Publicidade

Correio Braziliense

Homenagem a Camilo

Familiares e amigos dão adeus a condômino dos Associados em enterro marcado pela emoção


postado em 28/11/2009 12:55 / atualizado em 28/11/2009 13:02

Autoridades do mundo político, imprensa, parentes e amigos deram ontem o último adeus a Camilo Teixeira da Costa, que morreu aos 85 anos, na noite de quinta-feira, por falência múltipla dos órgãos, no Hospital São Lucas, região leste de Belo Horizonte, onde estava internado há uma semana. O corpo de Camilo foi sepultado às 18h15, no Cemitério do Carmo, em Santa Luzia, sua cidade natal, com a presença de familiares, autoridades e dezenas de amigos. Numa última homenagem, uma dupla de seresteiros cantou para Camilo Teixeira da Costa, que foi velado durante todo o dia na Casa da Cultura da cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte, que leva o nome da família.

Velório do condômino dos Associados, Camilo Teixeira da Costa(foto: Marcelo Sant'Anna/EM )
Velório do condômino dos Associados, Camilo Teixeira da Costa (foto: Marcelo Sant'Anna/EM )
Bastante emocionadas, as irmãs de Camilo, Tereza e Luzia Teixeira, chegaram no início da tarde ao velório e depositaram flores no caixão, que ficou o tempo todo rodeado por filhos e netos. O vice-presidente da República, José Alencar, lembrou que ele e Camilo eram muito amigos. "Era muito apegado à família e fez um trabalho notável. Ele deixa um legado para a família", disse Alencar, que esteve no velório à tarde. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, e o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, também se despediram de Camilo Teixeira da Costa. O diretor presidente dos Diários Associados, Álvaro Teixeira da Costa, que acompanhou o velório e o sepultamento, disse que Camilo foi um dos grandes líderes do grupo e será lembrado para sempre pelos seus ideais de vida. "Ele soube cativar a todos os colegas com a sua liderança e otimismo. Na sua época não existiu um só amigo que não o devesse uma ajuda pessoal. Por isso, ele era adorado. É uma grande perda para a família e para os Diários Associados, mas deixa um exemplo muito vivo, que todos nós esperamos continuar seguindo, que são os seus ideais. Os mais antigos jamais vão esquecer a passagem dele pela vida", disse. Condômino dos Diários Associados desde 1976, Camilo chegou ao grupo em 1963 e seu início na redação foi como redator do Estado de Minas. Em uma trajetória ascendente, foi subgerente de rádio e televisão, depois assumiu o cargo de subgerente geral, diretor-financeiro e diretor-gerente. Entre 1975 e 1994 foi diretor-executivo e ocupou ainda o cargo de diretor-geral. Seu último cargo foi o de presidente do Conselho Administrativo dos Diários Associados em Minas Gerais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade