Turismo

De tirar o fôlego: descubra os encantos dos belos lagos ao redor do mundo

Com cores apaixonantes e cercados por florestas que descortinam paisagens belíssimas, conheça seis lagos de água doce ou salgada que encantam multidões

Ana Carolina Alves*

Os Lagos de Plitvice, na Croácia, são famosos pelas suas cores vivas
 

Voltar das férias com novas perspectivas e mais conhecimento na ponta da língua é uma delícia. Conhecer a cultura do lugar, visitar museus, cidades históricas e pontos turísticos são fatores que agregam valores para a vida de uma pessoa. Mas não vamos negar: conhecer paisagens paradisíacas e tirar fotos incríveis são, muitas vezes, os pontos mais esperados da viagem. A beleza de um lugar é um fator determinante para a escolha das próximas férias, e a natureza do nosso planeta encanta pela sua diversidade. Pensando nisso, que tal fazer uma viagem em busca de belezas naturais?


E ao falar de beleza, é impossível não pensar nos belos lagos de água doce e salgada pelo mundo. Sejam por suas cores, cenários ou formação das águas, são uma das maravilhas que vale a pena conhecer e explorar durante a viagem. De diferentes tipos e tamanhos, com águas cristalinas, calmas e com fauna e flora incríveis, eles são atrações garantidas e valem a pena cada visita. Porém, é preciso ter cuidado: as cores vivas e convidativas nem sempre são um sinal positivo para um mergulho. Muitas vezes, a coloração diferente é resultado do acúmulo de organismos que produzem substâncias tóxicas. Por isso, algumas maravilhas valem apenas uma selfie.

Com tantos lagos espetaculares pelo mundo, alguns detalhes se destacam. Pensando nisso, o Turismo selecionou seis lagos incríveis e surpreendentes para você conhecer na próxima viagem.

 

Lagoa Azul 


A Lagoa Azul é um spa geotermal situado nos campos de lava na zona oeste da Islândia, a 45 minutos de carro de capital do país, Reykjavik, e perto do aeroporto. A lagoa é totalmente criada pelo homem e nasceu de uma ideia sustentável: originalmente a usina elétrica Svartsengi usava a atividade geotermal para gerar energia elétrica. Para isso a água era superaquecida e era reservada ao lado, em uma “piscina” produzida artificialmente. Com o tempo algumas pessoas começaram a se banhar ali, já que a água era rica em minerais. Hoje há um complexo enorme de chegada, com bares, cafés e um restaurante no local fazendo o suporte ao atendimento. Os 6 milhões de litros de água são ricos em sílica e em outros compostos minerais, que alguns acreditam possuírem efeitos medicinais e anti-idade. Além disso, a água é trocada a cada 48 horas e e mantida a uma temperatura entre 37°C e 39°C.

 

Lagos de Plitvice



A apenas 140 km da capital da Croácia, Zagreb, está o sensacional Parque Nacional dos Lagos de Plitvice, Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Fundado em 1949 e com 300km² de área, o parque conta com 16 lagos nos mais diferentes tons de azul e verde, conectados por cachoeiras de todos os tamanhos, divididos em dois grupos: 12 lagos superiores e 4 lagos inferiores. Os passeios são feitos pelas passarelas que cruzam os lagos, nos caminhos de terra que ficam nas margens e uma parte em barco.

Lago Hillier

 

O famoso lago cor-de-rosa fica na Middle Island, uma ilha do arquipélago de Recherche no oeste australiano, e possui aproximadamente 600 metros de largura. Cercado por uma linda e exuberante vegetação, o local intriga pesquisadores: a coloração rosa das águas ainda não foi explicada definitivamente. A hipótese mais famosa é a de que ele seja rico em algumas algas e bactérias que produzem pigmentos carotenoides, deixando, assim, o local incrivelmente belo. Não é permitido entrar no lago, então aproveite a visita para tirar fotos incríveis.

Laguna Verde

 

Esse espetáculo da natureza muda de cor, do azul-turquesa ao verde-esmeralda, dependendo da hora do dia. Localizado na Reserva Nacional Eduardo Abaroa, no altiplano de San Luis, na fronteira da Bolívia com o Chile, o lago de água salgada se encontra em um lugar deserto, onde chove raramente a 4300 metros de altitude. Sua coloração se deve ao elevado conteúdo mineral de magnésio na água, o que atrai grandes colônias de flamingos. É também um grande destino turístico, pois faz parte do deserto do Atacama e fica aos pés do Vulcão Licancabur.


Gruta do Lago Azul


Famoso ponto turístico da cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul, a Gruta do Lago Azul é um dos lugares mais bonitos do Brasil. O local  foi descoberto por um índio Terena em 1924, e desde então sua beleza encanta turistas e suas formações geológicas intriga pesquisadores — não só o teto como o piso da gruta são repletos de espeleotemas de várias formas e tamanhos. Não é possível entrar no lago, o passeio é rapido e objetivo —  basicamente é para tirar fotos e conhecer o local. Por isso, caso se interesse em visitar o local, aproveite o resto do dia para conhecer outros pontos turísticos de Bonito.

Lago Louise


Localizado no Parque Nacional de Banff, em Alberta, no Canadá, o Lago Louise é um famoso destino turístico do país. O local é rodeado por uma cadeia de montanhas glaciais que dão um contraste incrível em suas águas de coloração esmeralda. A superfície tem aproximadamente 2,5 km de extensão, unidos em 90 metros de profundidade, o que transforma a atração em um ótimo local para canoagem na temporada quente, e em uma pista de patinação durante os meses mais frios. O Parque Nacional de Banff é o mais antigo do Canadá e possui diversos estabelecimentos que oferecem locação de equipamentos, como bicicletas, esquis, caiaques ou artigos de pesca. É possível fazer trilhas, caminhadas, relaxar, admirar a vista ou simplesmente finalizar o dia com drinques em um restaurante na montanha.


Para saber mais

> Artificiais ou naturais?
Nos lagos naturais a própria natureza é a responsável pela criação do ambiente e pela evolução da comunidade, que depende de fatores bióticos e abióticos. Além disso, as interações das espécies é determinada pela natureza ao longo de milênios de transformações. Já os lagos artificiais são aqueles que sofreram influência humana. Normalmente são concebidos para armazenar água numa região seca, para dar mais vida a um ambiente ou até mesmo para influenciar no turismo da cidade. É, em outras palavras, uma tentativa do homem imitar o ecossistema natural.

 

*Estagiária sob supervisão de Táis Braga