelo globo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/08/2017 20:00 / atualizado em 16/08/2017 16:55

Tony Bolloni/Flickr

Há quem não dispense um filme de terror. Essas pessoas integram um grupo muito especial: o dos que gostam de sentir medo. Essa característica é normal e faz parte da natureza humana. A biologia indica o porquê. Na tela do cinema, o terror é controlado. Assim, essa experiência permite experimentar sensações possíveis só naquele contexto.

 

O medo e o prazer andam de mãos dadas. Em situações de perigo e diante de uma cena de horror, dopamina, endorfina e adrenalina vão direto para o sangue. A dopamina, principalmente, é responsável por deixar o corpo literalmente dopado por um longo período, mesmo depois de o cérebro perceber que a ameaça é falsa.


Se você gosta de se sentir apavorado e se sente em casa quando o clima é de mistério, cogite, em suas viagens, ir a lugares assombrados. Toda cidade tem uma lenda urbana que mexe com o imaginário dos moradores. Nesses locais, o barato é sentir o medo ao vivo, com a realidade diante dos olhos.

 

Casarões, hotéis com fama de macabros e teatros muito antigos — cada lugar tem uma história mais arrepiante do que a outra. Alguns se especializaram em fazer os visitantes saltarem de medo. Oferecem uma estrutura pensada para divertir, repleta de detalhes, cenário especial e até atores.

 

Arquivo Pessoal

Horror e adrenalina

É o caso da Hollywood Tower, também conhecida como Tower of Horror (torre do horror), na Disney. A atração fica dentro do parque Hollywood Studios e mistura o horror à adrenalina, porque inclui um passeio em um elevador que despenca várias vezes. As filas se organizam no jardim de um hotel antigo e abandonado. Quando os visitantes chegam ao lobby, são conduzidos a uma biblioteca, onde têm ideia do que os espera.

 

Um filme em preto e branco narra a história de uma família que morreu em um acidente no elevador, atingido por um raio. Desde então, os fantasmas vagam pelo hotel, que leva fama de assombrado. Os visitantes veem até uma projeção dos espíritos. Depois disso, entram no mesmo elevador, que sobe e desce bruscamente várias vezes.


A universitária Anna Beatriz de Oliveira, 22 anos, foi ao parque em dezembro passado e não ficou tão horrorizada. “É uma atração legal pela história, pelo clima de mistério. À noite é pior, dá um pouco de medo, principalmente no elevador. Mas acho que as pessoas ficam mais fascinadas”, avalia.

 

“Para quem gosta de brinquedo com queda, eu recomendo”. Ela destaca os detalhes. “É o lobby de um hotel, realmente. Lá dentro tem gente trabalhando uniformizado, como se fosse nos anos 1950. Tem teias de aranha, gárgulas e tudo parece abandonado”, descreve.

Os Estados Unidos têm outras atrações assombradas e até um dia específico do ano para celebrar o tema (o Halloween, em 31 de outubro), mas não são o único país a assustar quem vem de fora. Confira as atrações selecionadas pelo Turismo e continue a viagem.

 

Gareth Bogdanoff/Flickr

Cidade de Bodie (Estados Unidos)

A cidade foi inundada e abandonada com o fim do ciclo do ouro na Califórnia, por volta de 1800. Hoje, o clima por lá é congelante e a sensação de solidão é extrema. Há várias casas no local, mas é proibido entrar. Em algumas, os turistas podem espiar pelas janelas. Em 1962, Bodie se tornou Parque Histórico Nacional do Estado da Califórnia. No passado, repleta de ladrões, prostitutas e pistoleiros, a cidade hoje tem uma placa famosa logo na entrada — “É ilegal levar qualquer coisa de Bodie”. Segundo a lenda, quem sai de lá com uma lembrancinha leva, de brinde, uma onda de má sorte.

» Informações: www.parks.ca.gov/page?_id=509

 

NMPUC/Flickr

Castelo do Drácula (Romênia)

O Castelo de Bran (nome oficial) fica na região da Transilvânia, em uma estrada a 200 km de Bucareste. O monarca Vlad III esteve no castelo como prisioneiro no século XV e, por coincidência, tinha fama de sanguinário. Há quem diga que ele inspirou a criação do Conde Drácula, personagem do livro de Bram Stoker, publicado em 1897, mas o autor nunca entrou no castelo. Ele imaginou que seria um lugar tenebroso o suficiente para um vampiro viver. Na vida real, o interior não é tão assustador. Trata-se de um castelo medieval comum. Mas os funcionários afirmam ouvir ruídos e vozes pelo castelo, principalmente durante a noite.
» Informações: www.bran-castle.com

 

13th Haunted house/Flickr

Casa assombrada de Louisiana (Estados Unidos)

Localizada na cidade de Baton Rouge, a 13th Gate Haunted House é feita para quem quer passar medo. O cenário é montado para isso e há artistas trabalhando para que o horror seja sentido. A riqueza de detalhes e efeitos, da decoração à maquiagem, é de impressionar. Lá dentro, os visitantes podem ver um pântano infestado com centenas de cobras vivas, assistir a shows de vodu, andar por porões, passagens subterrâneas, entrar em uma caverna pré-histórica feita de gelo, em um forno crematório — a bordo de um carro fúnebre. Os cenários mudam a cada ano para que o susto seja sempre novo para os visitantes.

» Informações: www.midnightproduction.com

 

Wikimedia Commons/Divulgação

Ilha das Bonecas (México)

Nas margens de um dos canais de Xochimilco, na cidade do México, seria improvável que uma pequena ilha com um passado tão chocante se tornaria atração turística, mas é. Ao andar por lá, os visitantes se deparam com várias bonecas penduradas nas árvores — decepadas, sem alguns dos membros. O lugar ganhou fama depois que o corpo de uma garota foi encontrado em um lago, nos limites da ilha, boiando. O zelador que viu essa cena teria ficado perturbado pelo espírito da menina e criado um mausoléu de bonecas. Anos depois, ele próprio foi encontrado morto, flutuando no mesmo lago.
» Informações: www.isladelasmunecas.com 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.