Publicidade

Estado de Minas

Banco de dados guardará o DNA de criminosos no país

Sistema semelhante ao usado pela polícia federal norte-americana entra em funcionamento na quarta-feira, mas, por enquanto, com a participação de apenas cinco estados


postado em 25/11/2012 08:52 / atualizado em 25/11/2012 10:28

%u201CNão é algo como CSI, que você dá dois cliques e aparece até a foto da pessoa identificada. Nem nos Estados Unidos ocorre assim (%u2026) O método traz uma segurança incrível, sendo a probabilidade de um falso positivo algo estatisticamente improvável%u201D Hélio Buchmüller, perito da Polícia Federal(foto: Daniel Ferreira/CD/D.A Press)
%u201CNão é algo como CSI, que você dá dois cliques e aparece até a foto da pessoa identificada. Nem nos Estados Unidos ocorre assim (%u2026) O método traz uma segurança incrível, sendo a probabilidade de um falso positivo algo estatisticamente improvável%u201D Hélio Buchmüller, perito da Polícia Federal (foto: Daniel Ferreira/CD/D.A Press)
 
Popularizado por seriados policiais como CSI e Law&Order, o banco de DNA de criminosos, que ajuda investigadores a elucidar casos intrincados com a análise de vestígios da cena do crime, como um fio de cabelo ou uma ponta de cigarro, começa a se tornar realidade no Brasil a partir de quarta-feira. É quando entrará em vigor a lei sancionada em maio passado pela presidente Dilma Rousseff. Quinze estados, além da Polícia Federal, já têm estrutura pronta para alimentar a rede nacional de perfis genéticos (veja ilustração). O Distrito Federal, apesar de pioneiro na análise genética para fins criminais, ainda não está integrado porque não possui o sistema Codis, doado ao país pelo FBI, a polícia federal dos Estados Unidos, ainda em 2010.

Na ocasião, equipes norte-americanas vieram instalar o programa utilizado nos Estados Unidos, mas a Polícia Civil da capital federal preferiu ficar de fora da iniciativa, embora tivesse laboratório de DNA com todas as condições para receber o sistema. Atual diretor do Instituto de Pesquisa de DNA Forense da instituição, o perito médico-legal Samuel Ferreira não tem detalhes do que ocorreu por se tratar de decisão da “gestão anterior”. Mas ele ressalta, entretanto, que está prevista uma nova visita do FBI no primeiro semestre de 2013 para instalar o Codis. Mesma situação está Goiás, que já pode receber o programa. Em outras 10 unidades da Federação, como Alagoas, líder no ranking de homicídios no país, não há sequer laboratórios de DNA.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade