Publicidade

Correio Braziliense

Infraero decide acabar com avisos sonoros em aeroportos

 


postado em 03/04/2009 17:44 / atualizado em 03/04/2009 17:45

Até o fim do ano, quem frequenta o Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, não ouvirá mais a voz da atriz e locutora Íris Lettieri, que há 32 anos anuncia, com timbre aveludado, as chegadas e partidas de voos no aeroporto. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) decidiu interromper o serviço de alto-falante dos aeroportos do País. O argumento é de que a medida irá reduzir a poluição sonora, provocada pelo elevado número de mensagens nos horários de maior movimento. De acordo com nota divulgada nesta sexta-feira (03/04), desde outubro de 2008 estão suspensas as chamadas no saguão dos aeroportos da Infraero. Mas nem todos os 67 aeroportos do País adotaram a medida, que vale para Brasília há 7 anos e para Guarulhos, há quatro. A assessoria de imprensa do Tom Jobim informou, por exemplo, que ainda não tem data marcada para encerrar o serviço. Segundo a Infraero, cabe às companhias aéreas fazer o chamado para o voo na sala de embarque. Quem estiver circulando pelo aeroporto, seja tomando um café ou nas lojas, deve se orientar pelos painéis eletrônicos - também são as empresas que devem encaminhar passageiros cegos ou deficientes auditivos. O diretor técnico do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), Ronaldo Jenkins, acredita que a interrupção do serviço possa provocar confusões. "Em Brasília, onde a sala de embarque é pequena, ou Guarulhos, que tem salas estanques, não vejo problemas. Mas no Galeão há aquele saguão enorme. A norma não deveria ser geral". O diretor disse que vai discutir a medida com o sindicato e pretende procurar a Infraero para negociar a melhor solução. "Há ainda a questão psicológica. Uma voz como a da Íris Lettieri acalma o passageiro. Não se pode esperar que todos os funcionários das companhias aéreas tenham uma voz como a dela", afirmou. fonte: Agência Estado

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade