Publicidade

Correio Braziliense

Tremor provoca trinca em parede de hospital paulistano

 


postado em 23/04/2008 14:12 / atualizado em 23/04/2008 14:13

Uma pequena rachadura de um centímetro por 40 mm de largura em uma parede do prédio onde funciona o Hospital Estadual Vila Alpina foi o único registro oficial de dano atribuído ao tremor de 5,2 graus na Escala Richter, na cidade de São Paulo, ocorrido ontem (22), pouco depois das 21h. O problema, constatado em uma sala do Pronto Socorro, não afetou o atendimento. As regiões do litoral paulista e de São José dos Campos, no Vale do Paraíba, foram as que mais sentiram o abalo, segundo nota divulgada pela Defesa Civil do Estado, com base em avaliações técnicas do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB) e do Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo (USP). Não houve, entretanto, registro de vítimas. De acordo com a nota, o especialista em sismologia da USP José Roberto Barbosa classificou o tremor de “mediano”. Barbosa disse que o Brasil não tem histórico de grandes terremotos, mas ressaltou que são comuns eventuais sismos. Ainda conforme a nota, apesar de o fenômeno ter ocorrido a cerca de 200 quilômetros da costa litorânea, “não houve alteração significativa com as plataformas [petrolíferas] pelo que foi relatado ao órgão até o final da manhã". A percepção da população paulistana não foi geral. Alguns moradores de prédios na região central ou de bairros próximos, principalmente nos andares mais altos, contaram que sofreram uma leve tontura durante segundos. A maioria deles contou que viu móveis e objetos balançarem. Outros, apesar de estarem no mesmo ambiente, mas em cômodos diferentes, afirmaram que nem perceberam o que ocorria. Segundo o geólogo Cristiano Chimpliganond, do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), o epicentro do tremor foi o fundo do Oceano Atlântico, a cerca de 270 quilômetros da cidade de São Paulo e a 218 quilômetros de São Vicente, no litoral paulista.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade