CANADÁ

Muito além das cataratas, aprecie os vinhos de Niágara no Canadá

Na região de Niágara, a diversão chega em estado líquido. As famosas quedas d'água são o retrato da força da natureza, enquanto os vinhos aquecem o coração e o paladar do visitante

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/11/2017 15:25 / atualizado em 15/11/2017 15:25

Guilherme Goulart/CB/D.A Press
 

A 1h30 de ônibus de Toronto, fica outra grande atração da província de Ontário, no Canadá: Niágara. O destaque fica por conta das famosas cataratas, que atraem cerca de 20 milhões de turistas por ano, mas também há dezenas de vinícolas que tornam toda a região especial. Do lado canadense, vê-se os Estados Unidos, representado por Buffalo, no estado de Nova York. Portanto, o conjunto de três cachoeiras dividem não só os lagos Erie e Ontário como formam, geograficamente, uma fronteira internacional.



É dali que o visitante fica minúsculo diante das quedas d’água. Cenário de filmes como Niagara e Super-Homem 2 e relevante fonte de energia hidrelétrica, as cataratas oferecem inúmeras formas de explorar a região, além dos mirantes. Certeza é de que, com raras exceções, a maioria dos passeios são molhados, o que garante a alegria de crianças e adultos nos meses mais quentes. O importante é aumentar os cuidados, pois toda a área é considerada zona de risco e exige responsabilidade por parte dos turistas.

 

Guilherme Goulart/CB/D.A Press
 

 

Durante o verão, o melhor jeito de conhecer as quedas d’água é de barco. Em épocas mais geladas, como em outono, a quantidade de passeios em embarcações diminui. Por isso, há alternativas. É possível, por exemplo, descobrir as cataratas por dentro, a partir de túneis construídos embaixo delas. Quem encara o passeio recebe uma capa de chuva amarela para não se molhar tanto. Mas serve de alerta: o banho é praticamente inevitável.

 

Para quem gosta de aventura e de um friozinho na barriga, não há opção mais emocionante do que um sobrevoo de helicóptero. O preço é salgado, mais de 100 dólares canadenses (R$ 258), mas a viagem de 10 minutos dá a dimensão do falha geológica. Pelo ar, enxerga-se com exatidão a beleza das cachoeiras e a intervenção humana em todo o complexo de produção de energia. O passeio tem narração em português, mas não se ouve uma palavra diante da maravilha do local. A viagem, em dias de pouco vento, é bem tranquila e sem sobressaltos.

 

Bebida dos deuses

Guilherme Goulart/CB/D.A Press

 

Engana-se quem pensa que a importância da região de Niágara se limita às cataratas. Mais de 80 vinícolas — algumas produtoras do badaladíssimo icewine — dão um brilho especial a Niagara-on-the-lake, cidade de 17 mil habitantes colada às quedas d’água. O microclima, proporcionado pelo Lago Ontário, faz com que a localidade tenha uma temperatura de até dois graus mais elevado do que em Toronto. Tais peculiaridades fazem com que muita gente se mude para lá depois da aposentadoria, além de ser um belo passeio.

Uma das vinícolas que se destacam na região é a Peller Estates, fundada em 1927 em outra região do Canadá — instalou-se em Ontário em 1969. Vale dedicar algumas horas em um tour completo. O passeio guiado oferece detalhes históricos e da linha de produção e prevê visitas às parreiras e aos barris de vinho. Ao longo do caminho, degusta-se alguns rótulos da casa, mas a surpresa mesmo aparece no fim: um bar de gelo construído especialmente para apreciar icewine a -10ºC. Mas não se preocupe com o frio: emprestam-se casacos grossos para aguentar o ambiente congelante e tomar bastante vinho do gelo.

 

Guilherme Goulart/CB/D.A Press
 

 

Saindo dali, é hora do almoço. E o restaurante da própria vinícola é uma ótima pedida. Em dias não tão frios, é possível comer no pátio voltado para os vinhedos. A partir do outono, o atendimento é realizado no salão de jantar. Pode-se — ou deve-se — escolher a sequência de pratos, com direito a uma taça de vinho para cada um deles. A sopa como entrada; o pato de prato principal; e o bolo de chocolate de sobremesa são apostas imperdíveis, encerradas, brilhantemente, com um brinde de icewine

 

O paraíso dos vinis

Guilherme Goulart/CB/D.A Press
 

 

Os apaixonados por LPs encontram em Toronto diversas lojas especializadas. Há pelo menos 12, todas capazes de tirar o fôlego. É só dedicar algumas horas para encontrar preciosidades e raridades dos mais diferentes estilos musicais. A Rotate This, na Ossington Avenue, tem uma infinidade de discos novos e usados, muitos deles de rock. O mesmo ocorre na Cosmos Records, na Queen Street. O difícil é segurar o ímpeto e parar de comprar, apesar dos preços bastante acessíveis. Detalhes das lojas e endereços podem ser encontrados em: www.blogto. com/toronto/the_best_ vinyl_record_stores_in_toronto.

 

Vinho de gelo

Guilherme Goulart/CB/D.A Press
 

 

A produção desse tipo de vinho de sobremesa atende uma série de exigências. As uvas devem ser colhidas a temperaturas inferiores a -6ºC. A quantidade de néctar extraído desse processo é tão pequena que é preciso uma videira para encher uma garrafa. O icewine do Canadá é considerado o melhor do mundo.

Serviço

Programe-se

Informações sobre a Peller Estates, além de detalhes de reserva e do cardápio do restaurante da vinícola, podem ser consultados em www.peller.com.

 

Confira um vídeo de sobrevoo das Cataratas do Niágara, além do bar de gelo da vinícola Peller Estates.

 

 

O jornalista viajou a convite da Toronto Visitors & Convention Association

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.