Publicidade

Correio Braziliense LITORAL

Praia do Forte

Distrito a 56 quilômetros da capital baiana realiza outra edição de seu festival de gastronomia, que tem este ano o coco como tema. Praias, castelo e base do Tamar completam as atrações


postado em 18/11/2009 07:00

Alfredo Durães

“Muito mais do que leite de coco”. Assim a chef de cozinha Tereza Paim, define a participação do coco na culinária baiana. A partir de hoje e até 29 de novembro, a Praia do Forte, a 55km de Salvador, recebe o Tempero no Forte — IV Festival de Gastronomia e I Festival de Arte e Cultura. Um dos grandes destinos turísticos do Norte baiano, Praia do Forte é distrito de Mata de São João e fica na região conhecida como Costa dos Coqueiros. O fruto das palmeiras é o tema do festival deste ano e está presente em muitas formas — não somente em forma de leite, que, aliás, está entre os principais ingredientes da gastronomia da Bahia.

A edição 2009 do festival tem a participação prevista de 27 restaurantes de Praia do Forte e dos vizinhos Imbassaí e Guarajuba, que receberão chefs visitantes ou criarão pratos especiais para o evento. Uma das atrações do festival deste ano será o banquete no Castelo Garcia D’Ávila, em homenagem ao Ano da França no Brasil, com a chef anfitriã do festival, Tereza Paim, e as chefs brasileiras Ana Luiza Trajano e Mônica Rangel. Além delas, está prevista a apresentação de um menu orquestrado pelo chef francês Yan Corderon.

Na abertura, hoje, está programada a confecção de cocada, com a participação dos chefs do festival. “O coco pode ser usado para doces e sorvetes, além de ser usado em forma de leite, seco, ralado ou em raspa e ainda como elemento de decoração nos pratos. As possibilidades são muitas. O coco está intimamente ligado à culinária baiana, assim como à tailandesa e à indiana”, explica Tereza Paim. No restaurante dela, o Terreiro da Bahia, o prato que participará do festival terá palmito pupunha e coco na entrada, filé com pupunha no prato principal e, na sobremesa, sorvete de coco com, adivinhem, pupunha!

Tereza explica que o festival não é competitivo, mas tem o caráter de promover a culinária e a troca de experiências entre os chefs visitantes, além de contar com a participação da comunidade como na exposição de elementos da cultura e do artesanato locais. Mas, como o turista não quer só comida, a localidade de Praia do Forte oferece, de dia, praias de ondas gostosas; areias para longas caminhadas, com direito a banho de mar e uma refrescante parada numa das inúmeras barracas de praia próxima à igrejinha da Vila. Hora de uma bebida gelada para espantar o calor e pedir um tira-gosto à base de frutos do mar. À noite, é vez de flanar por todo o charme da vila, que tem oferta de bares e restaurantes de primeiro time.

Vá também

Reserva de Sapiranga
A apenas seis quilômetros da vila de Praia do Forte, indo pela Estrada do Coco, esse patrimônio da natureza é formado por 600 hectares de mata. Serve de hábitat de espécies da fauna e da flora nativas, abrigando orquídeas e bromélias, micos-estrela e tamanduás.

Corredeiras do Rio Pojuca
A partir da Praia do Forte, o passeio fluvial pelas corredeiras é garantia de adrenalina.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade