Publicidade

Correio Braziliense

Pacto pela reciclagem é lançado no Rio


postado em 05/08/2010 18:33

Rio de Janeiro - Galpões de coleta seletiva do lixo serão construídos nos municípios do Rio de Janeiro. Além disso, o estado vai reforçar o apoio ao Projeto de Coleta Seletiva Solidária desenvolvido por cooperativas de catadores de materiais recicláveis em condomínio residenciais. Essas são algumas das medidas do programa Pacto pela reciclagem, lançado nesta quinta-feira (5) pelo governo do estado em parceria com o Movimento Nacional dos Catadores de Material Reciclável, a Associação Brasileira de Administradores de Imóveis e a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

 

A iniciativa visa a reverter a situação ambiental em relação aos lixos nas cidades, oferecendo a reciclagem como opção. Segundo a secretária estadual de Ambiente, Marilene Ramos, apenas na capital fluminense são recolhidos diariamente pelo menos 8 mil toneladas de lixo domiciliar. Desse total, apenas 1% é reciclado, quando o percentual reaproveitável poderia chegar a 40%.

 

“Nossa expectativa é unir forças para fazer avançar a reciclagem no Rio. Vamos trabalhar com as prefeituras para ampliar os galpões de coleta seletiva. Para tanto, já iniciamos o mapeamento para ver onde eles podem ser construídos”, afirmou Marilene.

 

Segundo Jorge Pinheiro, integrante da organização não governamental lixo.com.br, o resgate das coletas seletivas e intervenções municipais é importante, porque “os catadores estavam à margem do processo” e o “pacto vem impulsionar a relação entre os atores”.

 

Segundo presidente da cooperativa Coopar, Jorge Neves, o programa é bem aceito pelos catadores, mas falta participação da categoria na elaboração das políticas públicas. Neves destaca que o pacto tem de ser cumprido e sugeriu que todos os catadores sejam chamados para dar um suporte às leis.

 

De acordo com Marilene Ramos, o programa já está implantado em 20 dos 92 cidades do estado. No município do Rio de Janeiro, ele vai começar pelo centro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade