Publicidade

Estado de Minas

Santa terra, descubra as belezas de Israel

Conhecer e caminhar pelas ruas por onde passou Jesus Cristo é o sonho de muita gente, independentemente de crença. No ano passado, cresceu em 70% o número de viagens de brasileiros a Israel. Os cristãos são a maioria


postado em 10/02/2018 10:00 / atualizado em 07/02/2018 18:30

Danilo Araújo sonhava em conhecer o local desde os 13 anos de idade:
Danilo Araújo sonhava em conhecer o local desde os 13 anos de idade: "principio de tudo" (foto: Danilo Araújo/Arquivo pessoal)

Principal destino para o turismo religioso mundial, Israel concentra a história de três das maiores religiões monoteístas conhecidas no mundo moderno: o cristianismo, o judaísmo e o islamismo. Por conter tanta informação histórica e cultural, o país atrai turistas vindos de todos os continentes. Estar presente onde Jesus nasceu, cresceu e morreu é um sonho cultivado no imaginário de muitos. O estudante Danilo Araújo, 22, sonhava em conhecer o país desde os 13 anos de idade. “Sempre quis conhecer Israel desde que eu me entendo por gente. Por ser cristão, via o local como o pico da minha fé e como o princípio de tudo. Sempre nutri um grande carinho pelo povo hebreu e judeu, então queria muito ver tudo de perto”, conta. Esse também era o sonho do paulista Cleidson Ferreira Costa, que classifica a viagem como uma experiência única, “é inexplicável pisar num lugar sabendo que Jesus andou ali, fui embora mas com desejo de retornar”.

Somente no ano de 2017, mais de 30 mil brasileiros visitaram Israel, o que representa um crescimento de 70% em relação ao ano anterior. Os dados são do Israel Ministery of Turism, que atribui o índice ao conhecimento cultural atrelado ao país, além de um investimento pesado no mercado brasileiro, tanto em campanhas de marketing quanto em parcerias com agências e operadoras de viagem.  Dos turistas que vão para Israel, 54% são cristãos; 21%, judeus e os demais se declaram de outras religiões ou não religiosos. Dentre os cristãos, 39% são católicos, 33% protestantes e 22% ortodoxos-russos. Entre os protestantes se destacam os evangélicos, que representam 75% dos visitantes.

É impossível falar de Israel e não falar de religião. Apesar de haver divisões e conflitos exatamente por esse motivo, a trindade religiosa concorda apenas em um ponto: a sacralidade de Jerusalém. O país, no entanto, é rico em atrações culturais, arquitetura e gastronomia, que fazem a viagem valer a pena.

(foto: Go Israel/Reprodução)
(foto: Go Israel/Reprodução)

Jerusalém

Chamada de terra santa e a maior cidade israelense, Jerusalém possui cerca de 1.024 sinagogas, 158 igrejas e 53 mesquitas. Além de abrigar a Cidade Velha, um dos maiores tesouros do país. Historicamente dividida em bairros residenciais (armênios, judeus, cristãos e muçulmanos) a Cidade Velha é o lar dos monumentos mais sagrados para as três religiões predominantes em Israel.

(foto: ValdineiArcanjo/Flickr)
(foto: ValdineiArcanjo/Flickr)

Muro das Lamentações

Sagrado principalmente para os judeus, o muro das lamentações é o que restou da construção que um dia foi o Templo Sagrado de Salomão, que, segundo sua crença, era onde se encontrava o Santo dos Santos. Para eles, essa é a localização de onde Abraão teria saído para sacrificar seu filho Isaac.

(foto: Gaudiumpress Images/Flickr)
(foto: Gaudiumpress Images/Flickr)

Basílica do Santo Sepulcro

Sagrada para todas as vertentes do cristianismo, acredita-se que lá seja o local onde Jesus foi crucificado, o chamado calvário. Sua tumba está localizada dentro de um sepulcro, onde de acordo com a tradição cristã, foi sepultado e onde houve a ressurreição, após três dias.

(foto: gsegelken/Flickr)
(foto: gsegelken/Flickr)

Mesquita de Alqsa

É o terceiro local sagrado para o Islã. Os muçulmanos acreditam que o profeta Maomé viajou de lá para Meca. Está próxima à Cúpula da Rocha, que mantém uma pedra de fundação. Os fiéis acreditam ter sido o ponto onde o profeta subiu aos céus. Sugestões de passeios: Sinagoga Hurva, Museu de Israel, Monte das Oliveiras, Túneis do Muro das Lamentações, Museu Yad Vashem   — Memorial do Holocausto

 

O outro lado de Israel

 

Se você faz parte da população brasileira que não se sente atraída pelo turismo religioso, não desista de Israel. O país tem várias facetas gastronômicas e culturais, além de paisagens naturais e arquitetônicas que conquistam públicos diversos.

(foto: Go Israel/Reprodução)
(foto: Go Israel/Reprodução)

Haifa

Conhecida pela cúpula dourada do Santuário de Báb, Haifa é o principal porto e terceira maior cidade israelense. Com 100 anos de idade, ela é o lar de museus, hotéis, lojas, bares e jardins suspensos.

Sugestão de passeios: Santuário do Báb, “Hanging gardens” (Jardins Suspensos), Baha’I.

Panorama da baía de Haifa, Upper — parte de cima do Monte Carmelo,Templer Colony, Museu de Imigração Ilegal Af-Al-Pi-Chen, Museu ferroviário de Israel, Museu de Arte Japonesa, Technio, Wadi Nisnas

(foto: Go Israel/Reprodução)
(foto: Go Israel/Reprodução)

Eliat

Porto de saída de Israel para a índia, Eliat é cercada pelo mar vermelho e vários resorts de luxo.  Lá os turistas podem visitar o Observatório Submarino, onde vão nadar com golfinhos e ver um dos mais belos corais do mundo.

(foto: Go Israel/Reprodução)
(foto: Go Israel/Reprodução)

Tel Aviv

Conhecida como a Cidade Branca, Tel Aviv é um centro de entretenimento e artes. Possui arquitetura marcante, pubs, cafés,14 quilômetros de praia, vida noturna agitada e está prestes a ser uma das maiores cidades do mundo com wi-fi em todos os lugares.

Sugestão de passeios: Bauhaus “Cidade Branca”, Mercado Carmel, Mercado Jaffa Kasbah e Flea, Porto de Jaffa , Feira de Artesanato de Rua Nachlat Binyamin, Bairro Neve Tzedek,, Rothschild Boulevard, Bairro Tachana, Calçadão à beira-mar Tayele, Museu de Arte de Tel Aviv, Porto de Tel Aviv

(foto: Go Israel/Reprodução)
(foto: Go Israel/Reprodução)

Mar Morto

Um dos fenômenos naturais mais incríveis do planeta, o mar morto permite que os banhistas flutuem na superfície da água. Uma fenda na crosta terrestre faz com que as águas do rio Jordão fluam para o sul em um lago no ponto mais baixo do nosso planeta. Sem saída, os raios do sol ardente evaporam a água do Jordão até um ponto em que o seu conteúdo mineral é altamente concentrado. É essa densidade de minerais e sal que torna impossível afundar no mar.

(foto: Go Israel/Reprodução)
(foto: Go Israel/Reprodução)

Galileia

Além de toda sua história ligada ao cristianismo, a Galileia hoje é uma das áreas mais férteis do mundo. Rodeada de aldeias e pousadas campestres, a cidade é o lar de mais de 300 vinhedos e muitos vinhos premiados.

(foto: Go Israel/Reprodução)
(foto: Go Israel/Reprodução)

Negev

O deserto de Negev cobre 62% de Israel. Caracterizado pelo seu tom avermelhado e formas rochosas, Negev possui sítios arqueológicos e a possibilidade de conhecer tribos de beduínos. Entre as atividades existentes estão passeios com camelos, ciclismo e sandboard (surfe na areia).

* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade