Publicidade

Correio Braziliense

"Eu colocaria meu filho no lugar da Nayara", afirma comandante

 


postado em 19/10/2008 03:03 / atualizado em 19/10/2008 03:06

O Comandante do Batalhão de Choque, Coronel Eduardo Felix de Oliveira, responsável pelo Gate, defendeu a ação e o trabalho de negociação do Batalhão durante o seqüestro das jovens Eloá Cristina Pimentel da Silva, de 15 anos, e Nayara Rodrigues da Silva, 15 anos. O comandante afirmou que o resultado final do seqüestro foi provocado pelo ex-namorado de Eloá Lindembergue Alves, 22 anos. "O Gate é um dos grupos mais bem preparados, não só do Brasil. A invasão só seria em último caso. Nós fizemos de tudo para preservar a vidas das três pessoas que estavam no apartamento. Quem provocou esse desfecho de invasão foi o responsável pela crise", afirmou o coronel. As garotas foram feitas reféns num apartamento da CDHU em Santo André, no ABC paulista, das 13h30 de segunda-feira até as 18h de sexta-feira.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade