Publicidade

Correio Braziliense

Ministério da Justiça e AMB lançam cartilha com noções de direito e cidadania


postado em 26/04/2010 17:20

Rio de Janeiro - O Ministério da Justiça e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) lançaram nesta segunda-feira (26), no Rio, uma cartilha, em formato de gibi, que inclui noções de justiça e cidadania, e será distribuída gratuitamente em escolas e instituições de 19 estados brasileiros.

O secretário de Reforma do Judiciário, Rogério Favreto, lembrou que a parceria com a AMB já dura 18 anos e que o material instrui sobre os direitos básicos de um cidadão de forma alegre e animada.

“A criança aprende noções como a importância de se respeitar uma fila, um horário, uma tarefa, mas também sobre o sistema de Justiça, que é cheio de nomes difíceis. E nada melhor que uma criança para começar a conhecer e distinguir os setores da Justiça e os poderes do Legislativo e Executivo”, disse.

O presidente da AMB, Mozart Valadares Pires, acredita que se a cartilha tivesse sido implementada décadas atrás nas escolas brasileiras, as injustiças sociais seriam bem menores no país. “A cartilha ensina nossas crianças, de um jeito lúdico, a reivindicarem seus direitos e saberem sobre seus deveres. Estamos formando futuros cidadãos e contribuindo para um futuro menos violento e corrupto.”

O lançamento foi feito no Espaço Criança Esperança no complexo de morros Cantagalo-Pavão-Pavãozinho, recém-pacificados, em Ipanema, na zona sul carioca. Os alunos do local expuserem maquetes e trabalhos que desenvolveram com os professores relacionados aos Três Poderes e a direitos cidadãos.

A estudante Daiane Ferreira de Araújo, da 4ª série do ensino fundamental, é uma das 200 crianças que já estão usando a cartilha. “Uma das coisas que eu aprendi com a cartilha é que se você não tiver dinheiro para pagar um advogado, o governo é obrigado a dar um de graça para te defender.”

Serão distribuídos 200 mil exemplares para escolas que queiram aderir ao programa em todo o Brasil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade