Publicidade

Correio Braziliense

Mestre Salustiano é enterrado em Pernambuco

 


postado em 01/09/2008 19:30 / atualizado em 01/09/2008 19:31

Um dos grandes nomes do maracatu, o pernambucano Manoel Salustiano Soares, mais conhecido como Mestre Salu, foi enterrado nesta segunda (1/09), em Paulista (PE). Ele morreu no domingo (31/08), aos 62 anos, de arritmia cardíaca, em decorrência do Mal de Chagas. Há 20 anos, o mestre enfrentava a doença, que provoca o aumento do coração. Mestre Salu nasceu em Aliança, a 90 quilômetros de Recife, e, desde jovem, lutou pela preservação de manifestações culturais da Zona da Mata, como ciranda, coco, maracatu e caboclinho. Com seu estilo, o músico influenciou uma série de artistas pernambucanos como Siba, Chico Science e Antônio Nóbrega. Fundador do grupo Maracatu Piaba de Ouro, Mestre Salu é considerado um ícone da cultura popular brasileira. Intuitivo e talentoso, ele envolveu platéias e fez milhares de pessoas dançarem sob os mais diversos gêneros musicais. Em 1997, ele participou, com o seu grupo, do Festival de Cultura Caribeña, em Cuba. O músico gravou quatro álbuns: Sonho da Rabeca, As Três Gerações, Cavalo-Marinho, e Mestre Salu e a Sua Rabeca Encantada. O artista também foi assessor de Ariano Suassuna na Secretaria de Cultura de Pernambuco. Em 2007, ele foi homenageado pelo seus 54 anos de carreira ao receber o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade