Publicidade

Correio Braziliense

Psicóloga da Unifesp é executada em São Paulo

 


postado em 07/11/2008 09:44 / atualizado em 07/11/2008 09:44

A psicóloga e professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Renata Novaes Pinto, de 44 anos, foi executada com três tiros na cabeça na manhã de quinta-feira (06/11), na Vila Madalena, zona oeste da capital paulista. A polícia diz acreditar que o crime tenha sido encomendado. Nada foi levado. Em depoimento, o marido o advogado Sergio Henrique Cardoso Lisboa, de 42 anos, não soube dizer se a mulher tinha inimigos. Eram 7h15 quando a psicóloga estacionou seu Ford Fiesta na porta de casa e foi abordada por um homem a pé, vestindo moletom vermelho e com capacete colorido. Ele atirou à queima-roupa e fugiu numa moto preta com outro rapaz. Diariamente, Renata deixava os quatro filhos (três adolescentes e uma criança) na escola, em Pinheiros, e seguia para a Unifesp, na Vila Clementino, zona sul. Ontem, como era rodízio de seu carro, Renata voltou para pegar o Doblò do marido, mas não teve tempo de descer. O delegado seccional oeste, Jorge Carlos Carrasco, disse que a morte de Renata foi “execução”. “Falo isso porque a placa do veículo em que o criminoso fugiu estava dobrada, era uma moto escura e eles não levaram nada. Podiam ter entrado na casa ou roubado o carro”, disse. “Vamos apresentar os autores desse crime.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade