AQUI PERTO

Época dourada: descubra os belos conjuntos arquitetônicos de Congonhas

Famosa por fazer parte do Ciclo de Ouro, a cidade desperta a curiosidade de visitantes, além de ser casa das obras de Aleijadinho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/10/2017 10:00 / atualizado em 25/10/2017 18:54

Wellerson Athaydes/EM/EM/D.A Press


O nome Congonhas vem do tipo de vegetação encontrada nos campos, uma planta que os índios chamavam Congõi, que, em tupi, significa “o que sustenta”, “o que alimenta”. Situada em um vale e rodeada de montanhas, a cidade alimenta a alma dos que desejam reviver uma época dourada. Pepitas de ouro do tamanho de batatas fizeram a fama do lugar, na era do Ciclo de Ouro.



Congonhas é também bastante procurada por suas festas religiosas, que reúnem mais fiéis a cada ano durante as romarias. Quem visita a cidade, além de se encantar com a beleza histórica, pode saciar o apetite com a deliciosa comida típica mineira. Essa cidade é considerada perfeita para o turismo e lazer, porque reúne arte, história, culinária e beleza num só lugar.

Foi nessa cidade que Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, esculpiu, em pedra sabão, as famosas imagens dos 12 profetas em tamanho real, visitadas anualmente por milhares de turistas de toda parte do mundo. Pela proximidade de Brasília, é um destino que dá para ir num fim de semana.

 

Leandro Couri/EM/D.A Press
 


As belas imagens ficam no adro do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. Seis capelas que compõem o Jardim dos Passos, em frente à basílica, representam a via Sacra, com belíssimas imagens esculpidas em cedro também por esse grande artista barroco. Em 1985, todo esse conjunto foi tombado pela Unesco e transformado em patrimônio cultural da humanidade.

 

Peregrinação e arte

 

Antes de ser a “Cidade dos Profetas”, Congonhas foi e ainda é um grande centro de peregrinação. Todo ano, o município reúne milhares de fiéis em busca de cura das suas aflições. São aproximadamente 5 milhões de peregrinos que visitam Congonhas entre 7 e 14 de setembro, período em que é comemorado no município o jubileu do Senhor Bom Jesus do Matosinhos.

 

O município tem como maior fonte de renda a extração mineral e a indústria metalúrgica, com destaque para a mina de Casa de Pedra — Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), a Mina da Fábrica, antiga Ferteco Mineração S/A — hoje incorporada à Vale — e  a Mina Viga, que atualmente pertence à Ferrous, e à Gerdau Açominas.

Os principais atrativos do município são a Basílica Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, Romaria, Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Igreja do Rosário, museu da Imagem e Memória e o Parque da Cachoeira. 

 

Leo Lara/Iphan
 


Construído para potencializar a percepção e a interpretação das múltiplas dimensões do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, sítio histórico que, desde 1985, detém o título de patrimônio mundial, o Museu de Congonhas abriga importantes acervos que tratam das manifestações da fé no passado e no presente, como a coleção Márcia de Moura Castro, formada por ex-votos e santos de devoção; a coleção de livros do Fábio França, que é referência no Brasil sobre o barroco, a arte e a fé; além das réplicas e cópias de segurança dos profetas de Aleijadinho.

A instituição também promove um programa intenso de exposições temporárias. Ano passado, por exemplo, a mostra Agridoce, do artista Haroon Gunn Salie – que estabelecia uma relação da tragédia de Bento Rodrigues, em Mariana, com a realidade mineradora de Congonhas, foi escolhida pela crítica especializada como uma das melhores apresentadas no Brasil.

O espaço, inaugurado em 2015, fruto da parceria entre a Prefeitura de Congonhas, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco no Brasil) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), tem, ainda, forte atuação cultural. Em sua programação constam apresentações artísticas, como espetáculos musicais, de dança, teatrais.

Também se tornou um espaço para a produção de conhecimento, com a realização de conferências, seminários, oficinas e cursos diversos. Estudantes da região de Congonhas e de instituições de todo o país têm visitado o espaço diariamente para desenvolver projetos de extensão da sala de aula. Também se qualificou como um roteiro imperdível para os turistas que visitam Minas Gerais.

Cachoeiras

Nem tanto cultural, nem tanto religioso. O roteiro de Congonhas oferece paradas incríveis para admirar e apreciar a natureza. O Parque Ecológico das Cachoeiras é um complexo de lazer e turismo composto por uma cachoeira natural e diversas piscinas para adultos e crianças. Está localizado a cinco quilômetros do centro da cidade, com infraestrutura completa!

A beleza natural da Cachoeira de Santo Antônio, que tem área represada para banho, é somada ao complexo de lazer que o parque tem. Antes mesmo de ter a infraestrutura do parque, a queda já era atração entre os moradores da região.

Ao redor da Cachoeira de Santo Antônio há uma área de preservação ecológica com mais de 70 mil metros quadrados. Na mata preservada é possível encontrar diversas espécies da fauna (maritacas, bem-te-vis, pintassilgos, lontras, pacas e o tatu-bandeira) e flora (cedro, jacarandá, quaresmeira e amescla).

Caminhando pelo parque, é possível também encontrar diversas nascentes de água potável. O acesso até a cachoeira se dá por meio de uma estrada não asfaltada, porém em boas condições. 

 

> Visite

Parque Ecológico das Cachoeiras


» Av. Tenente Horácio Coelho, s/nº, Bairro Campinho – Congonhas
» Telefone: (31) 3731-1911

Cidade dos profetas 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.