Publicidade

Correio Braziliense

Entrevista - Mário Luiz Sarrubbo

Promotor reconhece atraso nas investigações e admite que tem medo de pousar em Congonhas


postado em 17/07/2008 10:15 / atualizado em 17/07/2008 10:24

O promotor Mário Luiz Sarrubbo, que acompanha as investigações das causas do acidente com o Airbus A-320 da TAM, assume ter medo de pousar no Aeroporto de Congonhas devido à pista curta. “Os pilotos não podem cometer erros, caso contrário, o avião é arremetido para casas, prédios e postos de gasolina”, afirma. Ele revela que o inquérito está atrasado porque falta concluir a perícia do acidente e ouvir o depoimento de executivos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O promotor diz ainda que as investigações podem ser encerradas sem afirmar com 100% de certeza a causa do acidente.

Sarrubbo defende que o Aeroporto de Congonhas volte a operar somente com aeronaves de pequeno porte, apesar da comodidade de se embarcar num Airbus no centro de São Paulo. O promotor ouviu de vários pilotos relatos da tensão que enfrentam quando têm de pousar no aeroporto que serviu de palco para a tragédia que matou 199 pessoas há um ano. “Alguns deles apelidam Congonhas de porta-aviões”, assinala.

 

Busca da Verdade

 

O acidente completa um ano e a previsão mais otimista para a conclusão do inquérito é setembro. Por que a demora?
Realmente está demorando. Ainda falta o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) entregar o relatório final apontando as causas do acidente. Também faltam o laudo do Instituto de Criminalística e os depoimentos do então presidente da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) Milton Zuanazzi e da ex-diretora Denise Abreu.


O senhor disse que falta o depoimento de Denise Abreu. Mas ela já depôs em Brasília há mais de um mês.
Ela já prestou depoimento, mas o seu depoimento ainda não foi anexado ao inquérito. Eu já fiz esse pedido, mas a carta precatória ainda não chegou. O Milton Zuanazzi não compareceu aqui em São Paulo, mas vamos tentar ouvi-lo em Porto Alegre, onde ele mora.

Ele é obrigado a depor?

Claro que é. Ele não pode se recusar a esclarecer as causas do acidente.

Que tipo de informações os dois podem acrescentar ao inquérito?
Os dois eram representantes da Anac e tinham conhecimento de vários fatores que podem eventualmente ter contribuído para o acidente. As condições do Aeroporto de Congonhas, por exemplo, eram de responsabilidade do órgão regulador. A Anac fez uma reunião com várias empresas aéreas para debater várias medidas de segurança. Queremos saber que medidas são essas e se elas foram implementadas.

O senhor fala em indiciar de sete a 10 pessoas. Quem seriam?

Não posso falar em nomes antes de concluir as investigações. Posso dizer que são pessoas da Anac, da Infraero, da companhia aérea, entre outras.

Zuanazzi e Denise Abreu podem ser indiciados?
Não citarei nomes. Posso dizer que qualquer pessoa envolvida na tragédia poderá ser indiciada e ser processada por homicídio culposo. Mas prefiro esperar.

Existe alguma possibilidade de o inquérito ser concluído sem apontar exatamente a causa do acidente?

Existe, sim, a possibilidade de não se afirmar com 100% de certeza a causa do acidente. Sabemos até agora que a causa técnica, segundo o Cenipa, é uma combinação que envolve falha mecânica, humana e problemas na pista. Mas só depois de todas as conclusões formularemos uma acusação e uma ação penal sobre os fatos.

O senhor não teme que a culpa do acidente recaia nas costas dos pilotos, que estão mortos?
Não existe essa possibilidade. Eles podem até vir a ter uma parcela de culpa, já que há indícios de falhas humanas. Mas pode ter havido problemas mecânicos e, com certeza, havia problemas de aderência no asfalto da pista.

O Aeroporto de Congonhas serviu de palco para essa tragédia e é considerado o mais perigoso do país. No entanto, as aeronaves de grande porte continuam pousando lá. O que o senhor acha dessa situação?
Logo depois do acidente, a pista foi fechada para as grandes aeronaves. Mas uma medida judicial permitiu que elas voltassem a pousar em Congonhas. O Ministério Público Federal move uma ação na Justiça para que só sejam permitidos pousos de aviões menores. Mas a própria Anac recorreu da decisão e conseguiu uma liminar autorizando os pousos dos aviões maiores.

O governo fez algumas obras em Congonhas, mas o aeroporto continua operando sob risco. O senhor tem medo de pousar nesse aeroporto?
Tenho sim. O aeroporto está com a pista perfeita, tem aderência perfeita, mas ela é tão curta que não permite erros. Técnicos que me auxiliam no inquérito assinaram um parecer dizendo que Congonhas não deveria operar com Airbus. Apenas com aeronaves menores. Qualquer erro que se cometa na pista leva a aeronave para a cidade, para casas, prédios e postos de gasolina.

Nos depoimentos, o que os pilotos disseram para o senhor sobre Congonhas?
Eles relatam que as operações nesse aeroporto são tensas e requerem cuidados especiais. Alguns deles apelidaram Congonhas de porta-aviões, de tão curtas que são as pistas.

Quem são os técnicos que auxiliam o senhor nas
investigações?

São pessoas gabaritadas que não posso falar o nome.

Alguma delas é do governo?
Não posso dizer.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade