SIGA O
Correio Braziliense

Câmara se prepara para não igualar o caso de Raad Massouh ao de Donadon

Pelo menos 10 dos 24 distritais vão declarar sua posição em plenário mesmo se a Justiça decidir por sessão fechada no caso Raad

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/08/2013 06:05 / atualizado em 30/08/2013 15:52

Almiro Marcos

Breno Fortes/CB/D.A Press

 

Na esteira do desgaste sofrido pela Câmara dos Deputados, que, em votação secreta na quarta-feira, manteve o mandato do deputado federal Natan Donadon (sem partido — RO), a Câmara Legislativa se prepara para não passar por situação semelhante na análise do caso do distrital Raad Massouh (PPL), cuja cassação por quebra de decoro está prestes a ir a plenário. Pelo menos 10 dos 24 distritais pretendem fazer declaração pública de voto caso o parlamentar consiga na Justiça que a sessão de análise do seu processo seja fechada.

Leia mais notícias em Cidades

Hoje, o Regimento Interno da Câmara Legislativa e a Lei Orgânica (confira O que diz a lei) preveem que a votação seja aberta. O último passo que falta para o futuro de Raad chegar ao plenário é o aval da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que vai votar na próxima terça-feira o parecer de Cláudio Abrantes (PT), favorável à cassação.

O deputado do PPL é acusado de participar de um suposto esquema de desvio de recursos de emenda de R$ 100 mil, liberada por ele em 2010, para um evento em Sobradinho. O caso foi investigado pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do DF e dos Territórios, que viram indícios de crimes. O processo na Câmara começou a tramitar no fim de 2012 e já passou, com indicativo de cassação, pela Corregedoria e pela Comissão de Defesa de Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.



Participe da discussão sobre o voto aberto na Câmara dos Deputados pelo twitter com a hashtag #fimdovotosecreto