Publicidade

Correio Braziliense

Corrente solidária ajuda o Nordeste

Em Brasília, torcedores de clubes pernambucanos se organizam para receber doações. No Recife, grupos se mobilizam e conseguem arrecadar 1 tonelada de alimentos


postado em 05/07/2010 08:14

Brasília e Recife — Pernambucanos que vivem em Brasília e que costumam se encontrar para assistir aos jogos de futebol dos times de seu estado natal resolveram se unir por uma causa nobre: ajudar as vítimas das enchentes que devastaram Pernambuco e Alagoas no fim de junho. “Diferentemente da época das enchentes em Santa Catarina, desta vez não vimos qualquer mobilização em Brasília, o que é estranho já que há muitos nordestinos aqui. Então, fizemos a nossa parte. Muita gente tem parentes que foram afetados pelo desastre”, conta Pablo Feitosa, um dos coordenadores da ação e torcedor ardoroso do Santa Cruz. A rivalidade entre o Santa Cruz , o Sport e o Náutico foi suspensa fora de campo. “O futebol foi a forma de nos reunir. Mas a união da ação vem da solidariedade”, diz Feitosa. Com o apoio de uma empresa de transporte de Recife, que levará as doações ao Nordeste, e a colaboração de amigos e desconhecidos, o grupo conseguiu arrecadar ontem, no Parque da Cidade, mais de três toneladas de donativos, entre roupas, alimentos e outros itens de primeira necessidade.

Enquanto isso, no Recife continua a campanha para arrecadação de alimentos não perecíveis, água mineral, colchões, materiais de higiene e limpeza, roupas. Da lista de donativos para as vítimas das enchentes em Pernambuco, existe um item que está em falta e que é imprescindível para que essa corrente de solidariedade não se quebre: a presença de voluntários. A Coordenadoria de Defesa Civil do estado (Codecipe) está realizando um cadastro de voluntários que queiram atuar nos próprios municípios atingidos pelas enchentes.

Quem não pode prestar serviço voluntário ou mesmo não tem como sair de casa para levar donativos a pontos de arrecadação conseguiu, ontem, fazer seu gesto de solidariedade. Três grupos de motociclistas acompanhados de policiais do 4ª Batalhão do Exército se dividiram e saíram de porta em porta recolhendo as doações dos moradores dos bairros Iputinga, Engenho do Meio, Madalena, San Martin, Torrões e Avenida Canxagá, no Recife. A ação fez parte da campanha Motociclista Solidário, promovida pela Shineray do Brasil, Sindicato dos Motoqueiros de Pernambuco, Associação Pernambucana de Atacadistas e Distribuidores e o Exército Brasileiro. No fim, eles conseguiram arrecadar mais de uma tonelada de alimentos, material de limpeza, roupas e eletrodomésticos. Os donativos foram entregues ao Exército, que ficará encarregado de distribuir o material com os 39 municípios atingidos pelas chuvas. Segundo o governo do estado, já foram enviadas mais de 990 toneladas de donativos, dos quais mais da metade foram resultado da solidariedade da população.

Fatos impressionantes

Lidar com situações adversas, como a que existe no interior do estado por causa das enchentes, faz parte da rotina do general Américo Salvador de Oliveira. O paulista nascido em Santos é o responsável pelo Comando Militar do Nordeste, divisão do Exército Brasileiro que está apoiando as ações de reconstrução das cidades atingidas pelas chuvas. Portanto, acumula muita experiência no enfrentamento de situações como essa. Ele comandou a primeira turma de militares brasileiros que foi prestar serviços humanitários no Haiti, antes mesmo dos terremotos que devastaram o país caribenho no início do ano.

Para ele, diante do caos ocorrido nos municípios pernambucanos, ainda existem fatos impressionantes. “Estou comovido com as demonstrações de solidariedade do povo pernambucano. E com a vontade dos desabrigados em ficar nas suas cidades de origem. Em qualquer lugar do mundo as pessoas já teriam saído para outros lugares”, analisou.

Em entrevista ao Diario de Pernambuco, o comandante militar do Nordeste informou que as áreas alagadas nas últimas enchentes eram as mesmas observadas nas cheias de 2000. “Precisamos evitar que as pessoas voltem a construir suas casas nesses locais, como aconteceu há 10 anos. Caso contrário, podem ocorrer outras tragédias”, alertou. Américo Salvador de Oliveira ressaltou, no entanto, que diferentemente do Haiti, em Pernambuco há uma ação forte do Poder Executivo. Essa diferença, segundo o general, é essencial para o restabelecimento da rotina dos municípios arrasados.

Estou comovido com as demonstrações de solidariedade do povo pernambucano. E com a vontade dos desabrigados em ficar nas suas cidades de origem. Em qualquer lugar do mundo as pessoas já teriam saído para outros lugares”
General Américo Salvador de Oliveira, responsável pelo Comando Militar do Nordeste

Doações

Bar Raízes (408 Norte).

Fones: 3033-7330 ou 8535-4803

Asnab (Associação Nacional dos empregados da Conab, 902 Sul)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade