ARQUITETURA

Templos da beleza: conheça as principais catedrais do mundo moderno

Elas são imponentes, grandiosas, luxuosas e atraem milhares de visitantes seja pela magnitude, pela história, pela arquitetura ou pela beleza, as monumentos católicas são verdadeiras obras de arte

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/11/2017 10:00 / atualizado em 03/11/2017 15:52

Além da fé, arte. Essa é a magia que há por trás das mais belas catedrais em todo o mundo. Elas são imponentes, grandiosas, luxuosas e atraem milhares de turistas. Não é preciso ter entrado na Catedral de Notre Dame, em Paris (França), para saber que é uma das mais famosas da Europa. Além da beleza e da imponência arquitetônica, a Notre Dame é referência em filmes, livros e documentários, o que a torna um dos pontos turísticos mais visitados do Velho Mundo.

 

O estudante de biotecnologia, Tiago Furquim, 21 anos, esteve em Paris durante as férias e visitou a  catedral.“Lembrei da minha infância quando assistia ao filme O Corcunda de Notre Dame, com aquelas gárgulas e vitrais. Eu me senti bem pequeno com a grandiosidade arquitetônica. Quando subi na torre, vi o sino, e a vista de lá é sensacional. Uma das coisas que me chamaram a atenção foram os vitrais e também o órgão que fica no fundo”, disse ele.

A grandiosidade das construções, a riqueza dos detalhes, a ornamentação e as peças de arte sacra demonstram a riqueza da história de cada um dos templos construídos em diversos estilos. O que todos têm em comum é a imponência e a importância histórica e cultural. É importante lembrar que muitas delas foram construídas há séculos, e passaram por obras durante anos até que fossem concluídas.

É quase impossível passar por uma dessas construções e não admirar a beleza e suntuosidade. Quase sempre, são cartões-postais da região onde foram erguidas. O Turismo destacou algumas das principais catedrais do mundo. Conheça um pouco da história de cada uma, a começar por países como Estados Unidos, Turquia, China, fazendo um tour pelas diversas que existem na Europa e, por fim, visite os belos templos que existem em nosso país.
 

Vamos para Nova York/Reprodução

Catedral de São Patrício — Nova York

Entre os grandiosos prédios nova-iorquinos de arquitetura supermoderna, a Catedral de São Patrício se destaca com seu estilo neogótico e sua beleza excepcional. Localizada ao lado da Quinta Avenida, uma das mais famosas da cidade, e em frente ao Rockfeller Center, a maior igreja dos Estados Unidos é parada obrigatória para quem visita Nova York. A sua construção começou em 1858, e só em 1878 os fiéis e admiradores puderam contemplar e desfrutar da beleza da catedral.

SeltieBoy/Flickr

Catedral de Santa Helena — Montana

Na cidade de Helena, capital do estado norte-americano de Montana, está a catedral. O projeto no estilo gótico previa muitos vitrais para igreja. Neles várias histórias do Antigo Testamento são contadas, por isso demorou mais de dez anos para que a catedral ficasse pronta. As obras começaram em 1908, e depois de seis anos, em 1914, foi realizada a primeira missa no templo, ainda inacabado. Somente depois disso as obras foram retomadas e finalizadas em 1924, dez anos mais tarde. Infelizmente, em 1935 a catedral sofreu danos significativos com os terremotos que assolaram a cidade naquele ano e sua reconstrução foi terminada só em 1938. Depois de tantas lutas para que o templo fosse finalizado, em 1980 ele foi nomeado ao Registro Nacional de Lugares Históricos.

Andréa Caputo/Do Outro Lado do Mundo

» China
Catedral da Imaculada Conceição de Pequim


A primeira igreja católica da China foi construída em 1610 pelo italiano Matteo Ricci, um dos primeiros missionários jesuítas que estiveram no país. Somente cinquenta anos depois, a igreja foi reconhecida como catedral, ao receber Bernardin Della Chiesa, como primeiro bispo. Em 1775, dois terremotos e um incêndio acabaram com a obra original da catedral, que precisou ser fechada. Já no século XIX, em 1838 o então imperador chinês, Dao Guang, julgou a religião católica como sendo uma má influência para a população e fez com que todas as igrejas fossem fechadas. Somente em 1860 a catedral foi reaberta. Anos mais tarde, em 1900, uma grande rebelião no país colocou todas as igrejas abaixo. Pela quarta vez, a Imaculada Conceição precisou ser reformada e em 1904 foi reconstruída com sua atual forma.

Dennis Karvis/Flickr

» Turquia
Catedral de Santa Sofia — Istambul


A história da catedral é complexa e conturbada. O templo, grandioso, é o símbolo máximo da antiga Constantinopla, hoje Istambul. Construída, entre 532 e 537 pelo Império Bizantino, a edificação é considerada uma das mais antigas que existem. A catedral abrigou outras religiões, e a guerra também afetou seu funcionamento. Até 1453 ela foi unicamente um templo católico, exceto entre os anos 1204 e 1261, quando os cruzados dominaram a região. Em maio de 1453, o templo foi transformado em uma mesquita que funcionou por quase 500 anos, até 1931. A partir desta data, o templo foi secularizado e em 1935 foi reaberto como um museu. A arquitetura bizantina pode ser visitada e contemplada por turistas de todo o mundo, mas hoje não é mais um local religioso onde se possa praticar a fé. 

 

» Casas da fé

No catolicismo há uma escala entre os templos. Nem todos possuem as mesmas características e nem podem abrigar os mesmos membros eclesiásticos. Deve-se respeitar a hierarquia católica. Ela está dividida da seguinte forma:

Igreja
Templo em que o padre exerce influência sobre sua paróquia em um bairro administrativo.

Catedral

É o principal templo de um conjunto de paróquias (Diocese). O dirigente maior é o Bispo. Nela os bispos de uma determinada Diocese são sepultados e é necessário que isso ocorra para que o templo seja considerado catedral.

Basílica

Santuário pomposo e grandioso com toda a infraestrutura para receber o papa. Influencia grandemente a região ou país em que se encontra. Para que uma catedral vire basílica, é preciso ter a aprovação do papa. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.