Publicidade

Estado de Minas

Três casos de agressão reabrem debate sobre maus-tratos contra animais


postado em 10/04/2012 07:10 / atualizado em 10/04/2012 07:59

Três casos de maus-tratos contra animais divulgados ontem reacendem o debate em torno da prática de violência contra os bichos e a repercussão que esse assunto vem ganhando principalmente nas redes sociais. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Rondônia investiga a morte de um cavalo, baleado na altura do quilômetro 700 da BR-364, em Porto Velho, por um agente da corporação. Um vídeo anônimo — retirado da internet na tarde de ontem — mostra o inspetor deflagrando três tiros contra o animal. Um deles parece ser na cabeça. Em Salvador, uma mulher também foi flagrada, em vídeo feito pela vizinha, espancando um cachorro com uma vassoura. Em Porto Alegre, estudantes na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) protestaram contra um vigilante tercerizado do câmpus que, na sexta-feira passada, matou um cachorro da raça pit bull com um tiro no olho.

A 15ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre investiga a morte da cadela Artêmis. Em depoimento, o autor do disparo disse que o animal teria “avançado” em sua direção. Dona do cachorro e estudante de veterinária, Mariana Simões dos Santos afirmou que, apesar de o bicho estar sem a coleira, ele não tinha o movimento de uma das patas como consequência de um atropelamento. Por isso, não teria condições de pular no homem. Segundo a estudante, Artêmis era dócil e nunca tinha atacado ninguém. Em seu perfil no Facebook, Mariana criticou a atitude do vigilante. “Ele não atirou para cima. Ele não atirou na pata, foi na cabeça, com a clara intenção de matá-la.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade