Gigantescas torres levam turistas para conhecer o mundo visto de cima

Os monumentos erguidos há séculos são marcantes e atraem turistas que se encantam pela história e pela construção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/09/2017 10:00

As torres construídas há séculos são marcantes até hoje. Muitas apresentam a arquitetura robusta da época em que foram erguidas. Não competem com as modernas no quesito altura, mas dão uma aula de história arquitetônica. Muitas delas estão nos primeiros países que se solidificaram na antiguidade na Europa, Ásia e Oriente Médio. O Turismo separou algumas delas, conheça um pouco mais:


Torre de Hércules

Pau Gala/Flickr

O farol mais antigo em atividade no planeta está na cidade de Corunha, na região da Galiza. A primeira torre construída ajuda, há mais de 2 mil anos, marinheiros de todo o mundo a encontrarem um norte nos mares do Atlântico. A Torre de Hércules foi um dos primeiros símbolos do Império Romano, que teve todos os seus faróis derrubados, restando apenas esta.

 

Existem algumas lendas sobre a torre. A principal, e que a nomeia, é que foi ali que Hércules enterrou a cabeça do gigante Gerião, rei de Brigâncio, depois de ter vencido o combate. Outra lenda diz que Bregón, irlandês e líder do seu país, teria construído a torre.

 

A Torre de Hércules também foi usada como uma fortificação. Em 1788, a torre foi restaurada pelo engenheiro Eustaquio Giannini e só em 1791 teve seu aspecto modernizado, mas foi conservado o máximo do projeto original.

Torre de Belém

Francesco Milana/Flickr

Na margem direita do Rio Tejo na região de Belém, em Lisboa, a bela torre é o maior símbolo de Portugal. Já foi prisão, alfândega e farol. A sua imagem é sempre retratada em produtos de origem portuguesa em todo o mundo. No início ficava longe da costa em uma base de pedras, mas hoje já está nas margens da Praia de Belém. O monumento reflete um estilo manuelino, que é marcado pelas influências islâmicas e orientais. Construída em 1515, com o objetivo de proteger a entrada do porto de Lisboa, é considerada uma das Sete Maravilhas de Portugal e em 2007 foi tombada como Patrimônio da Humanidade. Na região onde foi construída, teria partido a esquadra de Pedro Álvares Cabral, que descobriu o Brasil.

 

O projeto foi feito por Francisco Arruda e Diogo de Boytac, que decoraram a parte externa com imagens referentes a temas marítimos ligados ao descobrimento. Além de ser o marco da expedição portuguesa à Ásia, África e América,visitar a Torre de Belém é mergulhar pela fascinante história de Portugal.

Torre dos Clérigos

Edgar Jiménes/Flickr

Na cidade do Porto está a torre mais alta de Portugal. Quem deseja chegar ao topo precisa se preparar para encarar os 225 degraus que ela possui. Mas saiba que a vista lá de cima vale todo o esforço. Integrada com a Igreja dos Clérigos e a Casa da Irmandade, a Torre dos Clérigos é considerada Monumento Nacional desde 1910. Sua construção começou em meados de 1732 e só terminou 31 anos mais tarde, em 1763.

 

O carrilhão com 49 sinos compõe o toque final à bela construção barroca. Ao longo dos anos, além de servir como torre sineira, teve outras utilidades, como marcar o tempo, porque disparava, diariamente, uma explosão de pólvora seca ao meio-dia. Também foi telégrafo comercial, norte para embarcações que se aproximavam pelo rio Douro e ponto estratégico para combates militares. Hoje é uma das maiores atrações do norte do país.

Qutb Minar

Nagarjun Kandukuru/Flickr

A maior torre da Índia está na capital Nova Délhi. Conhecida pelos religiosos e pelos indianos como minarete, a arquitetura única do Qutb Minar é o que chama a atenção desse monumento. Idealizada pelo primeiro governador muçulmano da cidade, começou a ser construída em 1193 e foi concluída em 1368. Foi declarada Patrimônio Mundial da Unesco em 1993 e é uma importante referência do estilo indo-islâmico.

 

Os números impressionam, são 73 metros de altura, 15 metros de diâmetro e um total de 379 degraus. O lugar onde está erguida é conhecido como “Complexo Qutub” por abrigar vários monumentos arquitetônicos de diferentes estilos. Outra importante construção desse complexo é a mesquita Quwwat ul-Islam, a primeira construída no país.

Campanário de Ivan “O Grande”

Dennis Jarvis/Flickr

Com uma altura de 81 metros, a edificação, construída entre 1505 e 1508, é a maior do complexo do Kremlin, em Moscou, na Rússia. A construção é imponente e chama atenção por seu branco gélido que contrasta com a cúpula dourada. Suas paredes têm de 2,5 a 5 metros de espessura.

 

O maior sino do mundo está no topo da torre. O sino Assunção, como é chamado, pesa aproximadamente 70 toneladas e fica lado a lado com mais 21 sinos.

Torre de Gálata

Sabatico2009/Flickr

Também conhecida como Torre de Cristo,  o monumento embeleza as ruas de Istambul, na Turquia. Feita de pedra, a torre complementa o visual da cidade e é um dos principais cartões- postais da capital turca. Construída em 1348, a parte cônica do topo sofreu algumas modificações ao longo dos anos em cada restauração que sofreu.


Em 1960 teve seu interior modificado, o que antes era madeira hoje é concreto. Outras novidades foram inseridas na Torre, que possui no topo um restaurante e um café de onde a vista de Istambul é completa e magnífica. Além disso, quem deseja realizar algum evento na cidade pode usar o espaço para festa que também existe no alto. Muitos eventos turcos tradicionais e religiosos são realizados na Torre de Gálata.

Minarete de Koutoubia

José María Incera/Flickr

Localizado em Marrakech, no Marrocos, a torre, que também é uma mesquita, é a mais importante da cidade. Construída em 1158, o minarete se destaca por lembrar a Giralda, na Catedral de Sevilha, e por sua composição arquitetônica. Sua cor rosada, feita numa pedra de arenita, conversa com todos os outros monumentos da cidade que é tipicamente dessa coloração. Como as outras mesquitas em Istambul, é proibida a entrada de pessoas que não são muçulmanas, mas, mesmo do lado de fora, é possível contemplar essa beleza.

 

* Estagiária sob orientação de Taís Braga.  

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.