Publicidade

Correio Braziliense

Pesquisadores descobrem refúgio de araras-azuis no Pará

 


postado em 10/01/2009 15:51 / atualizado em 10/01/2009 15:51

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto Arara-azul foram surpreendidos com a descoberta de um refúgio com 28 ninhos de araras-azuis na Floresta Nacional dos Carajás, localizada no sudeste do estado do Pará. A bióloga Sílvia Presti que participou da expedição, falou sobre a descoberta em entrevista Rádio da Amazônia, da EBC. Segundo Sílvia, a descoberta do refúgio é importante, pois as novas informações são úteis para a criação de uma plano de conservação da espécie. É um estudo inicial, mas foi interessante, pois conseguimos identificar os hábitos alimentares das araras, as áreas de ocorrência de ninho e coletamos sangue para estudo genético, que é importante para plano de conservação, afirmou Sílvia. Durante um mês, cinco pesquisadores passaram na Floresta dos Carajás investigando a espécie. Sabíamos que o Pará é o local de ocorrência da espécie, mas a gente esperava encontrar um número menor de indivíduos do que foi encontrado , disse a bióloga. Diariamente, o pesquisadores percorriam as regiões do parque procura da espécie. Sílvia conta que a busca foi difícil. Demoramos uma semana para encontrar o primeiro casal. O refúgio foi encontrado após duas semanas de trabalho com a ajuda da população local. Nós conhecemos uma pessoa e ela disse que tinha um ninho de araras azuis em sua comunidade. O grupo foi até o local e identificou os ninhos, contou a pesquisadora. O estudo iniciado na USP tem o objetivo de pesquisar a genética da arara-azul, comparando as diferentes populações da espécie no Brasil. De acordo com a bióloga, o maior número de araras-azuis é encontrado no Pantanal. Na região localizada entre os estados da Bahia, do Piauí e de Tocantins também existe uma população da espécie, que é pouco pesquisada. O estudo nessa área é dificultoso, pois os ninhos são instalados em paredões e não em árvores, ressaltou a pesquisadora. Outro ponto destacado por Sílvia é que as populações das três áreas são independentes. Elas não trocam genes entre si. Isso tem uma implicação evolutiva. Talvez daqui a milhares de anos essas populações possam ser espécies diferentes, disse a pesquisadora. Uma das principais ameaças contra a espécie é o tráfico de animais. De acordo com Sílvia, existe um número razoável de araras-azuis na natureza, mas são necessárias ações de conservação, de conscientização da população para evitar a extinção. Estamos lutando muito em prol dessa população. Cultivando a arara-azul a gente não preserva só a espécie, mas todo o ambiente que a espécie está inserida, afirma a bióloga.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade