SIGA O
Correio Braziliense

Manobra no Senado restringe voto aberto aos processos de cassação

Após reunião com líderes partidários, Renan Calheiros decide fatiar a PEC aprovada na Câmara, e apenas a parte que acaba com o sigilo na votação de processos de cassação de mandato será analisada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/09/2013 06:04 / atualizado em 05/09/2013 08:41

Juliana Braga , Adriana Caitano , Paulo de Tarso Lyra /Correio Braziliense , Amanda Almeida

Celebrada como um avanço democrático na noite de terça-feira por deputados de todas as legendas — a aprovação da emenda constitucional foi unânime em plenário —, a derrubada do voto secreto nas votações do Congresso ficará restrita apenas aos processos de cassação e não a todos os escrutínios que ocorrerem no parlamento. Todas as legendas, tanto as que integram a base aliada quanto as que fazem oposição ao Palácio do Planalto, têm dificuldades em aprovar a medida mais ampla. Por isso, os eleitores continuarão sem saber como votam os parlamentares escolhidos por eles a cada quatro anos.

Com isso, com o apoio de todos os líderes partidários reunidos ontem com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ficou decidido que a proposta de emenda à Constituição (PEC) aprovada pela Câmara será fatiada e promulgada apenas o que for consenso em todas as proposições que tratam do assunto: o voto aberto nos casos de perda de mandato. “A outra parte da proposta será enterrada no limbo legislativo”, adiantou um aliado de Renan.

Os interesses que levaram a essa solução permeiam todas as legendas e variam de partido a partido. O PMDB, dividido entre Câmara e Senado, sucumbiu em uma guerra de vaidades protagonizada pelos presidentes das duas Casas — Henrique Eduardo Alves (RN) e Renan Calheiros (AL), somado ao líder do partido na Câmara, Eduardo Cunha (RJ) — e transformou a tramitação das propostas em uma batalha por uma agenda positiva.

Confira entrevista com o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF)


A matéria completa está disponível aqui para assinantes. Para assinar, clique aqui.