Publicidade

Correio Braziliense

Airbus tem programas para substituir detectores de velocidade

 


postado em 06/06/2009 10:26 / atualizado em 06/06/2009 10:26

A construtora europeia Airbus tem programas de substituição dos detectores de velocidade dos modelos A330, um elemento que parece ter falhado no caso do voo AF447 Rio-Paris, informou neste sábado o responsável pela investigação técnica francesa. O diretor do Escritório de Investigações e Análises (BEA, sigla em francês), Paul-Louis Arslanian, se expressou durante uma entrevista coletiva dedicada ao desaparecimento, na noite de 31 de maio, de um A330 da Air France que fazia a ligação entre Rio de Janeiro e Paris, com 228 pessoas a bordo. Os motivos da queda do aparelho, que teve problemas técnicos, continuam misteriosos. A Airbus instalou "programas de substituição e de modernização dos detectores de velocidade" para sua frota de A330, declarou Arslanian. "Constatamos no A330 diveras panes deste tipo (envolvendo os detectores de velocidade)", destacou. A Airbus se limitava até agora a orientar os pilotos sobre as providências a serem tomadas nestes casos, ressaltou Arslanian. "Problemas, incidentes, foram constatados, e estão sendo estudados, prosseguiu. Porém, "isso não significa que se a substituição não for feita o avião será perigoso, nem que se houver a substituição ele não representará mais nenhum perigo", frisou Arslanian. "Um avião é um ser vivo: melhorias são trazidas constantemente", insistiu. Os incidentes constatados "não provocaram uma perda de altitude do avião, ele foi recuperado" a cada vez, observou. O BEA revelou na sexta-feira que segundo os primeiros elementos da investigação, o A330 da Air France foi afetado por uma "incoerência" entre as velocidades medidas pelo aparelho. Estes elementos procedem das 24 mensagens técnicas de anomalias enviadas pelo avião antes do acidente. Vinte e quatro mensagens ACARS (mensagens de anomalias, panes ou paradas do sistema) foram enviadas pelo avião segunda-feira entre 2H10 e 2H14 GMT (23H10 e 23H24, hora de Brasília), informou Alain Bouillard, funcionário do BEA. A última mensagem de posição foi transmitida às 2H10 GMT. Segundo Arslanian, várias falhas nos sistemas, entre os quais o sistema de pilotagem automática, foram assinaladas. Os aviões enviam mensagens de pane mesmo quando o sistema é parado "deliberadamente" pelos pilotos, ressaltou. Para tentar localizar as caixas pretas, meios acústicos emprestados pelos Estados Unidos serão encaminhados para a área onde estão sendo procurados os destroços do Airbus, informou Arslanian. A França enviou para ajudar nas buscas o submarino nuclear de ataque Emeraude, dotado de sonares, que deve chegar na próxima semana, além do navio "Pourquoi Pas", que transporta um submarino especializado nas buscas em grande profundidade, o "Nautile", e um robô, o "Victor 6000". Ambos podem operar a 6.000 metros de profundidade. A profundidade do oceano na área onde se concentram as buscas foi avaliada em 4.606 metros. Além disso, Alain Ratier, diretor geral adjunto dos serviços meteorológicos franceses, destacou que "nada indica" que o voo AF447 tenha encontrado em seu trajeto "uma tempestade de intensidade excepcional" para um mês de junho.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade