Publicidade

Correio Braziliense

Taxistas e motoristas de apps se mobilizam para pressionar votação

De acordo com a PMDF, cerca de 150 pessoas participam dos atos pacíficos, que tiveram início na madrugada deste terça-feira (31/10)


postado em 31/10/2017 10:30 / atualizado em 31/10/2017 10:34

A manifestação é pacífica e somente a Avenida das Bandeiras foi bloqueada(foto: Divulgação/ PMDF)
A manifestação é pacífica e somente a Avenida das Bandeiras foi bloqueada (foto: Divulgação/ PMDF)

 

Desde a madrugada desta terça-feira (31/10), taxistas e motoristas de aplicativos enfileiraram veículos ao longo do canteiro central da Esplanada dos Ministérios, em Brasília. O motivo da mobilização é pressionar a votação do projeto de lei que regulamenta os serviços de transporte particular, que está prevista na pauta do Senado Federal hoje. Na última semana, a Casa havia aprovado a tramitação da matéria em regime de urgência.

 

Representantes de aplicativos, como Uber, 99 e Cabify, desaprovam o projeto e, por meio das redes sociais, alertam que o texto traz proibições que poderão extinguir o serviço. Há alguns dias, eles entregaram, no Senado, 815 mil assinaturas contra a proposta, que traz exigências como o uso de placas vermelhas (iguais às dos táxis), veículo próprio e autorização específica do governo para prestar o serviço. Os taxistas pedem a aprovação do texto sem modificações e muitos alegam concorrência desleal.

 

Manifestação

 

A manhã nublada na capital não desanimou os motoristas, que estacionaram seus veículos em duas das faixas do Eixo Monumental para protestar. De um lado, taxistas, a favor da aprovação do PLC 28/2017, e, de outro, os motoristas de aplicativos de caronas. De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), cerca de 150 pessoas, de ambos as categorias, participam da manifestação. Até às 9h30, o protesto era pacífico e somente a Alameda dos Estados, localizada em frente ao Congresso Nacional, foi bloqueada pela PM. Os aplicativos estão funcionando normalmente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade