Publicidade

Correio Braziliense

PM acusado de matar embaixador muda versão e diz que foi legítima defesa

Policial Militar Sérgio Gomes Filho também negou que receberia pagamento para matar Kyriakos Amiridis


postado em 01/01/2017 21:51

O policial militar Sérgio Gomes Filho, 29 anos, suspeito de assassinar o embaixador grego Kyriakos Amiridis, 59, mudou a versão que havia relatado aos investigadores. No novo relato, divulgado pela Globo News, o PM disse que não receberia nenhum pagamento por matar Kyriakos e entrou em luta corporal com o embaixador, alegando legítima defesa. Segundo Sérgio, o grego estaria armado com um revólver e foi contido com um "mata-leão".

Após o golpe, segundo o depoimento, o embaixador teria ficado desacordado. Após minutos inconscientes, Sérgio teria cogitado chamar a polícia, mas mudou de ideia e decidiu chamar o primo para ajudar a levar o Kyriakos até o carro, pois, segundo ele, era um homem muito pesado para se carregar sozinho.
 
 
Leia mais notícias em Brasil 
 
O sofá da casa onde houve a suposa luta corporal foi apreendido pela polícia pois, nele, havia manchas de sanguem que podem ajudar a esclarecer como ocorreu o assassinato. 

De acordo com o PM, a embaixatriz Françoise Amiridis não estava presente no momento da briga.

As versões entram em contradição, pois, o primo do PM havia informado à polícia que Françoise teria oferecido R$ 80 mil para que eles matassem o marido e que o pagamento seria feito em 30 dias "se tudo desse certo". Todos os três acusados estão presos provisoriamente. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade